Publicidade

Estado de Minas

Bancos antecipam a restituição do Imposto de Renda

Instituições financeiras oferecem crédito para quem tem diferença de imposto a receber. Taxas cobradas variam de 3,35% a 4,59% ao mês


postado em 13/03/2017 06:00 / atualizado em 13/03/2017 09:31

Renata Costa Ferreira, que está desempregada, vai usar o emp´restimo pela primeira vez(foto: CB/|D.A Press)
Renata Costa Ferreira, que está desempregada, vai usar o emp´restimo pela primeira vez (foto: CB/|D.A Press)

Brasília – Em paralelo à largada para a entrega da declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF 2017), os bancos se apressaram a lançar linhas de crédito para o contribuinte interessado em antecipar a restituição do tributo. Taxas, prazos e condições gerais para o empréstimo variam de acordo com a instituição financeira, podendo chegar a quase 5% ao mês no limite de R$ 20 mil por cliente. Entre os que já anunciaram esse tipo de crédito, o Banco de Brasília (BRB) sai com a menor taxa máxima, de 3,35% mensais.


Especialistas como Sandra Batista, do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), dizem que a antecipação pode ser atrativa. “O melhor é fazer uma avaliação, pois pode ser benéfica para o contribuinte que tem dívidas mais caras”, afirmou. “Quem está no cheque especial pagando 15% ao mês, por exemplo, pode e deve tomar o crédito para se livrar desse custo elevado”, acrescenta. Ela lembra, porém, que o governo corrige o imposto a ser restituído pela taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 12,25% ao ano, bem abaixo do custo geral que o contribuinte vai pagar por esse tipo de crédito.


O dinheiro virá em boa hora para Renata Costa Ferreira, de 46 anos, desempregada há oito meses. “Estou numa situação de desespero há bastante tempo”, comentou. Renata trabalhava em uma empresa que vendia tecnologia de ponta ao governo, mas a multinacional que a empregava demitiu cerca de 300 pessoas no ano passado, por causa da crise. “Estou fazendo bicos”, diz ela. “Nunca fiz esse empréstimo porque não precisava e podia esperar a restituição. Será minha primeira vez”, continua Renata, que usa o tempo de sobra para praticar remo no Lago Paranoá.


O custo mais elevado na antecipação da restituição do IR fica por conta do Santander, que cobra até 4,59% ao mês na operação, a mesma taxa de 2016. O custo, porém, pode cair a 2,59%, dependendo da movimentação do cliente no banco.
Já o Banco do Brasil (BB) informa que o teto do custo do crédito antecipação do IR será de 4,18% mensais, com uma redução de 0,10 ponto percentual em relação ao cobrado ano passado.“A antecipação é uma alternativa para auxiliar no equilíbrio das finanças, uma vez que o valor não impacta o orçamento mensal dos clientes”, disse, por meio de nota, o diretor de Empréstimos e Crédito Imobiliário do BB, Edson Cardozo. Em 2016, o banco desembolsou perto de R$ 500 milhões nessa linha. A quitação está prevista para quando ocorrer a restituição, ou até 15 de janeiro de 2018.


O Bradesco não divulga a cobrança máxima de juros, informando apenas que “a nova linha tem taxa a partir de 2% ao mês”. O crédito terá prazo para liquidação em 15 de dezembro deste ano. O banco oferece o empréstimo, também, para quem não é cliente.

VARIÁVEL
Entre os grandes bancos de varejo que atuam no país, o Itaú Unibanco resiste a divulgar o custo médio para as pessoas que precisam do dinheiro, alegando que a taxa varia de acordo com a relação do cliente com o banco. “Se divulgarmos um percentual, vários clientes passam a exigir aquela taxa em particular, criando dificuldades” nas agências, alega a assessoria.


O diretor-executivo do Itaú Unibanco, Wagner Sanches, destacou que o crédito é garantido pela devolução do IR. “Como são operações de menor risco, conseguimos ampliar a oferta de recursos com contratos de prazos maiores e taxas mais atrativas”, informou, em nota. O teto da liberação é menor do que na concorrência: R$ 10 mil por cliente. A Caixa Econômica Federal, ainda não liberou a linha, prometida para esta semana. No ano passado, a instituição financeira só oferecia o crédito a clientes que indicavam o banco para o recebimento da restituição. E o empréstimo disponibilizado era de 75% do valor que consta na declaração do IRPF.

 

 


Publicidade