Publicidade

Estado de Minas

Aversão ao risco congela negócios no Brasil

Depois da Operação Lava-Jato, tecnocratas do Estado adiam decisões e optam pela paralisia como o caminho mais seguro. No BNDES, três grandes operações se arrastam há meses


postado em 13/03/2018 12:00 / atualizado em 13/03/2018 10:43

O protagonismo do BNDES nas grandes empresas é legado de um Brasil da época do presidente Getúlio Vargas(foto: Leonardo Cavalcanti/CB/D.A Press 17/12/16)
O protagonismo do BNDES nas grandes empresas é legado de um Brasil da época do presidente Getúlio Vargas (foto: Leonardo Cavalcanti/CB/D.A Press 17/12/16)
Rio de Janeiro – Pelo menos três grandes operações repousam hoje na mesa de técnicos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) à espera de uma decisão do banco. Todas se arrastam há meses e são sintoma de uma nova síndrome que acometeu o Brasil na era pós-Lava-Jato: a síndrome de proteção de CPF. O problema não é exclusivo do banco: estende-se a fundos de pensão ligados a estatais e agências reguladoras.


Com medo de ser responsabilizados na pessoa física pelo Ministério Público, a Advocacia-Geral da União ou o Tribunal de Contas (para citar apenas os órgãos de controle mais ativos), funcionários que trabalham em várias partes da estrutura do Estado estão adiando decisões e optando pela paralisia como o caminho mais seguro. No caso do BNDES, a indecisão envolve participações em empresas gigantes.


Na Eletropaulo, a AES Corp., empresa do ramo que opera a companhia desde os anos 90, está na iminência de vender sua participação de 17%. O BNDES tem que decidir se vende junto, o que poderia maximizar o valor de sua participação dado o interesse de investidores estratégicos em botar o pé na companhia neste momento.


Na JBS, onde o BNDES é dono de 21% do capital, o acordo de acionistas com a família Batista faz com que, desde 2009, qualquer decisão estratégica da companhia tenha que ser aprovada pelo banco. Mas isso vai mudar em janeiro próximo, quando a expiração do acordo de acionistas vai depreciar o valor da participação do banco. Dado o clima atual, será que o BNDES consegue fazer um bom negócio até lá?


Por fim, na fusão entre Fibria e Suzano – a mãe de t odas as transações do setor de celulose –, o BNDES terá que decidir se dá o seu aval ou se, com medo de questionamentos, deixa o negócio descarrilar.


Nunca tanta riqueza dependeu de tantos tecnocratas com tanto medo de assinar qualquer papel. A conversa sobre como chegamos até aqui começa com o óbvio: a síndrome de proteção de CPF só existe porque o Estado ainda é, em plena era de Elon Musk e da inteligência artificial, o sol ao redor do qual gravita boa parte da economia brasileira. Estado menor, problemas menores.
Mais: o protagonismo do BNDES nas grandes empresas é o legado de um Brasil getulista, do Brasil governado pelos militares e, graças à nossa incapacidade inconfessa de romper com o passado, do Brasil governado sempre pelos mesmos grupos políticos.


Do ponto de vista humano, há pouca novidade: o apego aos processos, uma dose razoável de morosidade e a aversão a risco são traços normais nas burocracias, ainda mais as latinas. 
Mas, no Brasil, o ambiente pós-Lava-Jato, em que todo mundo desconfia de todo mundo e o ônus da prova foi invertido na prática, agravou a angústia decisória entre os tecnocratas, que, com seus carimbos, assinaturas e anuências, de fato governam o país.


No ano passado, essa angústia se tornou concreta quando funcionários de carreira do BNDES foram conduzidos coercitivamente para prestar esclarecimentos como parte da Operação Bullish, que investigava os aportes do banco na JBS.

Neste clima, é natural que o instinto de sobrevivência congele o gerente de área na hora de colocar o jamegão num parecer, relatório ou contrato. Infelizmente, a segurança jurídica de um é o prejuízo do outro. Este “outro” é, às vezes, o ente estatal para o qual o técnico trabalha. Em outros casos, a economia como um todo.


A natureza transacional do capitalismo, em que o “timing” é uma variável essencial para definir os retornos, significa que não tomar uma decisão pode ser tão prejudicial quanto tomar uma decisão errada.


O Brasil precisa consertar o que está errado no sistema, encontrando um equilíbrio produtivo entre investigação e execração. Até lá, cobertos com pareceres externos de bancos, os tecnocratas precisam agir, ou correr o risco de encarar outros processos – aqueles que vão acusá-los de gerar prejuízos por terem se omitido.

 

“Corrupção é chaga brasileira”


O presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, afirmou ontem, na abertura do evento Ouvidoria 3.0, que a “propensão à corrupção é uma chaga brasileira” e que, por isso, são fundamentais as denúncias feitas às ouvidorias para combater supostos desvios. Rabello citou o próprio BNDES, que mantém uma ouvidoria aberta para receber denúncias sobre a atuação do banco. “As denúncias têm grau de apuração extremamente elevado. O BNDES se orgulha de processar respostas em, no máximo, três dias úteis, quando, na lei, temos até 10 dias. Nesse aspecto, temos tido um sucesso bastante grande na elucidação de vários casos”, disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade