Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Salim Mattar, sócio da Localiza, é cotado para comandar privatizações

Empresário liberal, Mattar ensaia há algum tempo sua entrada no mundo político e chegou a ser sondado pelo Novo para se candidatar ao governo de Minas


postado em 23/11/2018 11:00 / atualizado em 23/11/2018 14:11

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D,A Press )
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D,A Press )

Futuro ministro da Economia, Paulo Guedes avalia o nome do empresário Salim Mattar, sócio e presidente do conselho da Localiza, para assumir a secretaria de "privatizações", que também vem sendo chamada internamente de "secretaria especial de desestatização e desinvestimentos", disse ao jornal O Estado de S. Paulo importante fonte da equipe de transição. O economista Marcos Cintra, presidente do Finep, está cotado ainda para assumir outra área central do novo "superministério".

Empresário liberal (é conselheiro do Instituto Millenium, que promove o liberalismo), Mattar ensaia há algum tempo sua entrada no mundo político e chegou a ser sondado pelo Novo para se candidatar ao governo de Minas. Ele já foi sondado por Paulo Guedes para o posto e as conversas seguem para levá-lo para o governo. Se confirmado, Mattar teria a responsabilidade de tocar área considerada estratégica por Guedes, que anunciou durante a campanha a intenção de levar à frente um programa ambicioso de privatizações.

O economista Marcos Cintra, doutor em Economia por Harvard, está cotado para assumir uma supersecretaria que vai unir Receita Federal e a atual Secretaria da Previdência. Ela está sendo chamada internamente de secretaria de "arrecadação" e terá grande importância na nova estrutura.

Há expectativa entre colaboradores da equipe que, com a escolha da presidência dos bancos estatais, Guedes se dedique nos próximos dias a definir a estrutura final e os nomes dos principais auxiliares. A princípio, o futuro superministério terá seis grandes secretarias. As conversas ainda estão em andamento, e o número de secretarias ainda pode ser modificado, mas já há nomes bem cotados para cada uma das áreas, segundo três integrantes do time de transição ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo.

No desenho que vem sendo pensado, além de Mattar em "privatizações" e Cintra em "arrecadação", a "secretaria de produtividade e competitividade" ficaria com Carlos da Costa, ex-diretor do BNDES e colaborador do time. Mansueto de Almeida, atual secretário do Tesouro e já confirmado na futura equipe, comandaria a "secretaria de economia", acumulando o Tesouro com outras áreas.

Para a secretaria de "gestão e modernização", está cotado o advogado Paulo Uebel, ex-secretário de João Doria na Prefeitura de São Paulo e parte da equipe de transição. Já o economista Marcos Troyjo pode ficar com a secretaria responsável pelo comércio exterior.

Atual ministro do Planejamento, Esteves Colnago está quase confirmado na equipe econômica de Jair Bolsonaro, segundo uma importante fonte do time de transição. Ele está sendo pensado para o cargo de secretário executivo do superministério. A ideia é que ele ajude a "tocar a máquina", explica um integrante do time. Colnago já se reuniu com Guedes, que gostou bastante da conversa.

Ajustes

Uma fonte da equipe pondera que o desenho de seis secretarias com seus respectivos comandantes ainda pode sofrer ajustes, já que é preciso, antes de tudo, confirmar o número de secretarias. Uma ala do time advoga por enxugar ainda mais o organograma, deixando o futuro ministério com cinco ou até quatro secretarias.

De qualquer maneira, algumas áreas e postos importantes fatalmente perderão relevância. É o caso da Receita Federal, que passará a ser uma estrutura do terceiro escalação, abaixo do secretário de "arrecadação".

Dois importantes colaboradores da campanha e da transição, os pesquisadores do Ipea Adolfo Sachsida e Alexandre Ywata, também devem assumir postos no governo. Ywata está sendo cogitado para a diretoria de um bancos estatal. Já Adolfo Sachsida poderia assumir uma assessoria especial.

Um integrante do grupo nota ainda que segue a pressão no entorno de Jair Bolsonaro de representantes de setores industriais pela manutenção do Ministério da Indústria e Comércio. Guedes tem resistido. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade