Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Séries sul-coreanas conquistam espaço no Brasil

Tramas leves e românticas ganham cada vez mais destaque em plataformas como a Netflix. Produções para a TV fazem parte da onda cultural que tem o k-pop como carro chefe


postado em 16/06/2019 04:12

Lee Byung-hun, ator de G.I Joe, estrela a megaprodução Mr Sunshine: um raio de sol(foto: Fotos: Netflix/divulgação)
Lee Byung-hun, ator de G.I Joe, estrela a megaprodução Mr Sunshine: um raio de sol (foto: Fotos: Netflix/divulgação)

Em maio, a banda sul-coreana BTS cantou para 90 mil pessoas em São Paulo. Cambistas chegaram a oferecer um ingresso por inacreditáveis R$ 9 mil. Nada mal para o grupo que havia atraído, cinco anos antes, modestos 1,5 mil fãs a seu primeiro show brasileiro.

Fenômeno mundial turbinado pela internet, o BTS não se restringe a expoente do k-pop, a música jovem do país asiático. A boy band é só uma das cristas da onda cultural coreana – a hallyu. Esse tsunami bilionário, estimulado pelo governo desde os anos 1990, vende música, filmes, games, novelas, séries, moda, produtos de beleza e gastronomia. A hallyu movimentou US$ 57 bilhões em exportações.

O tsunami K bate com força no Brasil – e não se limita a boy bands como o BTS. Séries de TV produzidas na Coreia do Sul, os k-dramas ocupam cada vez mais espaço em plataformas como a Netflix. Desde o início dos anos 2000, o tamanho da indústria televisiva coreana triplicou. Só a exportação de k-dramas rende US$ 240 milhões por ano ao país, correspondentes à metade dos recursos movimentados pelo setor. As "big three" da televisão por lá são as emissoras KBS, MBC e SBS.

A pesquisadora Daniela Mazur, que há 11 anos estuda a TV asiática, garante: a onda veio para ficar. Em 2014, apenas cinco títulos do gênero eram oferecidos pela Netflix no Brasil. Hoje, beiram 140, entre séries, programas e reality shows. Doutoranda em comunicação e mestre pela Universidade Federal Fluminense (UFF), ela faz parte do Asian Club, centro ligado ao curso de estudos de mídia da instituição.

Além de k-dramas, a Netflix exibe doramas japoneses e atrações da China, Taiwan, Cingapura e Tailândia. Produções do gênero estão também em cartaz no Viki e no Kingdom, serviços de streaming colaborativo cujas legendas em português são feitas por fãs.

MELODRAMA
O k-drama adapta o velho "água com açúcar" ao século 21. A fórmula bebe na fonte do melodrama, com triângulos amorosos, o clássico embate entre o bem e o mal, vilões atormentando casais apaixonados, explica Daniela. As cenas de amor de boa parte dessas atrações soam ingênuas aos brasileiros. Casais nus são raros. Há muitos beijos na boca – comportados para nossos padrões. É bom lembrar: demonstrações de afeto, na Ásia, não são "performances públicas" como no Brasil.

K-dramas, doramas e afins têm o seu DNA particular. Não copiam atrações ocidentais, embora haja séries derivadas de Criminal minds e Orange is the new black, por exemplo. A influência do know how americano é fato, mas Daniela Mazur destaca que a dramaturgia asiática se conecta profundamente à realidade local.

Exemplo disso é a quantidade de séries voltadas para o universo familiar e laços comunitários (Responde 1994 e Responde 1997 são k-dramas clássicos). A forte ligação da sociedade oriental com o mundo do trabalho tem imenso destaque. White nights e Batendo novamente expõem a corrupção no meio empresarial em meio a tramas românticas. No remake chinês de Jardim de meteoros, a paixão de dois jovens é ameaçada pelo jogo de poder no conglomerado do qual o garoto é herdeiro.

O culto à educação e à tecnologia, marca registrada do capitalismo asiático, é onipresente. Prova disso são a série chinesa Love 020 e a coreana Paixão imprevista. A gastronomia oriental, que virou cult, tem destaque. Chefs protagonizam histórias românticas em The perfect match, Oh my ghost e Amor culinário. Mas nem só tramas de amor compõem a grade. Há séries médicas, policiais e sobre política.

Farta linha de k-dramas reúne sagas históricas. Em 2018, a Netflix lançou a superprodução Mr. Sunshine – Um raio de sol, abordando a luta da Coreia contra a opressão japonesa na virada dos anos 1800/1900. Custou US$ 36 milhões e é protagonizada por Lee Byung-hun, ator dos filmes G. I Joe, Red 2 e Sete homens e um destino.

A hallyu está longe de ser "coisa de adolescente". Em 2015, o canal Rede Brasil exibiu Happy ending – O caminho do destino, a estreia do k-drama na TV aberta do país. Em sua pesquisa, Daniela Mazur descobriu que essa série caiu no gosto de mulheres com mais de 40 anos, insatisfeitas com o hiperrealismo das novelas brasileiras, saturadas de cenas de violência e overdose de sexo. Elas disseram sentir falta de romantismo, do entretenimento leve, da nostalgia de tempos menos estressantes.

Novelinhas voltadas para jovens – estreladas por belos atores e atrizes, vários deles cantores de k-pop – alimentam uma profusão de animados blogs e páginas de fiéis fãs no Brasil.

MULHERES
  O protagonismo do elenco feminino chama a atenção nos k-dramas. "Noventa por cento dos autores de séries coreanas são mulheres", diz Daniela. Machismo, misoginia, intolerância ao homossexualismo perpassam essa teledramaturgia. Porém, a pesquisadora informa que muitos roteiros abordam avanços comportamentais na Ásia. A garota de Responde 1997, por exemplo, mora com o namorado e fica grávida antes de se casar, enquanto o personagem gay é tratado sem estereótipos.

Em Mr. Sunshine, a heroína se torna guerrilheira para libertar a Coreia. Fica longe do amado – e ele apoia essa decisão. Romance is a bonus book traz uma mulher de quase 40 anos, divorciada e mãe de uma adolescente, enfrentando o preconceito do mercado de trabalho. Something in the rain questiona rígidos padrões familiares e dá direito à balzaqueana de se apaixonar por um jovem. Em Strong girl Bong-soon, a força está numa doce garota de Seul, que aplica homéricas surras em vilões.

HOMENS Daniela Mazur também chama a atenção para os "k-homens". "Os protagonistas são um contraponto à masculinidade tóxica das novelas brasileiras Carinhosos, sensíveis e românticos, eles expressam a delicadeza oriental", observa. Aliás, essa "masculinidade suave" não se limita à ficção. Jovens coreanos cuidam da pele, usam cosméticos e maquiagem. "É um homem mais soft, se você comparar com o macho padrão das novelas brasileiras e turcas", diz a pesquisadora.

Na opinião de Daniela Mazur, k-dramas e produções asiáticas instigam o espectador a repensar a própria maneira de ver o mundo. Essa produção oferece olhares baseados em construções culturais diferentes da ocidental, mas não inferiores. Para Daniela, já não cabem mais clichês pejorativos associados ao Oriente, tachado de "excêntrico" e "estranho" – quando não de "perigo amarelo".

"O futuro é asiático", enfatiza a pesquisadora da UFF, citando o vigor econômico e geopolítico da China, Japão, Coreia do Sul, Taiwan e Cingapura, entre outros exportadores de dramas para a TV. "Não dá mais pra ficar nesse papinho de Oriente exótico. É preciso desconstruir esse discurso", conclui Daniela Mazur.

K-DRAMAS
US$ 240 milhões
Exportação anual de atrações pela Coreia do Sul

100
Atrações produzidas por ano

70%
Das exportações vão para a Ásia

MARATONANDO

» RESPONDE 1994 E RESPONDE 1997
As duas comédias românticas mostram o cotidiano de famílias de classe média sul-coreanas em diferentes períodos da década de 1990. Em 1997... (foto), jovens se veem às voltas com o amor, a escola e desafios da vida adulta, enquanto adultos driblam as dificuldades da crise econômica

» ROMANCE IS A BONUS BOOK
Publicitária deixa a carreira para cuidar da família, é abandonada pelo marido e não consegue voltar ao mercado de trabalho. Na miséria, tem o apoio de um amigo apaixonado por ela. Ambos trabalham numa editora. O amor pelos livros é um dos charmes da série

» JARDIM DE METEOROS
Inspirada em mangá japonês, ganhou versões em vários países. A Netflix exibe o remake chinês de 2018 (foto). Garota pobre ingressa na universidade e convive com quatro milionários. Por meio dela, eles questionam os próprios preconceitos. Um deles se apaixona pela moça, mas enfrenta a oposição de sua mãe, magnata de poderosa multinacional

» SOMETHING IN THE RAIN
Balzaqueana se apaixona por um jovem rapaz, amigo do irmão. A mãe não aceita a relação, inferniza a vida da filha e a situação abala o relacionamento do casal. O drama romântico também aborda o assédio sexual no ambiente de trabalho

» MR. SUNSHINE: UM RAIO DE SOL
Drama histórico. Garoto escravo, cujos pais foram assassinados a mando do chefe de um clã, foge para os EUA. De volta à Coreia como capitão da Marinha americana, apaixona-se por uma jovem aristocrata que se torna guerrilheira para libertar seu país do domínio japonês


Publicidade