Publicidade

Estado de Minas VACINAÇÃO

Vídeo: Infectologista de BH diz que CoronaVac pode dar fim à pandemia

Integrante do Comitê de Enfrentamento da pandemia de COVID-19 da prefeitura de BH, Unaí Tupinambás analisa os dados da Coronavac; vídeo viralizou nas redes


13/01/2021 17:06 - atualizado 13/01/2021 17:44

Unaí Tupinambás é infectologista, integra o comitê de combate à pandemia da PBH e é professor na UFMG(foto: Redes Sociais/Reprodução)
Unaí Tupinambás é infectologista, integra o comitê de combate à pandemia da PBH e é professor na UFMG (foto: Redes Sociais/Reprodução)
Um vídeo do médico infectologista Unaí Tupinambás, integrante do Comitê de Enfrentamento à Pandemia de COVID-19 montado pela Prefeitura de Belo Horizonte, vem circulando nas redes sociais. Nas imagens, ele fala sobre a possibilidade de a Coronavac dar fim ao surto do novo coronavírus no Brasil.

“Dados sensacionais que mostram que a vacina é extremamente segura”, comenta o infectologista.
 
 
De acordo com o médico, a vacina apresenta "pouquíssimos efeitos colaterais” e nenhum grave. Ele acrescenta que o imunizante teve baixos números de reações alérgicas.

Na terça-feira (12/1), o governo de São Paulo e o Instituto Butantan revelaram que a taxa de eficácia geral da CoronaVac é de 50,38%. A vacina contra o novo coronavírus foi desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e produzida no Brasil pelo Butantan. 

Na quinta-feira passada, a gestão João Doria (PSDB) afirmou que o imunizante tem 78% de eficácia contra casos leves da doença e 100% contra os quadros graves e moderados.
 

Para Unaí, os números são excelentes. “A notícia muito boa é que a vacina protegeu nos casos moderados em 78%. Ou seja, se você tomou a vacina e entrou em contato com vírus da COVID você nem sequer vai ter sintomas, nem vai precisar procurar um sistema de saúde. Além disso, existe uma tendência de proteger contra a morte em 100% das vezes. É claro que é preciso esperar o estudo ser finalizado, mas essas tendências são robustas.”

Cobrança ao Ministério da Saúde


Para o médico, que também é professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a CoronaVac pode tirar a pressão do sistema de saúde e pôr “um fim na pandemia”.

“A vacina vai ser produzida em território nacional, até 1 milhão de doses por dia. Ou seja, até o fim desse semestre será possível pôr um fim nesta crise sanitária e humanitária”, afirma.

O médico também pede para que as pessoas cobrem do Ministério da Saúde um plano de vacinação e a data para o início da imunização.
 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Kelen Cristina


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade