UAI
Publicidade

Estado de Minas ARTE URBANA

Com obras no Santa Tereza e Horto, começa a terceira edição do TAU

A partir desta segunda, fachadas e vitrines da Região Leste se transformam em galeira a céu aberto. Quinze artistas iniciam obras que dialogam com a sociedade


25/07/2022 04:00 - atualizado 25/07/2022 08:28

Artista Zi Reis
Mineira de Contagem, Zi Reis pintará o painel "Desejo e fé", homenagem à sua avó Maria Monteiro, que faleceu em decorrência da COVID-19 (foto: DIVULGAÇÃO)
As obras que farão parte da terceira edição do Território Arte Urbana (TAU) começam a ser instaladas nesta segunda-feira (25/7) em Belo Horizonte. A mostra promete transformar fachadas e vitrines dos bairros Santa Tereza e Horto, na Região Leste da capital, em galerias a céu aberto. O evento é realizado até o próximo domingo (31/7).

A curadoria desta edição selecionou 15 artistas entre mais de 100 inscritos, sendo 12 artistas individuais e um coletivo. Quem passar pelos bairros durante o festival vai poder acompanhar os artistas realizando seus trabalhos em diferentes linguagens e suportes, como pintura, graffiti, instalação, escultura, lambe-lambe, stencil e muralismo.

"A variedade de técnicas é um dos principais diferenciais do TAU 2022. Nossa ideia era que os artistas viessem com intervenções que não são necessariamente pinturas com o objetivo de deslocar a ideia geral de arte urbana. Então, nesta edição nós temos uma diversidade muito grande de técnicas e imagens que serão representadas", explica a artista Sol Kuaray, curadora do evento ao lado da também artista Karina Felipe.

Ela detalha que cada artista selecionado teve total liberdade para apresentar um projeto totalmente novo que também levasse em conta o local em que o trabalho seria instalado. "Os artistas trouxeram para dentro do projeto bandeiras que eles desejam representar. Isso quer dizer que os trabalhos têm um cunho político, trazem à tona uma luta, mas de forma poética. E nós também demos prioridade para obras que estabelecem um diálogo com a comunidade."

Ao todo, serão produzidas 13 obras em oito espaços distintos, entre fachadas e vitrines comerciais, como a do Bar dos Amigos, no Horto, e a da Barbearia Barber King, no Santa Tereza. Também serão instaladas obras na Praça Duque de Caxias. A ideia é que se forme um circuito pelas ruas dos bairros, culminando no muro da Associação Esportiva Santa Tereza, conhecido como Muro da Vila Dias. 

VISITAÇÃO 

As atividades do 3º TAU começaram na última sexta (22/7) e seguiram no sábado (23/7) e domingo (24/7), com a apresentação dos portfólios dos artistas e reuniões para definir os detalhes dos dias de instalação. Após a instalação das obras, que podem ser acompanhadas pelo público, elas ficarão expostas para visitação entre os dias 31 de julho e 11 de setembro.

"A seleção foi feita de forma coletiva e, ao final, foram abordados temas como as mortes causadas pela COVID, a violência contra corpos negros e dissidentes, a igualdade de gênero, temáticas feministas, tecnológicas e a produção de propostas interativas e instalacionais desde o Muro da Vila Dias", explica Sol Kuaray.

A seleção do TAU priorizou artistas de toda a Região Metropolitana de Belo Horizonte. Entre os residentes da capital, estão Bárbara Macedo, Code2pixels, Dniel, Gabriel Nast, kiD AzucrinA!, Augusto Medeiros, Yanaki Herrera e o coletivo Portacopo – Práticas de Arquitetura.
 
 
Artista Dniel
Dniel irá retratar figuras humanas e elementos da paisagem urbana como cena do cotidiano (foto: Claudinha Agridoce/DIVULGAÇÃO)
 
Já Zi Reis, Dyana Santos, Daniela Moser e Marcel Diogo são artistas de Contagem. E Gabriela Forjaz foi a única artista de fora do estado selecionada. Ela é de São Paulo.

PANDEMIA 

O trabalho da mineira Zi Reis estabelece diálogo com a pandemia. Ela desenvolver o painel "Desejo e fé", uma homenagem à sua avó Maria Monteiro, que faleceu em decorrência da COVID-19. Segundo a artista, o trabalho evoca os ensinamentos e os segredos transmitidos aos descendentes pelas fortes figuras maternas das famílias brasileiras.

"Trago a imagem dela como forma de homenagear todas as pessoas que perderam um ente querido durante a pandemia. Essa memória não pode ser esquecida. Minha avó está nessa obra como uma guardiã do conhecimento e do saber. Ela foi uma mulher que foi parteira e será retratada com uma vela na mão, simbolizando a fé e a esperança", conta a artista.

Não é de hoje que Zi trabalha com retratos femininos. Desde que começou a desenvolver seus trabalhos, a artista pequisa a figura das mulheres latinas. "Elas são o nosso legado e a nossa base. Nós só sabemos para onde caminhar depois que entendemos de onde viemos."

A artista começa a pintar o painel nesta segunda-feira (25/7) e deve terminá-lo até o início do próximo final de semana. Essa é a primeira vez que ela participa de um festival como esse tem achado a troca com os outros artistas muito importante para a mensagem que o projeto quer passar.
 
Artista Bárbara Macedo
Bárbara Macedo fará tributo às suas ancestrais travestis Anyky Lima, Rhany Mercês e Cintura-Fina (foto: DIVULGAÇÃO)
 
"Projetos assim trazem visibilidade para o nosso trabalho que, às vezes, é malvisto. Com ele, nós podemos lidar com estrutura e estabelecer um diálogo com a sociedade e com a comunidade de forma muito mais rica. A arte de rua em Belo Horizonte está em pleno crescimento e iniciativas como o TAU ajudam os artistas a terem um norte para onde querem seguir", ela analisa.

COMBATE À TRANSFOBIA 

O trabalho de Zi Reis é um dos exemplos das obras que serão instaladas no Muro da Vila Dias. Entre elas também está a pintura "Transcentralidade", que será desenvolvida por Bárbara Macedo, uma homenagem às suas ancestrais travestis Anyky Lima, Rhany Mercês e Cintura-Fina, três figuras centrais no combate à transfobia em Belo Horizonte.

O artista kiD AzucrinA! pintará, na técnica batizada de grapixo, a obra “Mamífera”, que retrata uma mãe com um bebê no colo junto da palavra “mamífera”. Já o artista Marcel Diogo criará a instalação "Nem tudo que vai para parede é arte", composta por um objeto corpóreo construído com diversos materiais como fitas plásticas, jornais e tecidos.

O coletivo Portacopo – Práticas de Arquitetura vai intervir com o trabalho "Xovê", que reutiliza tubos e conexões de PVC da intervenção "Câmbio", realizada pelo grupo em 2019. Considerando as infinitas possibilidades de montagem, o coletivo desenvolverá um objeto composto por um conjunto de segmentos similares aos periscópios que pretendem transpor o longo trecho de barreira da Conselheiro Rocha através da interação e da ativação da imaginação sobre o outro lado do muro.
 
 
Artista Yanaki Herrera
Em seu lambe-lambe, Yanaki Herrera retratará mulheres-mães mascaradas, vítimas de violência (foto: DIVULGAÇÃO)
 
A paulistana Gabriela Forjaz, por exemplo, pintará um mural em pintura spray com uma temática que dialoga com a teoria da relatividade segundo TAO, filosofia tradicional chinesa. A obra será instalada na Eskina do Colombo, no Santa Tereza.

Gabriel Nast produzirá, na fachada do Bar do Chico, o trabalho "O Peregrino", composto por pintura e objetos que salientam, na figura retratada, seu ar de mistério, suas roupas, ferramentas e símbolos. Já Dniel fará uma pintura na Barbearia Barber King, com base em uma composição que integra figuras humanas e elementos da paisagem urbana como uma espécie de cena do cotidiano.

A artista Yanaki Herrera desenvolverá o trabalho "Que no callen las madres", um projeto em lambe-lambe composto por imagens que retratam mulheres-mães mascaradas acompanhadas de frases cujo objetivo é fazer o público refletir sobre as violências que as atinge.

MULHERES INSPIRADORAS 

No Bar dos Amigos, Code2pixels realizará, em pintura stencil, o projeto “Do código à fachada”, mesclando elementos da arte abstrata com processos colaborativos. O artista vai colorir o espaço com uma paleta de cor específica, utilizando padrões geométricos e permitindo ao público determinar a ordem final em que esses elementos serão pintados.

A artista Dyana Santos fará, no Bosque do Chico, uma instalação composta por duas esculturas em chapas de aço oxidadas e bordadas com motivos florais em ponto cruz a partir de fios náuticos coloridos, cujas formas se assemelham ao formato anatômico de casulos de borboletas ou mariposas.

E Sérgio Augusto Medeiros, por sua vez, levará para a Praça Duque de Caxias a obra "Labirinto 2022", uma construção de entradas incertas e dificultosas para encontrar a saída, compostas por caminhos que atrapalham a própria orientação espacial.

OFICINAS 

Além da realização das obras ao vivo por Santa Tereza e pelo Horto, a terceira edição do TAU contará com programação especial com oficinas, exposições digitais e visita guiada com tradutora de libras.

No encerramento, em 31 de julho, será realizada a Feira de Artistas Imigrantes, pelo Coletivo CRIA junto com a Casa Circo Gamarra, além das apresentações do grupo BEAGASQUAD, da DJ Pinikdelik e os espetáculos e performances "O pequeno grande circo do pinico!", "Belina orkestar" e "Cabaré Circo Gamarra!".

TERRITÓRIO 

ARTE URBANA 2022

Instalação das obras até 31 de julho, dia em que também ocorrerá o evento de encerramento na Rua Conselheiro Rocha. A mostra ficará aberta ao público de 31 de julho até 11 de setembro. Entrada franca. Informações: www.territorioarteurbana.com.br

ONDE VER

Conheça os endereços do Circuito TAU 2022
» Bar do Chico – Rua Conselheiro Rocha, 1.605, Santa Tereza
» Barbearia Barber King –Rua Mármore, 91, Santa Tereza
» Bar dos Amigos – Rua Pouso Alegre, 2.913, Loja A, Horto
» Bosque do Chico – Rua Conselheiro Rocha, 1.605, Santa Tereza
» Casa Circo Gamarra – Rua Conselheiro Rocha, 1.513, Santa Tereza
» Eskina do Colombo – Rua Mármore, 418, Santa Tereza
» Praça Duque de Caxias – No cruzamento das ruas Mármore, Estrela do Sul e Tenente Vitorino, Santa Tereza
» Muro da Vila Dias – Associação Esportiva Santa Tereza (AEST) – 
Rua Conselheiro Rocha, 1.605, Santa Tereza


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade