UAI
Publicidade

Estado de Minas DICIONÁRIO DE HUMANIDADES

Vereadora de BH polemiza com trabalho escolar de temática LGBTQIA+

Flávia Borja (PP) condenou exercício escolar que pedia aos alunos que identificassem termos ligados ao universo LGBTQIA+


30/06/2022 09:00 - atualizado 30/06/2022 10:39

 

Bandeiras, broche e anéis com as cores do arco-iris
Escola foi criticada por passar atividade com temática LGBTQIA+ (foto: Monstera/Divulgação)


Uma atividade pedagógica abordando a temática LGBTQIA+ tem sido criticada por segmentos conservadores. O trabalho “Dicionário de Humanidades: (des)construindo saberes” foi proposto por professores da Escola Estadual Ilacir Pereira Lima, localizada no Bairro Cachoeirinha, na Região Nordeste de Belo Horizonte. No entanto, o pai de uma aluna procurou a vereadora Flávia Borja (PP), que publicou um vídeo em sua conta no Instagram condenando a temática.

 

Flávia defendeu o posicionamento cristão frente ao assunto. “Uma afronta a respeito daquilo que a criança traz, que o adolescente traz, de formação dentro de casa. Não é assim que se constrói respeito à diferença. Fica aí o meu repudio a essa atividade dessa escola e nós vamos tomar as providências necessárias. Não a esse massacre, a essa militância LGBT dentro das escolas. Não à ideologia de gênero”, disse em vídeo.

 

 

 

Em nota envidada ao Estado de Minas, a Secretária de Estado de Educação (SEE/MG) informou que a atividade cumpre determinações curriculares e que não há nada a ser questionado.

 

“A equipe de inspeção escolar apurou o caso, em que foi constatado que não houve violação da liberdade de crença e de consciência dos alunos na atividade realizada, estando em consonância com as temáticas previstas no currículo escolar, com o objetivo de desenvolver competências e habilidades específicas”, informou a SEE em nota.  

A atividade 

Os professores passaram para os alunos a atividade interdisciplinar “Dicionário de Humanidades: (des)construindo saberes”,  com data prevista de entrega para quinta-feira (29/06), no valor de cinco pontos. A atividade interdisciplinar, que seria avaliada nas disciplinas de História, Sociologia, Filosofia e Geografia, pedia aos alunos para identificar termos do universo LGBTQIA+, como homofobia, homem/mulher cis, identidade sexual, transgênero, bissexual, entre outros. Vale lembrar que junho é o mês do orgulho LGBTQIA+.

Conteúdo LGBTQIA+ está previsto no currículo 

A SEE/MG informou que trabalha com a temática de gênero e diversidade de forma transversal nos conteúdos disciplinares seguindo as diretrizes do Currículo Referência de Minas Gerais (CRMG).

 

No currículo é previsto que o estudante exercite a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos, e a cooperação, como forma de promover o respeito aos direitos humanos e valorizar a diversidade dos indivíduos. 

 

Sobre as atividades realizadas na Escola Estadual Deputado Ilacir Pereira Lima, a secretaria esclarece que as mesmas fazem parte de um projeto interdisciplinar realizado desde 2016 com turmas do ensino médio, com o objetivo de trabalhar com os estudantes a compreensão e a capacidade de lidar com as diferenças geográficas e territoriais que perpassam questões físicas, étnico raciais, linguísticas, religiosas, sensoriais, intelectuais e às diferentes formas de linguagens. 

Estudos de gênero

O termo “ideologia de gênero”, usado pela vereadora no vídeo, foi cunhado pelo cardeal alemão Joseph Ratzinger na década de 1990, antes de ele ter recebido o título de papa Bento XVI. A expressão passou a ser usada pelos conservadores para definir qualquer referência ao debate de sexualidade e gênero.

 

No entanto especialistas afirmam que essa definição é considerada incorreta, uma vez que o termo “ideologia” se refere à conjuntos de valores políticos ou uma vertente de pensamento político, o que não se aplica ao caso.

 

Questões relacionadas ao gênero, por exemplo, não se enquandram em uma ideologia, fazem parte do reconhecimento de diferentes formas de as pessoas existirem.

 

O termo correto é “estudos de gênero”, que visa compreender diferentes possibilidades de identidade de gênero, ou seja, como cada indivíduo se reconhece e se identifica com seu próprio corpo, e sexualidade, que é como cada pessoa se relaciona com as outras amorosamente ou sexualmente.

 

A reportagem entrou em contato com a vereadora e aguarda um retorno.

 

*Estagiária sob a supervisão de Márcia Maria Cruz 


Ouça e acompanhe as edições do podcast DiversEM




podcast DiversEM é uma produção quinzenal dedicada ao debate plural, aberto, com diferentes vozes e que convida o ouvinte para pensar além do convencional. Cada episódio é uma oportunidade para conhecer novos temas ou se aprofundar em assuntos relevantes, sempre com o olhar único e apurado de nossos convidados.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade