Publicidade

Estado de Minas CINEMA

Saiba quem são as quatro cineastas que disputam a Palma de Ouro em Cannes

Veja também como são os filmes com os quais elas concorrem e saiba como assistir a seus títulos anteriores


09/06/2021 04:00 - atualizado 09/06/2021 07:02

A francesa Catherine Corsini está na disputa com um drama sobre um casal em crise(foto: Christophe Archambault/AFP)
A francesa Catherine Corsini está na disputa com um drama sobre um casal em crise (foto: Christophe Archambault/AFP)

Em 73 edições, somente uma mulher venceu a Palma de Ouro no Festival de Cannes – a neozelandesa Jane Campion, por “O piano”, em 1993. Neste ano, quando o mais tradicional e importante evento de cinema da Europa chega à sua 74ª edição, as chances de uma nova vitória feminina aumentam. 

Dos 24 longas selecionados para a competição oficial, quatro são dirigidos por mulheres. São os novos filmes da húngara Ildikó Enyedi e das francesas Mia Hansen-Love, Catherine Corsini e Julia Ducournau. Todas, vale dizer, têm experiência na Croisette, se não na competição principal, nas demais. 

É um número pequeno se considerarmos a totalidade dos filmes. “Fomos o primeiro festival a assinar um compromisso de paridade (de gênero). Quanto à seleção oficial, não levamos em consideração sexo, raça, religião. Olhamos para o filme. Quando temos dúvidas entre dois filmes e um deles é dirigido por uma mulher, pegamos o dirigido por uma mulher”, afirmou, sobre a questão, o diretor do festival, Thierry Fremaux, à Variety.

O mesmo Fremaux, quase uma década atrás, foi alvo de uma carta aberta assinada por 900 diretoras e atrizes. Na edição de 2012 do festival, nenhuma mulher foi selecionada para concorrer à Palma de Ouro. "Elas (as mulheres) vão para Cannes mostrar seus sapatos, enquanto os homens exibem seus filmes", dizia, de forma irônica, o texto.

Seja como for, o time de mulheres cineastas em Cannes cresce a cada anúncio dos selecionados para as demais mostras que compõem o evento. Cancelado no ano passado em decorrência da pandemia, neste ano o festival será realizado entre 6 e 17 de julho – o adiamento de maio, tradicional mês de realização do festival, também foi acarretado pela crise sanitária. Abaixo, um resumo da trajetória das quatro mulheres que poderão fazer história neste ano.

• Catherine Corsini ("La fracture")

A cineasta e roteirista francesa de 64 anos tem uma dúzia de longas lançados. Ficou conhecida no Brasil com o filme “Partir” (2009), que apresentou Kristin Scott Thomas como uma mulher casada (e cansada da vida burguesa) que se envolve com o homem responsável pela reforma de seu escritório.

Depois desse, dirigiu outros dramas também lançados no país, como “3 mundos” (2012), sobre um acidente que mata um imigrante ilegal; “Um belo verão” (2015), ambientado nos anos 1970, em que uma jovem do interior se muda para Paris e vive um relacionamento intenso com uma feminista; e “Um amor impossível” (2018), no qual uma mulher que cria sozinha a filha briga para que o pai reconheça a paternidade. 

Lésbica, Catherine também está comprometida com outras causas progressistas. Em 2007, pediu votos à candidata de esquerda Ségolène Royal, cuja campanha presidencial tinha como pautas a união civil entre pessoas do mesmo sexo e a adoção de crianças por casais homossexuais. Também é integrante do coletivo 50/50, que visa à promoção da igualdade entre mulheres e homens e a diversidade no cinema. Seus longas são produzidos por sua parceira, Elizabeth Perez.

“La fracture” acompanha o casal Raf (Valeria Bruni Tedeschi) e Julie (Marina Foïs) em uma longa noite. À beira do rompimento, as duas se veem no setor de emergência de um hospital após uma grande manifestação em Paris. 

Assista a: “3 mundos” (2012), no Reserva Imovision (reservaimovision.com.br); “Um belo verão” (2015), no Sesc em Casa (sesc.digital/colecao/cinema-em-casa-com-sesc) e Belas Artes à la carte 

Com seu longa de estreia, ''Raw'' (2016), apresentado na Semana da Crítica, Julia Ducournau levou o prêmio da Fipresci(foto: France Presse)
Com seu longa de estreia, ''Raw'' (2016), apresentado na Semana da Crítica, Julia Ducournau levou o prêmio da Fipresci (foto: France Presse)

• Julia Ducournau (“Titane”)

Mais jovem das quatro cineastas, a francesa de 37 anos chamou a atenção na Semana da Crítica, seção paralela do Festival de Cannes, em 2016, com seu primeiro longa-metragem. “Raw” é um drama de horror sobre uma estudante de veterinária criada como vegetariana que se envolve com canibalismo. Cenas fortíssimas, com banhos de sangue, levaram espectadores a abandonar as sessões.

A despeito do barulho que o filme causou, Julia Ducournau saiu daquela edição do festival com o prêmio da Federação Internacional de Críticos de Cinema (Fipresci Prize). Antes de chegar ao seu segundo longa, ela dirigiu dois episódios da série de terror “Servant”, projeto de M. Night Shyamalan para a Apple+. 

O gênero do horror continua a ser explorado pela diretora em seu novo filme, com roteiro também assinado por ela. Estrelado por Vincent Lindon, “Titane” começa em um aeroporto, quando agentes da alfândega detêm um jovem com o rosto machucado. Este afirma que seu nome é Adrien Legrand, que havia desaparecido uma década antes, quando criança.

É o fim de um pesadelo para seu pai, Vincent, que o leva para casa. Só que, simultaneamente,  uma série de assassinatos horríveis começa a ocorrer na mesma região.

A húngara Ildikó Enyedi venceu em Berlim e disputou o Oscar de melhor filme internacional com ''Corpo e alma''(foto: Odd ANDERSEN/AFP)
A húngara Ildikó Enyedi venceu em Berlim e disputou o Oscar de melhor filme internacional com ''Corpo e alma'' (foto: Odd ANDERSEN/AFP)

• Ildikó Enyedi (“The story of my wife”)

A cineasta húngara de 65 anos era um nome fora do circuito internacional de festivais quando, em 2017, o filme “Corpo e alma” começou a fazer barulho. A partir do Urso de Ouro em Berlim, o drama amoroso sobre um casal que se encontra através dos sonhos começou sua escalada, que culminou com uma indicação ao Oscar de filme estrangeiro.   

Na época, Ildikó Enyedi estava havia 18 anos sem fazer um filme. Não que tivesse parado de trabalhar. A cineasta, que em 1989 havia levado o prêmio Caméra d’Or (para primeiros filmes) no Festival de Cannes por “O meu século XX”, passou cinco anos (2012-2017) trabalhando com televisão. Dirigiu os 39 episódios da série “Terápia”, a versão húngara para o sucesso internacional “Em terapia”, da HBO.

Seu primeiro filme desde “Corpo e alma”, “The story of my wife”, estrelado por Léa Seydoux e Louis Garrel, tem roteiro adaptado pela própria cineasta a partir do romance homônimo do escritor Milán Füst. 

Mais conhecido livro do autor, traz como personagem central um capitão da Marinha húngara que relembra a história de seu infeliz casamento com uma francesa. A relação só se concretizou por causa de uma aposta: um amigo desafiou o capitão a se casar com a primeira mulher que entrasse no café em que os dois estavam sentados.

Assista a: “Corpo e alma” (2017), no Reserva Imovision (reservaimovision.com.br)

A francesa Mia Hansen-Love está na disputa com ''Bergman island'', que é coproduzido pela brasileira RT Features(foto: Lionel BONAVENTURE/AFP)
A francesa Mia Hansen-Love está na disputa com ''Bergman island'', que é coproduzido pela brasileira RT Features (foto: Lionel BONAVENTURE/AFP)

• Mia Hansen-Love (“Bergman island”) 

Esta é a única participação brasileira na competição oficial de Cannes, já que a RT Features, de Rodrigo Teixeira, é coprodutora do longa. A diretora francesa de 40 anos tem sua trajetória ligada à do cineasta Olivier Assayas. 

Aos 18 anos, Mia Hansen-Love debutou como atriz em “Fin août, début septembre” (1998), de Assayas. Dois anos mais tarde, atuou também em “Os destinos sentimentais”, do mesmo diretor. Foram suas duas únicas incursões como atriz. A cineasta teve um relacionamento de 15 anos com Assayas, com quem teve uma filha. 

Mia Hansen-Love estreou na direção em 2007, com “Tout est pardonné”. Dois anos mais tarde, com “O pai dos meus filhos”, levou o prêmio especial do júri na mostra Um Certo Olhar, em Cannes. Seguiram-se filmes – todos dramas pessoais – com boa presença no circuito de festivais: “Adeus, primeiro amor” (2011), “Eden” (2014) e “O que está por vir” (2016, que lhe deu o Urso de Prata de direção em Berlim) .

Protagonizado por Mia Wasikowska, Tim Roth e Vicky Krieps, “Bergman island” é ambientado durante um verão, quando um casal de cineastas vai para a ilha sueca de Fårö, onde Ingmar Bergman viveu. À medida que seus respectivos roteiros avançam, os limites entre ficção e realidade se confundem, separando o casal.

Assista a: “Eden” (2014), no Reserva Imovision (reservaimovision.com.br); “Maya” (2018), no Sesc em Casa (sesc.digital/colecao/cinema-em-casa-com-sesc) e Looke (looke.com.br)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade