Publicidade

Estado de Minas

Não há mais combustível no Aeroporto de Brasília, avisa concessionária

A partir de agora, todos os aviões que pousarem no aeroporto JK e que precisem de abastecimento ficarão em solo até volta do fornecimento


postado em 25/05/2018 09:18 / atualizado em 25/05/2018 11:42

O aeroporto continua a operar, mas apenas para aqueles aviões que tenham capacidade de decolar sem precisar abastecer(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
O aeroporto continua a operar, mas apenas para aqueles aviões que tenham capacidade de decolar sem precisar abastecer (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
A Inframerica informou na manhã desta sexta-feira, 25, que as reservas de querosene de aviação no aeroporto de Brasília se esgotaram. "Aviões que pousarem no Terminal aéreo e que necessitem de abastecimento ficarão em solo até o fornecimento de combustível no Aeroporto ser normalizado", diz a nota da concessionária que administra o terminal de Brasília.

A empresa afirma que é fundamental a liberação dos caminhões bloqueados no protesto para a regularização do atendimento e das operações. Segundo a Inframerica, nos últimos dias, apenas dez caminhões chegaram ao aeroporto, todos sob escolta policial. Em média, o terminal recebe diariamente 20 caminhões para abastecimento. Até as 8h desta sexta, não houve registro de entrada de novos caminhões no aeroporto.

A nota da Inframerica ainda informa que em razão do racionamento do querosene de aviação, a "American Airlines cancelou de forma preventiva o voo que vinha de Miami e que pousaria no Aeroporto de Brasília às 7h35. Automaticamente o voo que partiria da capital às 21h55, fica também cancelado."

Segundo a empresa, depois de quatro dias, este foi o primeiro cancelamento decorrente da restrição na oferta de combustível no aeroporto de Brasília. A Inframerica orienta aos passageiros que, antes de irem para o Aeroporto, busquem informações com a sua companhia aérea. As equipes de atendimento da concessionária foram reforçadas para atender aos usuários.

"Apesar do agravamento da situação, ainda não há previsão de regularização do estoque de combustível. A concessionária aguarda a liberação dos caminhões", diz a nota da Inframerica.

 

Outros três voos também foram cancelados, em rotas nacionais, entre a capital federal e os aeroportos de Teresina (PI), Congonhas (SP) e Guarulhos (SP). Segundo um comunicado divulgado pela Inframérica, a única alternativa é o avião pousar com capacidade para decolar sem a necessidade de abastecimento no Terminal brasiliense.

A doméstica Maria de Jesus, 50 anos, saiu 7h do Rio de Janeiro, onde mora, com destino ao interior de Teresina. O voo, que tinha conexão em Brasília, parou por aqui mesmo. Ela ainda não sabe o que vai acontecer. Se ainda tem chances de viajar, ou se deverá ficar hospedada na capital federal mesmo. “A companhia vai ter que dar um jeito do que fazer conosco”, disse. O voo estava previsto para 9h40, mas até 10h30 não havia previsão do que fazer. “A greve acaba atrapalhando quem não tem nada a ver”, lamentou.
 
Ontem, a Inframérica havia informado que a frota de caminhões de Querosene de Aviação (QAV) para o aeroporto ainda estava retida no Entorno do Distrito Federal por conta do protesto dos caminhonhoneiros, que hoje completa cinco dias. Desde terça-feira (22/5), apenas nove caminhões com combustível chegaram ao JK sob escolta policial. Diariamente, o terminal recebe uma média de 20 veículos.

Até as 8h desta sexta-feira, o aeroporto registrou 61 movimentos aéreos. Desde a meia noite, houve 7 atrasos e 4 aeronaves estão atrasadas. A orientação é para que os passageiros que tenham viagem marcada confirmem o status do voo com a companhia. "A Inframerica está em contado direto com todos os órgãos competentes e players da aviação civil para buscar soluções, organizar a logística do Terminal e tentar trazer os caminhões de combustível para o Aeroporto."

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade