Publicidade

Estado de Minas Saúde

Perigos da exposição excessiva de crianças nas redes sociais

Pediatras alertam para os riscos do 'shareting' - exposição excessiva de crianças nas redes sociais


17/09/2021 14:25 - atualizado 17/09/2021 15:52

None
(foto: Pixabay)

“Shareting” - share de compartilhar e parenting de paternidade - é um termo em inglês que parte do conceito de pais que expõem toda a vida de seus filhos na internet. Esse hábito crescente poder ter consequências indesejadas e impactos negativos de longo prazo da vida dessas crianças e bebês.  

 

"A criança e o adolescente não devem ter vida pública nas redes sociais. Não sabemos quem está do outro lado da tela. O conteúdo compartilhado publicamente por falta de critérios de segurança e privacidade pode ser distorcido e adulterado por predadores em crimes de violência e abusos nas redes internacionais de pedofilia ou pornografia, por exemplo", explica a coordenadora do Grupo de Saúde Digital da SBP, Evelyn Eisenstein.

 

Neste ano, a SBP publicou um guia, “#Sem Abusos #Mais Saúde”, que destaca recomendações importantes aos médicos sobre como avaliar, durante um atendimento, casos suspeitos de violência ou abusos “offline” ou “online”. Além de orientar os pais sobre alternativas seguras, educativas e saudáveis de atividades, que não envolvem a internet, para crianças e adolescentes.

 

Uma exposição exagerada da vida dos pequenos representa uma ameaça à intimidade, à vida privada e ao direito de imagem. Os interesses envolvendo os dados das crianças são os mais variados e podem ser utilizados para diferentes finalidades, desde o roubo de identidade, cyberbullying, uso indevido de imagens e vídeos por pedófilos, fins comerciais e outras ameaças à segurança.

 

Leia também: Pesquisa mostra que pandemia elevou sensação de tristeza nas redes sociais

  

Um caso emblemático que marcou este fenômeno, que vem acontecendo desde os anos 1920, com o surgimento das estrelas mirins de Hollywood, é o do ator Jackie Coogan, que interpretou o garoto no filme The Kid (1921), dirigido por Charlie Chaplin.

 

Além de astro de cinema, o menino se tornou uma estrela da publicidade após ser explorado por pelo menos uma década pelos pais. Ao atingir a maturidade, abriu um processo judicial contra os familiares em decorrência de toda a exploração da sua imagem, na época amplamente comercializada.

 

A exposição indevida de informações de menores engloba múltiplos aspectos, como o interesse econômico e o narcisismo patológico. "Existe o ganho financeiro, que é evidente, o de ganhar dinheiro em cima da exploração dos filhos. Mas existe também uma questão de patologia do narcisismo. Isso significa que os pais realizam seus sonhos frustrados de sucesso, de projeção e de fama por meio dos filhos", ressalta o coordenador do Grupo de Saúde Mental, Roberto Santoro.

 

Pais que desejam compartilhar fotos e vídeos de seus filhos online podem tomar medidas protetivas para garantir que o conteúdo não seja usado para fins maliciosos. Por exemplo, é possível limitar o público de postagens para que apenas aqueles em quem você confia que possam ver o conteúdo. Lembre-se de nunca compartilhar dados de localização – como endereço e escola que frequenta – nome completo do menor, data de nascimento e fotos dos filhos sem estarem totalmente vestidos.

 

 

* Estagiária sob a supervisão da subeditora Ellen Cristie. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade