Publicidade

Estado de Minas

Arezzo cresce e aumenta presença internacional

Empresa passa pela crise sem sustos e agora planeja abrir 60 lojas em cidades médias no Brasil e expandir operação nos Estados Unidos com o uso de novas ferramentas digitais


postado em 18/01/2018 12:00 / atualizado em 18/01/2018 08:17

Grupo comandado por Birman planeja abrir de 55 a 60 lojas somente este ano(foto: Reprodução/Arezzo.com.br)
Grupo comandado por Birman planeja abrir de 55 a 60 lojas somente este ano (foto: Reprodução/Arezzo.com.br)

São Paulo – A fabricante de calçados e acessórios femininos Arezzo&Co, dona das grifes Arezzo, Schutz, Anacapri, Alexandre Birman e Fiever,  aposta em três frentes para impulsionar os negócios em 2018: acelerar a abertura de lojas, investir na internacionalização das marcas e ampliar o uso de ferramentas digitais.

A empresa passou ilesa pela crise econômica dos últimos anos e construiu um bom alicerce para planejar voos mais ambiciosos. De acordo com os últimos dados disponíveis, seu lucro aumentou 23,4% de janeiro a setembro de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior e o número de clientes avançou 30%. “Enquanto muitos encolheram, nós crescemos”, diz Alexandre Birman, CEO da Arezzo&Co. “Somos geradores de caixa e pagamos dividendos de 111%, o que é um resultado extraordinário.”

Sem sofrer com a crise, a empresa se deu ao luxo de rever os planos para 2018. A meta agora é abrir de 55 a 60 lojas em 2018 (quase o dobro do planejamento anterior), especialmente em cidades com até 250 mil habitantes e não apenas em shoppings. “São municípios com público A e B que têm grandes possibilidades de investimentos”, afirma Birman.

Na linha de frente do plano de expansão está a Anacapri, marca de sapatos, bolsas e acessórios lançada em 2008 e que oferece preços mais acessíveis do que as outras grifes do grupo Arezzo. A ideia de Birman é aumentar o número de franquias da Anacapri, estratégia que será repetida pela Fiever, especializada em tênis.

Boa parte do desempenho da Arezzo se deve à atuação internacional. A marca está presente em 2.245 pontos multimarcas pelo mundo e exporta para 68 países. Uma das metas para 2018 é expandir a operação nos Estados Unidos. Uma parceria foi assinada com a loja de departamentos Nordstrom, que venderá produtos Arezzo em pelo menos 20 estabelecimentos.

“Nos Estados Unidos, estamos nos principias pontos e buscamos ampliar a escala com novas lojas Schutz e Alexandre Birman”, diz o CEO do grupo. Segundo ele, a empresa abriu escritórios em Milão, na Itália, e showrooms em outras partes da Europa, América Latina e Oriente Médio. “Ao fincar suas bases no exterior, a empresa se livra das oscilações do mercado brasileiro e ganha lastro para continuar investindo”, diz Eduardo Tancinsky, consultor especializado em marcas. Atualmente, cerca de 10% das receitas do grupo são geradas no mercado externo, mas a participação é crescente.

LADY GAGA Um episódio recente mostra como o grupo construiu bases sólidas no exterior. Em dezembro, a cantora americana Lady Gaga postou em seu Instagram fotos com uma bota da marca Schutz. As imagens exibidas pela celebridade receberam mais de 1 milhão de curtidas e provocaram uma corrida às lojas. “A postagem da Lady Gaga exigiu que enviássemos correndo um grande lote para os Estados Unidos para atender à demanda, já que os sapatos sumiram das prateleiras”, diz Birman. Ele garante que a postagem foi espontânea e que não é patrocinador da cantora.

A terceira frente do grupo para expandir os negócios em 2018 é ampliar o uso da tecnologia e de ferramentas digitais. Para captar o comportamento de consumidores, o grupo vai instalar câmeras que medem o tráfego de clientes nas lojas. A partir dessas imagens, será possível calcular quantas visitas são convertidas em vendas e quanto tempo o consumidor leva para tomar uma decisão de compra.

A companhia usa uma série de recursos para evitar que problemas como falta de tamanhos interfiram no resultado de vendas. Desenvolvido em conjunto com a Cielo, um aplicativo permite que os vendedores consultem os modelos e números disponíveis em qualquer loja da rede. Se o produto for encontrado em um endereço diferente, o comprador recebe o item em casa. A empresa também mudou o sistema para compras online, tornando-o mais interativo. O e-commerce responde por 8% dos negócios do grupo, mas a meta é chegar a 15% nos próximos dois anos.

Quatro perguntas para/Alexandre Birman
CEO do Grupo Arezzo

"Economia estável traz oportunidades"

Quais são os planos da Arezzo para o mercado internacional?
Abrimos escritórios em Milão e showrooms em outras partes da Europa, América Latina e Oriente Médio. Estamos sempre procurando parceiros para ampliar a presença em multimarcas. Nos Estados Unidos, estamos nos principais pontos e buscamos ampliar a escala com novas lojas.

O foco internacional mudará a estratégia para o Brasil?
Não. Temos previsão de abrir de 55 a 60 lojas neste ano e expandir para cidades com até 250 mil habitantes, em áreas também fora dos shoppings.

A Arezzo cresceu na crise. Como isso foi possível?
Trabalhamos com uma estrutura robusta e nosso trabalho é muito para dentro: com melhora das performances, aperfeiçoamento dos processos e produtos. Não somos uma empresa alavancada.  Temos caixa líquido e fluxo de caixa saudável, o que nos permite avançar tranquilamente.

O varejo brasileiro sofreu muito com a crise. O que é preciso fazer para destravar o setor?
Mais emprego, menos inflação e redução da inadimplência. Com a economia estável, lojas podem ser abertas, o que traz oportunidades e desenvolvimento. O Brasil tem uma das cargas tributárias mais altas do mundo e isso encarece os processos e desestimula o investimento estrangeiro.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade