Publicidade

Estado de Minas JARDINAGEM

'Hype' das mães e pais de plantas veio para ficar! Veja como cuidar delas

As especialistas Carolina Siqueira e Patrícia Cioffi dão dicas importantes sobre luz, água e alertam sobre os erros mais comuns


25/02/2022 16:28 - atualizado 25/02/2022 17:54

Sala decorada com plantas e letras luminosas com a frase 'respire'
Um ambiente com a presença de plantas passa um astral diferente (foto: Patrícia Cioffi/Arquivo pessoal)
Com a pandemia da COVID-19, as pessoas precisaram ficar mais tempo em casa e acabaram descobrindo novos gostos. O cuidar das plantas, com certeza, foi um deles. Seja em casa ou em apartamento, o 'boom' da jardinagem chegou para ficar. Mas você sabe quais são as plantas mais indicadas? Por onde começar? Vem conferir!

 

A reportagem do Estado de Minas conversou com Carolina Siqueira e Patrícia Cioffi, ambas de 31 anos, que assumiram uma loja no meio da pandemia chamada Botânica do Mercado, que fica na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Confira abaixo dicas preciosas!

 

Como começar 

 

A primeira dica delas é: iniciar com plantas mais resistentes e menos exigentes, cuja "margem de erro" é maior. "Essas plantas são de mais fácil manutenção, que não exigem regas frequentes e que também se adaptam mais fácil aos ambientes", explicam as especialistas.

 

"Gostamos muito de indicar a jiboia e filodendros pendentes, que tem o efeito cascata, ótima opção para as alturas. Outra opção com caimento é uma novidade no mercado das plantas e ela se chama peperomia deppeana. Pequenina, não cresce muito, mas encanta aquele cantinho que precisa de um verdinho especial", complementam.

Se você quiser uma planta de porte médio ou menor, as aglaonemas possuem variadas texturas e cores em suas folhas, e trazem muita personalidade para o ambiente.

Outra opção, e que também você encontra em tamanhos maiores, é a espada-de-são-jorge. "Essa aguenta até períodos mais longos sem rega, facinha de cuidar. Mais algumas opções são as pacovas e zamioculcas, plantas lindas para fazer uma composição em vasos de chão. Há uma enorme variedade de plantas, essas são apenas alguns exemplos", afirmam.

Quais são os erros mais comuns?

 

As principais perguntas sobre o cultivo de plantas são em relação a luz e rega, afirmam Carolina e Patrícia. "Muitas pessoas pensam que toda planta precisa da incidência de sol direto para sobreviver, algumas outras acham que a planta pode sobreviver no breu", dizem.

Quanto à rega, umas pessoas encharcam as plantas, outras esquecem ou regam com muita pouca água. As especialistas explicam que o tipo de regime de luz e a quantidade de água variam de acordo com cada espécie.

 

"Para evitar esses erros, conheça sua planta - procure saber o nome e seus cuidados básicos, frequência de adubação, etc. Para ajudar, vamos explicar alguns conceitos e dar algumas dicas".

 

Tipos de iluminação 


As especialistas explicam que existem três tipos de iluminação:

 

  • Sombra: no mundo do paisagismo significa a não incidência de luz solar direta sobre a planta, o que não quer dizer escuridão. É a luz difusa, que vem filtrada através de uma janela ou porta e que muitas plantas adoram.

  • Meia-sombra: são para as plantas que precisam de algumas horas de sol para se desenvolverem perfeitamente. Nesse regime, o sol é aquele mais fraco do dia, ou seja, antes das 10h e/ou depois das 16h.

  • Sol pleno: no qual as plantas precisam de no mínimo de 4 a 6 horas diárias de incidência solar. Essas são mais indicadas para quem tem varandas ou áreas externas.

"Por fim, a dica para aquela rega perfeita. Como se trata de um ser vivo, as plantas costumam variar de acordo com o ambiente de cada casa. Procure saber a frequência de rega que a sua planta gosta e, a partir disso, vá testando através do teste do dedo. Afunde o dedo na terra do vaso: se estiver úmido, não regue e confira novamente no dia seguinte. Se estiver seco, faça a rega. Vá fazendo isso até se adaptar e acertar a frequência de rega, ajuda muito".

Outro fator importante é a quantidade de água. "Regue sempre toda a superfície do seu vaso até que comece a sair água no fundo do vaso ou no pratinho. Dessa forma você garante uma rega eficiente. Mas não se esqueça de descartar a água que sobrou para não correr o risco de apodrecer as raízes", finalizam.

Carolina Siqueira e Patrícia Cioffi
As proprietárias da loja Botânica do Mercado (foto: Luciana Villani/Arquivo pessoal)


A economia das plantas


A Botânica do Mercado surgiu em 2018 no Mercado do Cruzeiro, localizado na zona sul de BH, um mercadinho local. O foco era e ainda é ser uma loja de plantas mais selecionadas. Em 2020, a sociedade da loja mudou, bem no início da pandemia, e foi aí que Carolina Siqueira e Patrícia Cioffi assumiram.

Em 2021, o setor produtivo de flores e plantas fechou em alta. O Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor) estima em 15% o crescimento médio do mercado de flores, em 2021. 

"Tivemos um 'boom'' de procura por plantas no ápice da pandemia. A demanda era enorme e boa parte das pessoas estava tendo contato com plantas pela primeira vez. As vendas cresceram muito, a gente quase não dava conta dos pedidos, foi um período de trabalho intenso e todo online", relembram.

As empreendedoras perceberam que, nos últimos meses, houve uma estabilização nas vendas, mas a procura ainda é grande. "Podemos dizer que 90% das pessoas que iniciaram sua selva particular nesse período, continuaram. Todos falam: 'agora que comecei, quero mais', 'não tenho mais espaço, sou eu ou as plantas'. A gente adora ouvir os relatos! A troca é muito legal". 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade