Publicidade

Estado de Minas

Pesquisa mostra que carnes estão mais caras em BH e variação nos preços chega a 178%

Levantamento dos valores foi feito pelo site Mercado Mineiro e divulgado nesta segunda-feira. Orientação é consumidor fazer consulta de preços antes de comprar


postado em 08/04/2019 17:52

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

Apesar de estarmos no período da quaresma em que para muitos cristãos o peixe ganha protagonismo no cardápio, a carne vermelha e a de frango não deram refresco no preço e ficaram mais caras. Pesquisa feita pelo site Mercado Mineiro mostra ainda que dependendo do tipo de corte a variação cobrada no preço do quilo pode chegar a 166%.


De acordo com a pesquisa – feita entre os dias 1 e 4 de abril -, a carne suína foi a que mais subiu de preço. Um dos exemplos é o quilo do lombinho filé que era encontrado anteriormente a R$ 14,35 e agora subiu para R$ 15,39, aumento de 7,25 no preço médio. Já o quilo do pé subiu de R$7,79 para R$8,59, elevação de 10,27%. Tem ainda a bisteca com costela que subiu 7,14%, o preço médio que era de R$12,88 foi para R$13,80.


Na comparação das que mais subiram, a carne de frango ficou com a segunda posição no ranking da pesquisa. O quilo do frango resfriado subiu de R$6,24 para R$6,63, aumento de 6,25%. Já o frango congelado subiu de R$5,73 para R$6,15, alta de 7,33%. Em relação aos cortes, o quilo da asa resfriada subiu 3,87%, o preço médio que era de R$11,11 é está em média R$11,54. O peru também teve o preço elevado. O pescoço da ave está 6,88% mais alto, saltando de R$ 13,67 pata R$ 14,61.


A carne bovina também teve aumento. O acém subiu de R$16,52 para R$17,13, aumento de 3,69%, além do chã de dentro que agora está por R$ 25,44, 2,50% mais caro, quando comparado com o preço anterior de R$ 24,82. Já o quilo da alcatra subiu de R$27,68 para R$28,12, um aumento de 1,59%.

O levantamento de preços, feito pelo Mercado Mineiro, ainda considera a variação verificda nos açougues de Belo Horizonte. O que na opinião do diretor-executivo do Mercado Mineiro, Feliciano Abreu, exige atenção na hora de fazer as compras. “As variações são sempre significativas, mas é importante o consumidor avaliar a qualidade da carne e região do estabelecimento que podem influenciar nos preços. As carnes bovinas tivemos variações de 166%, como ocorreu no quilo da fraldinha tradicional, que pode custar de R$14,99 até R$39,95”, afirmou.


A pesquisa ainda demonstra que o quilo do filé mignon pode custar R$ 26,99 até R$54,99, variação de 103%. Outros cortes como o lagarto pode custar de R$17,98 até R$35,00, 94% mais caro, e acém pode custar de R$12,99 até R$23,50, alta 80%.


Contudo, mais uma vez, a carne suína foi que os preços entre os estabelecimentos teve maior variação no preço. Em alguns casos, chegou a 178%, como na bisteca com costela. O corte foi encontrado a R$ 8,99 e também a R$ 25. No mesmo caminho, o lombo inteiro, custando de R$ 9,95 até R$22,90, uma variação de 130%.O quilo do Pernil com Osso pode ser encontrado de R$7,95 até R$18,90, uma variação 137%.


O frango também teve o preço da carne pesquisado e o levantamento apontou que o quilo do peito resfriado pode custar de R$6,95 até R$14,95, 115% mais caro. O filé de peito foi encontrado de R$9,90 até R$18,00, uma variação de 81%. Já o frango resfriado pode ser encontrado de R$4,90 até R$7,99, variação de 63% e a coxa e sobrecoxa foi encontrada de R$5,99 até R$9,99, ficando 66% mais cara, caso o consumidor compre no valor mais caro.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade