UAI
Publicidade

Estado de Minas MÚSICA

Cover vira tendência em 2021. Lady Gaga, Metallica e Miley Cirus aderiram

Estrelas reeditam antigos discos com velhos sucessos e novos cantores. Ícone do metal, a banda de Lars Ulrich reúne 53 artistas no remake do 'The black album'


01/07/2021 04:00 - atualizado 30/06/2021 22:45

Em maio, Lady Gaga comemorou em West Hollywood os 10 anos do disco ''Born this way'', que acaba de ganhar nova versão
Em maio, Lady Gaga comemorou em West Hollywood os 10 anos do disco ''Born this way'', que acaba de ganhar nova versão (foto: Rodin Eckenroth/Getty Images/AFP %u2013 23/5/2021)

Em 1991, a banda Metallica , prestes a completar uma década na estrada, preparava o lançamento de seu quinto álbum. No estúdio, James Hetfield, Lars Ulrich, Kirk Hammett e o então integrante Jason Newsted enfrentavam uma série de conflitos para decidir qual seria a abordagem do registro, enquanto o custo da gravação chegava a US$ 1 milhão. Apesar do valor alto para a época, o disco “Metallica” – popularmente conhecido como “ The black album ” por conta da capa escura – tornou-se o maior sucesso de vendas da banda norte-americana e a credenciou para o panteão do rock mundial.

Estima-se que o trabalho tenha vendido cerca de 16 milhões de cópias nos Estados Unidos e mais de 40 milhões no restante do mundo. Em 1992, a banda conquistou um Grammy de melhor performance de heavy metal. Com o passar dos anos, o disco ganhou cada vez mais prestígio, e hoje aparece na lista dos 200 álbuns definitivos do Rock and Roll Hall of Fame.

O roqueiro colombiano Juanes gravou ''Enter sandman'', hit de Lars Ulrich e de sua banda Metallica
O roqueiro colombiano Juanes gravou ''Enter sandman'', hit de Lars Ulrich e de sua banda Metallica (foto: Bridget Bennett/AFP %u2013 14/11/19)

OUTRO SOM

Não há apenas uma explicação para todo esse sucesso, mas é possível dizer que uma delas seja a maneira como a banda abordou o heavy metal, abandonando a sonoridade pesada que marcou seus quatro discos anteriores. Com as canções “Enter sandman”, “Nothing else matters” e “Sad but true”, o Metallica caiu no gosto popular sem deixar de ser uma banda de rock bastante tradicional.

Para comemorar os 30 anos do lançamento do disco, a banda prepara dois lançamentos para agradar aos fãs conservadores e outros nem tanto assim. O primeiro é a versão remasterizada do álbum. Já o segundo, “The Metallica blacklist”, reunirá 53 artistas para reinterpretar as 12 faixas originais.

O projeto traz nomes associados ao universo de guitarras do Metallica, como as bandas Royal Blood, Weezer, Idles e OFF!. Mas o real atrativo para os fãs de música é a presença de nomes improváveis: as estrelas do pop Miley Cyrus e Elton John , o colombiano J Balvin , símbolo do reggaeton, as talentosas do indie St. Vincent e Phoebe Bridgers, e a promessa nipo-britânica do pop alternativo Rina Sawayama.

Os dois primeiros aperitivos do trabalho chegaram às plataformas em 22 de junho. O clássico “Nothing else matters” ganhou nova versão da superbanda formada por Miley Cyrus, Elton John, o baixista Rob Trujillo (integrante do Metallica), o violinista Yo-Yo Ma, o baterista Chad Smith (do Red Hot Chili Peppers) e WATT. Já “Enter sandman” ganhou reedição do roqueiro colombiano Juanes.

Ambas as versões são bastante respeitosas em relação à original. No caso de “Nothing else matters”, só o fato de ter os vocais poderosos de Miley Cyrus já é um passo importante na direção de mudanças mais ousadas.

Na terça-feira (29/06), o Metallica liberou a versão de “Sad but true” feita por St. Vincent. A cantora e compositora norte-americana soube trazer a música para seu universo psicodélico e fantástico, marcado por guitarras distorcidas associadas a sons eletrônicos. Guitarrista virtuosa que é, St.Vincent não deixou de fora da gravação o solo que marca a passagem para a parte final.

Mas é possível imaginar que, daqui em diante, as versões serão cada vez mais diferentes. “Nothing else matters” terá 12 versões diferentes assinadas por Phoebe Bridgers, a banda de rock My Morning Jacket e o cantor country Chris Stapleton, entre outros. “Sad but true” soma sete versões e “Enter sandman” será reinterpretada seis vezes. Oportunidade é o que não vai faltar.

LGBT Convidar artistas para reinterpretar canções é uma tendência neste 2021. A última a fazer isso foi Lady Gaga com o álbum “Born this way” (2011). O lançamento do trabalho, considerado marco para a comunidade LGBT, completou uma década e gerou a edição especial do registro, recém-lançada nas plataformas digitais.
“Born this way the tenth anniversary” foi lançado na última sexta-feira (25/06) e traz as 14 faixas da versão original, além de seis bônus interpretadas por artistas que têm alguma relação com o movimento LGBT.

A australiana Kylie Minogue, considerada um ícone gay, regravou “Marry the night”, adicionando a ela o clima setentista de seu álbum “Disco” (2020). A rapper norte-americana Big Freedia desconstruiu completamente “Judas” para traduzi-la para o universo da bounce music, subgênero do hip-hop.

O grupo de country The Highwoman se uniu às cantoras Brittney Spencer e Madeline Edwards, do mesmo gênero, para reinterpretar “Highway unicorn (Road to love)”, despindo a canção da parafernália eletrônica original e adotando uma base orgânica.

O ator Ben Platt deu abordagem teatral para sua versão de “Yoü and I”. Já o projeto Years & Years, do cantor britânico Olly Alexander, adicionou elementos eletrônicos a “The edge of glory” fazendo dela ótima música para as pistas de dança.

Por fim, a faixa-título“Born this way” ganhou versão country com o cantor canadense Orville Peck, conhecido por usar máscara com franjas e nunca mostrar o rosto publicamente.

“Born this way”, o álbum, tem lugar cativo na discografia de Lady Gaga. Afirmou a proximidade da artista com discursos defendidos pela comunidade LGBT. Não é sem motivo que a edição comemorativa chegou em junho, mês em que se celebra o orgulho LGBTQIA%2b.

INDIE

Na seara indie, a cantora norte-americana Sharon van Etten comemorou os 10 anos do lançamento do disco “Epic”, o terceiro de sua carreira.

A versão comemorativa do álbum, “Epic ten”, preserva as sete faixas originais, interpretadas por artistas que orbitam o universo de Van Etten, como é o caso do projeto Big Red Machine, de Justin Vernon (Bon Iver) e Aaron Dessner (The National), em “A crime”; da australiana Courtney Barnett e da norte-americana Vagabon, em “Don't do it”; e da banda britânica Idles, em “Peace signs”.

Miley Cyrus cantou covers no quintal de sua casa, em ''Backyard sessions'', da MTV
Miley Cyrus cantou covers no quintal de sua casa, em ''Backyard sessions'', da MTV (foto: MTV/reprodução)

Miley Cyrus, a diva do karaokê

Não é de hoje que Miley Cyrus abusa de sua marcante voz rouca para interpretar covers, adicionando a eles muita personalidade. Foi assim que consolidou sua versão de “Jolene”, de Dolly Parton. Miley dá novo fôlego a canções dos outros. Foi o caso de “Why'd you only call me when you're high?”, da banda Arctic Monkeys, incluída no repertório de um especial para a TV, e de “Summertime sadness”, de Lana Del Rey, feita para uma rádio britânica.

Miley já pode ser considerada uma diva do karaokê. Em 2020, ela intensificou a produção de covers impulsionada pela gravação de “Backyard sessions”, especial para a MTV norte-americana. Nele, foi convidada para apresentar canções no quintal de sua casa.

O repertório reuniu “Gimmie more”, de Britney Spears; “Just breathe”, do Pearl Jam; “Communication”, do The Cardigans; “These days”, de Nico; e “Sweet Jane”, do Velvet Underground.


INTERNET

A partir daí, os covers de Miley caíram no gosto da internet. Depois que cantou “Heart of glass”, da banda Blondie, e “Zombie”, do Cranberries, a moça recebeu uma enxurrada de pedidos para lançar um trabalho dedicado ao rock.

Por isso, o álbum “Plastic hearts” (2020) não causou grande estranheza. Com pegada pop rock, ele traz a participação de Dua Lipa, Billy Idol e Joan Jett. Os covers de “Heart of glass” e “Zombie” entraram como faixas bônus, assim como “Edge of midnight”, remix que une “Edge of seventeen”, de Stevie Nicks, ao single “Midnight sky”.

O interessante dos covers de Miley Cyrus é que ela faz de sua incomparável voz um instrumento. Não é comum que inove na sonoridade dessas canções, mas se entrega por inteiro nas interpretações.

Na última sexta-feira (25/06), a cantora estrelou o especial “Stand by you: Pride special”, lançado pelo Peacock, plataforma de streaming do canal NBC Universal, que não está disponível no Brasil. Além dela, participaram Little Big Town, Brothers Osborne, Orville Peck, Maren Morris e Mickey Guyton.

O show contou com 2,5 mil pessoas, que deveriam comprovar estar vacinadas contra a COVID-19 e usar máscaras. Estrela da festa, Miley apresentou algumas de suas canções e, claro, covers de “Believe”, de Cher; sucessos de Madonna como “Music”, “Express yourself” e “Like a prayer”, além de “I'll stand by you”, da banda The Pretenders, e “Freedom!'90”, de George Michael.


SESSÃO NOSTALGIA


“BORN THIS WAY THE 
TENTH ANNIVERSARY”
• De Lady Gaga
• Interscope Records
• 20 faixas
• Disponível nas plataformas digitais


“EPIC TEN”
• De Sharon van Etten
• Da da Bing!
• 14 faixas
• Disponível nas plataformas digitais


“THE METALLICA BLACK LIST”
• De Metallica
• Blackened Recordings
• 12 faixas gravadas por 53 artistas
• Lançamento em 10 de setembro, nas plataformas digitais


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade