Publicidade

Estado de Minas SEGURANÇA

O que fazer quando a criança engasga?

Complicações como ingestão de objetos também são comuns e demandam agilidade e prontidão para garantir a vida dos pequenos


14/11/2021 06:00 - atualizado 14/11/2021 20:54

criança comendo fruta
É importante monitorar a criança para evitar engasgo (foto: Pixabay)


Na última semana de outubro, os pais de uma criança de 1 ano e 3 meses entraram pelas portas do 15º Batalhão da Polícia Militar, na Estrutural, em Brasília, com o bebê sem respirar no colo. Minutos antes, os três comemoravam o “mêsversário” da menina, que se engasgou com uma secreção. Por sorte, havia policiais disponíveis para socorrer a criança, que voltou a respirar e foi levada ao hospital.

Casos de engasgo e, por consequência, desfalecimento de bebês e crianças, assim como de ingestão de objetos não comestíveis, são mais comuns do que parecem, mas são assustadores e perigosos na mesma medida. São ocasiões nas quais o tempo é o inimigo da vida.

Por isso, é importante – e até mesmo imprescindível – que pessoas que morem ou tenham contato com crianças e bebês aprendam os primeiros socorros necessários nesses casos. O sargento João Almada, do CBM-DF, ensina a fazer as manobras de desengasgo e conta o passo a passo para cada situação: na qual a vítima está consciente, inconsciente ou se ainda respira. Confira:

Engasgou? Antes de mais nada, verifique o tipo de obstrução das vias aéreas


Ao notar que a criança engasgou, o primeiro passo mais relevante para o socorro é identificar o tipo de obstrução. Almada explica que verificar se a vítima respira definirá os próximos passos. “Nós definimos o socorro de acordo com a obstrução. Se ela for total, ou seja, se ela impedir completamente a respiração, precisamos entrar com a manobra de desengasgo”, explica.
 
Já se a obstrução for parcial, quando a criança ainda consegue respirar ou se o bebê ainda chora, o sargento ressalta a importância de não fazer a manobra do desengasgo.

“Ligue 192 ou 193 e peça orientação. Se o médico que atender não mandar uma ambulância, indicará um hospital para os adultos levarem a criança. Não comece os procedimentos, porque corre o risco de que os movimentos façam com que se torne um engasgo total”, frisa.

No caso de bebês e crianças lactantes, que ainda são amamentadas, que estejam com obstrução parcial, Almada ainda dá uma dica extra: colocá-lo de lado para que drene a saliva enquanto aguarda por socorro ou leva a vítima para um hospital.

Manobra de desengasgo: agilidade e persistência 


bombeiro fazendo manobra em bebê
Quanto mais rápido o socorro for dado, maior a chance de salvar a vida do bebê ou da criança (foto: Corpo de Bombeiros do Distrito Federal/Divulgação)
Ao perceber que o engasgo é total e que, consequentemente, a criança não respira, é preciso começar as manobras. Para isso, pais e responsáveis devem ligar para o 192 ou o 193 para obter auxílio no socorro. “Esse é um passo muito negligenciado, mas que salva vidas. Ligue para nossos telefones, o atendente auxiliará nas manobras enquanto um socorro será enviado”, frisa Almada.

A orientação a ser dada por telefone são as mesmas ensinadas pelo sargento. Primeiro, as manobras mudam se a vítima estiver consciente ou inconsciente. Se o bebê lactente ainda está acordado, a pessoa que prestará socorro deve ficar em pé, apoiar o bebê na perna dominante, com ele de barriga pra baixo e em uma posição de 45 graus, então dar cinco tapas no início das costas.

Em seguida, na mesma posição, o bebê deve ser virado de barriga pra cima e, com dois dedos no centro do peito, faça cinco compressões torácicas. “É preciso fazer isso até que a criança desengasgue". Caso a criança fique inconsciente, outra manobra deverá ser utilizada.
 

Crianças maiores de 5 anos


Se a criança tiver mais de 5 anos é preciso fazer a manobra de Heimlich. “Em pé, a pessoa se posiciona por detrás do paciente, o abraça, posiciona as mãos na boca do estômago e faz uma pressão para que ele desengasgue, como empurradas para dentro do estômago e em direção à pessoa que presta o socorro”, detalha Almada.

Se a vítima estiver inconsciente, a abordagem é diferente e emergencial 


É possível que pais ou responsáveis percebam o engasgo depois que a vítima já perdeu a consciência. Ou, ainda, as manobras de desengasgo não foram eficientes e, por falta de respiração, a criança ficou inconsciente.

Se isso ocorrer, é preciso levar a vítima – bebê ou criança acima de 5 anos – para o chão, deitá-la de barriga pra cima e fazer compressões torácicas para que o objeto saia pela boca. “É preciso fazer 30 compressões e depois procurar o objeto na garganta. Se conseguir vê-lo, retire-o. Se não, faça mais 30. Faça até que o socorro, que foi pedido no começo do incidente, chegue ao local ou que a criança desengasgue”, diz o bombeiro.

É por situações como essa, nas quais as manobras não se tornam suficientes para solucionar o problema, que é crucial que o Corpo de Bombeiros ou a Polícia Militar sejam acionados assim que o engasgo for identificado. Quanto mais rápido o socorro for dado, mais chances tem aquela vida de ser salva.

Pais devem cobrar treinamento de primeiros socorros de creches e escolas 


A escolha da escola ou de uma creche é feita, muitas vezes, pelo preço, pela proximidade de casa ou pela disponibilidade de vagas. No entanto, acima desses critérios, o sargento Almada aponta para uma capacidade essencial nesses estabelecimentos: o treinamento de primeiros socorros.

“É preciso que pais, ao matricular os filhos em creches ou escolas, cobrem e pesquisem se os professores ou qualquer outro funcionário fizeram algum curso de primeiros socorros. “E primeiros socorros abrangem não só desengasgo, mas cuidados com hemorragia, queimadura, intoxicação e muitas outras questões. Os pais podem e devem cobrar isso dos locais em que deixam os filhos”, aconselha o sargento.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade