Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Obesidade compromete a saúde do brasileiro

Excesso de peso atinge mais da metade da população. Potencialmente capaz de desencadear doenças mais graves, o sobrepeso necessita de tratamento


26/09/2020 12:12 - atualizado 26/09/2020 12:50

Obesidade afeta mais da metade da população brasileira(foto: Unsplash/Divulgação)
Obesidade afeta mais da metade da população brasileira (foto: Unsplash/Divulgação)

Cerca de 55,7% da população vive acima do peso no Brasil, de acordo com dados divulgados pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel). Pesquisa realizada em 2018 aponta que esse crescimento se deve, principalmente, a aspectos nutricionais, metabólicos e/ou psicológicos. O excesso de peso, seja ele considerado obesidade ou não, pode acarretar doenças ainda mais graves, como hipertensão e diabetes.

De acordo com o Ministério da Saúde, a obesidade, decorrente do acúmulo de gordura no organismo, pode ser compreendida como um agravo de caráter multifatorial relacionado a questões biológicas, históricas, ecológicas, econômicas, culturais e políticas. Além disso, é uma doença caracterizada como um dos principais fatores para o surgimento de outras enfermidades crônicas não transmissíveis, como patologias cardiovasculares.

Não me sentia bonita, me boicotava, deixava de ir a festas, palestras, lugares e eventos. Não falava alto em uma reunião profissional pelo simples fato de não querer contato visual com alguém. Esqueci de minhas habilidades e capacidades, deixei de acreditar em mim

Daiane Fernandes Schmitt, de 36 anos, administradora


O presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – Regional Minas Gerais (Sbem-MG), Adauto Versiani, afirma que o aumento da obesidade se dá, principalmente, pelo consumo de alimentos ricos em gordura e sedentarismo. “Hoje, vivemos em um mundo em que o tempo é muito escasso e a alimentação é feita em pequenos intervalos com comidas pré-fabricadas, ricas em gordura, como fast-foods, e sem tempo para o lazer. Cada vez mais, a sociedade está direcionando a válvula de escape para a comida e não para a atividade física, ingerindo mais caloria e gastando menos”, completa.

 

Esse é o caso da analista comercial Marina Danielle de Souza, de 35 anos, que viu sua vida ser limitada pelo excesso de peso. “Há dois anos e meio, eu estava sedentária e engordando, não conseguia nem subir as escadas direito, devido à falta de ar”, conta.


 A psiquiatra Jaqueline Bifano ressalta que aspectos psicológicos também podem influenciar de forma direta no aumento de peso, visto que sentimentos de inadequação, baixa tolerância a frustrações, comportamentos altruístas, pensamentos ruminantes, de menor valia e incapacidade, bem como a ingestão de ordem emocional podem ser associados a esse excesso. “O estado emocional de uma pessoa pode estar relacionado ao apetite e ao comportamento na hora das refeições, interferindo nas preferências no momento da alimentação”, explica.


Jaqueline destaca, ainda, que determinadas emoções, como a tristeza, podem aumentar o apetite e, consequentemente, a ingestão de calorias. Foi o que ocorreu com a administradora Daiane Fernandes Schmitt, de 36, que com a depressão relacionada à mudança na rotina de trabalho vivenciou um quadro de obesidade capaz de interferir ainda mais em seu emocional. “Não me sentia bonita, me boicotava, deixava de ir a festas, palestras, lugares e eventos. Não falava alto em uma reunião profissional pelo simples fato de não querer contato visual com alguém. Esqueci de minhas habilidades e capacidades, deixei de acreditar em mim”, relata.


Além disso, de acordo com o nutricionista Guilherme Mattos, o alto consumo de alimentos calóricos, bem como qualquer tipo de alimentação, influencia em todos os aspectos do corpo. No entanto, o especialista salienta que o estado de saúde global da pessoa é fator decisivo para o desenvolvimento e manutenção da obesidade. “Aquilo que a pessoa come pode favorecer um corpo inflamado, um intestino com baixo poder de absorção de nutrientes, pode determinar se a pessoa terá mais ou menos energia disponível para os seus afazeres diários, pode deixá-la mais alegre ou mais deprimida, tudo isso influenciará para que ela engorde ou emagreça.”


Tipos de obesidade


Segundo o cirurgião geral e gastroenterologista Mauro Jácome, a obesidade pode ser dividida de acordo com a região de predominância do acúmulo de gordura. “A obesidade abdominal ocorre quando a gordura se deposita, principalmente, no abdômen e na cintura. Já a periférica, mais comuns em mulheres, localiza-se nas coxas, quadris e nádegas. Tem ainda a obesidade homogênea, na qual não há uma predominância de gordura em uma área localizada, pois o excesso de peso está distribuído por todo o corpo.”

 

Há, também, a classificação quanto a gravidade do quadro, calculada a partir do índice de massa corporal (IMC). Esse cálculo é feito com base na razão entre o peso e a altura de cada pessoa. Sendo assim, pessoas com IMC entre 25Kg/m² e 29,9Kg/m² são consideradas com sobrepeso; com IMC entre 30Kg/m² e 34,9Kg/m², têm obesidade grau I. O IMC entre 35Kg/m² e 39,9Kg/m² indica obesidade grau II e o IMC maior do que 40Kg/m², obesidade grau III.

O sobrepeso é mais comum nos homens
, no entanto, a obesidade é maior no público feminino. Os adultos são os que têm maior incidência, principalmente na faixa etária entre 25 e 34 anos, e de 35 a 44.


Mudança de hábitos


Em casos de sobrepeso e obesidade grau I, mudanças de hábitos alimentares e físicos, bem como acompanhamento médico e psicológico individualizados, são fortes aliados. As obesidades de grau II e III podem, além disso, envolver indicação cirúrgica, inclusive de métodos menos invasivos. “Existem tecnologias que permitem o auxílio a quem necessita emagrecer, sem precisar recorrer a cirurgias bariátricas. Esses procedimentos envolvem menos riscos e não demandam anestesia geral e nem um pós-operatório complicado”, explica Jácome.

 

A endosutura gástrica é uma dessas técnicas e consiste na redução do volume gástrico a partir de suturas feitas dentro do estômago por meio da endoscopia. Outro recurso para redução de peso é a colocação do balão intragástrico, que preenche parte do interior estomacal reduzindo a sensação de fome.


Daiane Fernandes, que escolheu implantar o balão intragástrico por um ano, conta que essa decisão se deu pela segurança e que, após o tratamento, se sente uma nova pessoa. “Optei pelo balão por ser menos invasivo e não definitivo. Dessa forma, tive um período maior de tempo para moldar e mudar meu corpo e a forma como ele se alimenta. Hoje, me sinto ótima, caminho e respiro melhor, me movimento livremente. Não sinto mais as dores físicas e emocionais da obesidade.”


Aqueles que recorrem à bariátrica podem sofrer alguns efeitos colaterais pós-cirúrgicos. “O paciente costuma relatar cansaço, dificuldade de equilíbrio, ressecamento da pele e unhas quebradiças, devido à redução da absorção de nutrientes”, pontua o especialista em gastroenterologia Marcos Jácome. Nos tratamentos considerados menos invasivos esses efeitos são incomuns, visto que não há retirada de parte do órgão, como no procedimento cirúrgico.


Pós-tratamento


 

Grave e potencialmente crônica, a obesidade requer cuidados para que as mudanças de hábitos sejam mantidas e as possíveis recaídas, evitadas. Por isso, é importante que o paciente tenha atenção quanto a esses aspectos. É comum o receio quanto a essas pequenas ponderações no cotidiano estar presente na vida das pessoas que um dia sofreram com o acúmulo de peso. “Sempre há aquele medo de engordar de novo e de vir a ter um novo problema”, comenta a autônoma Débora Ramos da Costa, de 42.

 

No entanto, é comum o sentimento de bem-estar após a perda do excesso de peso. “Estou muito bem, como de tudo, mas em quantidade reduzida. Estou muito mais animado no dia a dia”, relata Fausto Luiz Lacerda, empresário, de 44.


Projeção


A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, em 2025, aproximadamente 2,3 bilhões de adultos viverão com sobrepeso no Brasil e, mais de 700 milhões, obesos. Na infância, esse número pode chegar a 75 milhões entre crianças com sobrepeso e obesidade. A Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) disponibiliza, em seu site oficial, um mapa da obesidade no Brasil, com atualizações sobre os dados em cada região do país. As informações têm como referência o último senso do IBGE realizado em 2008-2009.


* Estagiária sob a supervisão da editora Teresa Caram


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade