Publicidade

Estado de Minas ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Sim, farinha de cascas na dieta

Muito presente no gosto do brasileiro pela farofa, ela ganha cada vez mais receitas novas e muito saudáveis


21/11/2021 04:00 - atualizado 18/11/2021 15:05

Farinha de amêndoas
A farinha de amêndoa é pobre em carboidratos, repleta de nutrientes e tem um sabor ligeiramente doce (foto: jennyleenaguirre/Pixabay)
  Ao falar em farinha, imediatamente se pensa na de mandioca e de trigo. E muitos têm restrições a elas quanto aos benefícios para a saúde, o corpo forte e em forma. Mas, hoje, há uma variedade no mercado de ingredientes bem mais saudáveis, fáceis de acesso ou mesmo de preparar em casa, valendo a criatividade na hora de cozinhar. Tem a ideal até para a chamada dieta keto ou cetogênica, que restringe o carboidrato e aumenta o consumo de lipídios ao longo do dia.

O que importa é que a farinha certa pode ser uma aliada na redução de peso, nas estratégias para cuidar da saúde e até mesmo para promover a longevidade. Sempre tendo em mente que o consumo depende do quadro clínico de cada pessoa.
 

Há opções de farinhas para fazer doces, pães e massas nas versões zero carboidrato. A farinha de coco tem 10 vezes mais fibras que a de trigo refinada, o que significa que basta uma pequena quantidade para obter a mesma consistência em um bolo, por exemplo.

Adriana Stavro, nutricionista, especialista em doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) pelo Hospital Israelita Albert Einstein

nutricionista Adriana Stavro, especialista em doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) pelo Hospital Israelita Albert Einstein, destaca que quem opta por uma alimentação low carb não tem de desistir de todos os alimentos feitos com farinha. Há opções para fazer doces, pães e massas nas versões zero carboidrato. A farinha de coco tem 10 vezes mais fibras que a de trigo refinada, o que significa que basta uma pequena quantidade para obter a mesma consistência em um bolo, por exemplo.

Nutricionista Adriana Stavro
Nutricionista Adriana Stavro recomenda armazenar farinhas com baixo teor de carboidratos em recipientes herméticos e refrigerados. Já a industrializada, evitar guardar em suas embalagens originais (foto: Arquivo Pessoal )
Adriana dá dicas de algumas farinhas ideais para o cardápio de quem segue ou não a dieta keto, tendo como principal preocupação alternativas alimentares mais saudáveis e que contribuem com o bem-estar de todo o organismo. Ela lembra que a maneira correta de armazenar farinhas com baixo teor de carboidratos é em recipientes herméticos e refrigerados. Ao comprar a industrializada, evitar guardar em suas embalagens originais.

1 – Farinha de coco: é a segunda farinha mais comum usada em preparações lowcarb. Tem sabor ligeiramente adocicado e uma grande quantidade de fibras. Raramente é usada sozinha em receitas porque requer uma grande quantidade de ovos para equilibrar a alta quantidade de fibras. Por isso é comum misturar farinha de coco com farinha de amêndoa ou com psyllium para diminuir o número de ovos e melhorar a textura e o sabor. A proporção é 1 medida de farinha de trigo para 2 medidas da farinha de coco. Ideal para sobremesas e para espessar. Mas lembre-se que você vai sentir aquele toque de coco.

2 – Farinha de amêndoa: é provavelmente a alternativa mais popular à farinha de trigo comum. É pobre em carboidratos, repleta de nutrientes e tem um sabor ligeiramente doce. Também ajuda reduzir o colesterol ruim, o LDL, e diminuir a resistência à insulina. Você pode usar a farinha de amêndoas como um substituto 1 para 1 da farinha de trigo na panificação. Ideal para panificação, empanar.

3 – Farinha de chia: é rica em fibra solúvel. Elas podem absorver de 10 a 12 vezes seu peso em água, tornando-se gelatinosas. Teoricamente, isso aumenta a saciedade contribuindo para a perda de peso. A fibra também alimenta as bactérias benéficas do intestino, muito importante para a saúde. O melhor é misturá-la com outras farinhas em preparações como pães, muffins, bolos e massas. Para usar, basta substituir até 30% de sua farinha regular. Ideal para panificação.

4 – Farinha de linhaça: curiosamente, os benefícios à saúde são atribuídos principalmente aos ácidos graxos ômega-3 potencialmente anti-inflamatórios e suas fibras. Assim como a farinha de chia e a de coco, ela também absorve uma grande quantidade de líquido, por isso, geralmente, é misturada com outras farinhas. No entanto, o farelo de linhaça pode ser usado sozinho ou junto com sementes de chia. Ideal para biscoitos.

5 – Psyllium: excelente fonte de fibra solúvel. Eles absorvem muita água e incham, acrescentando estrutura aos alimentos. Adicionar um pouco de psyllium às receitas keto feitas com farinha de amêndoa fornece uma textura mais parecida com a de um pão tradicional. Mas, novamente, o ideal é misturar com farinha de coco ou de amêndoas em partes iguais ou outras farinhas. Ideal para panificação.

6 – Aveia: conhecida por ser um alimento saudável para o coração devido ao alto teor de beta-glucanas. Além disso, contém mais de 20 polifenóis únicos, que têm demonstrado forte atividade antioxidante, anti-inflamatória e antiproliferativa, que pode fornecer proteção adicional contra doenças coronárias, câncer de cólon e irritação da pele. Como ocorre com outras farinhas, as receitas não levam fibra de aveia isolada, mas em combinação com outras farinhas com baixo teor de carboidratos. Ideal para panificação.


Shots de alimentos funcionais são aliados da saúde


Três shots
Os shots são os queridinhos quando o objetivo é turbinar a dieta alimentar (foto: Toa Heftiba/Unsplash)
Os shots são os queridinhos quando o objetivo é turbinar a dieta alimentar. Graças às propriedades nutricionais que possuem, eles podem oferecer maior qualidade de vida, além de vários benefícios para a saúde. “Funcionam como uma estratégia nutricional de acrescentar condimentos e especiarias funcionais no dia a dia, ajudando a estabelecer hábitos mais saudáveis na rotina”, define a nutricionista funcional, Pryscila Dytz.

De acordo com ela, a popularização dos shots nos últimos tempos se deve à facilidade e praticidade de adicionar alimentos funcionais na rotina. “Muitas vezes, temos dificuldade de consumir esses alimentos de outras maneiras. Assim, o shot vem como uma alternativa para que esses alimentos possam ser integrados no dia a dia, ajudando a melhorar o foco, a disposição e imunidade.”

Quanto à estrutura, Pryscila explica que o shot é composto por uma base de água, um líquido de caráter ácido, como suco de limão ou vinagre de maçã, própolis e especiarias com ação anti-inflamatória, antioxidante ou termogênico. “A composição vai depender da individualidade e do objetivo do paciente”, acrescenta.

Para a nutricionista, ter um hábito saudável ajuda a entrar na atmosfera de uma vida melhor. “Começar o dia com uma rotina saudável, acrescentando compostos bioativos provenientes de condimentos e especiarias funcionais em quantidade, é ótimo, pois, muitas vezes, teríamos dificuldade de alcançar na alimentação. Essa é a principal vantagem do shot”, comenta Pryscila.

Nutricionista clínica e fitoterápica, Mhaisa Aragão alerta que nem todo shot é saudável. Ela destaca que é necessário que as combinações sejam boas: “Os shots são saudáveis quando as combinações dos fitoterápicos têm uma função, como atuar na imunidade e na disposição do paciente. Então, eles se tornam saudáveis a partir do momento que essas combinações conseguem atingir fins terapêuticos”.

De acordo com ela, os shots começaram a ser consumidos com mais intensidade durante a pandemia da COVID-19. “Hoje, a maioria dos pacientes menciona fazer uso do shot para iniciar a rotina, porque alegam que se sentem mais dispostos e que, depois que incluíram o shot, a imunidade está melhor”, conta Mhaisa. Ela recomenda que a bebida seja ingerida no período da manhã, uma vez ao dia.
 
“A maioria das pessoas usa gengibre, um alimento termogênico que pode influenciar na qualidade do seu sono, dependendo do horário que você tomar. Por isso, o ideal é tomar o shot quando acordar”, orienta a especialista. Pryscila aconselha que os shots sejam tomados diariamente, mas sempre em rotatividade: “Não recomendo tomar o mesmo shot por mais de três meses. É bom variar as combinações”.

IMUNIDADE 


Quem se rendeu às propriedades do shot foi a servidora pública Andréia Araújo, de 33 anos. Como nem sempre tem tempo para preparar a própria comida, ela toma o shot todas as manhãs a fim de obter o mínimo de micronutrientes necessários. “Minha intenção sempre foi melhorar a imunidade. Costumo tomar em jejum um shot natural da Qualy Ervas, que contém cúrcuma, gengibre, canela e pimenta caiena. Adiciono algumas gotas de própolis também”, explica.

Mas o consumo dos shots não é o único a integrar a rotina de Andréia. Ela ainda preza por uma alimentação saudável e colorida: “Busco me alimentar da forma mais natural possível, evitando industrializados e produtos com conservantes. Meu lema é comer ‘comida de verdade’. Procuro fazer minhas refeições sempre muito coloridas, cheias de frutas, verduras, legumes e proteínas. Consumo sal, mas em quantidade bem pequena”.

O conjunto de hábitos saudáveis resultou em diversos benefícios para ela. “Minha imunidade melhorou potencialmente, assim como a saúde dos meus cabelos e da minha pele. Sinto mais energia ao longo do dia e tenho mais disposição para treinar. Existem inúmeros estudos que comprovam a relação da má alimentação e do sedentarismo ao desenvolvimento de doenças. Por isso, acredito que tudo que vem da natureza te nutre e te faz bem”, conclui.

HÁBITOS


Apesar de os shots serem aliados no processo de reeducação alimentar, eles não podem ser os únicos hábitos saudáveis de uma pessoa. “O shot não é o que vai resolver tudo, ele é um plus, um elemento auxiliar. Se você não tiver uma rotina de vida saudável, como um todo, praticar atividade física, comer bem, beber água, o shot em si não vai ter nenhum benefício”, adverte Mhaisa. Outro cuidado que deve ser tomado é em relação à composição do shot. “Dependendo de como você fizer o shot você não vai conseguir alcançar o que tem de melhor daqueles fitoterápicos”, ressalta.

Ela ainda considera importante que o shot consiga ser absorvido pelo organismo para que tenha efeitos positivos. A cúrcuma é um exemplo de tempero citado por ela que não possui uma boa biodisponibilidade, isto é, percentual de aproveitamento pelo organismo: “Por isso é necessário associar o consumo da cúrcuma com a pimenta do reino para conseguir propiciar essa biodisponibilidade, que aumenta duas vezes mais quando elas estão associadas. Não adianta nada tomar o shot se o corpo não consegue absorver”.

Contudo, Mhaisa acredita que é possível fazer uso dos temperos nas refeições diárias, sem a necessidade do consumo do shot. Além disso, há pacientes que não conseguem tomar os shots de temperos em razão do sabor marcante. “Adicionar os temperos naturais nas refeições vai ser mais saboroso e o paciente não vai ter que lidar com dificuldade para beber. Muitos remetem a dificuldade de ter hábitos saudáveis porque não agrada o paladar. O uso vai depender se a pessoa tolera ou não.”

* Estagiária sob supervisão do subeditor José Carlos Vieira]
 


Receitas


Shot para imunidade
» 1/2 xícara de água
» 1 colher de chá de gengibre ralado
» 1 colher de chá de cúrcuma
» Pitada de pimenta do reino
» 10 gotas de própolis
» 1/2 limão espremido

Shot para disposição
» 1/2 xícara de água
» 1 colher de chá de canela em pó
» 1 colher de chá de pimenta
» 1/2 limão espremido

Shot anti-inflamatório
» 1/2 xícara de chá de água
» 1/2 limão espremido
» 1 colher de chá de cúrcuma
» Pitada de pimenta

Fonte: Mhaisa Aragão, nutricionista clínica e fitoterápica


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade