Publicidade

Estado de Minas

Grupo de profissionais da saúde lança canal para ajudar a população receosa em tempos de coronavírus

A ideia é aliviar tensões para quem está em isolamento, ansioso, deprimido, angustiado ou com medo diante da pandemia. A ponte está aberta pelas redes sociais


postado em 21/03/2020 13:54 / atualizado em 21/03/2020 14:12

(foto: Flaticon e Pixabay)
(foto: Flaticon e Pixabay)

Há três anos, grupo de psicólogos abriu pela internet um canal específico para aconselhamento terapêutico para pessoas que vivem conflitos ou dúvidas. A ideia original do site A Chave da Questão é ajudar no manejo de ocasiões difíceis. Como explícito na página de abertura, um dos objetivos é resolver problemas que normalmente afetam a vida diária. Não é o mesmo que psicoterapia, como explica uma das integrantes, a psicóloga Fátima Marques.

O auxílio é para promover o bem estar, aliviar sofrimentos e desajustes, resolver crises, encontrar novos sentidos e aumentar as competências próprias para ter uma postura mais assertiva para encarar a vida. Em tempos de pandemia, o site acaba de disponibilizar espaço para atender indivíduos em isolamento por conta do coronavírus, ensinando a lidar com essa situação em particular. A questão é: o que fazer quando não se sabe o que fazer?

"Abrimos a nossa casa, agregando agora outros profissionais, de áreas diferentes da saúde, como nutrição, fonoaudiologia, educação física, entre outros. É uma abordagem multidisciplinar para acolhimento nessa época de coronavírus, auxiliando a população em suas mais diversas aflições", explicita Fátima. O intuito é ofertar orientações práticas conforme o que as pessoas estão solicitando.

Em menos de 24 horas após a inauguração do sistema, foram mais de 1 milhão de acessos, o que acabou sobrecarregando o servidor, e agora A Chave da Questão divulga os endereços do Instagram e Facebook para receber as mais diferentes perguntas sobre o tema, com suporte online, gratuito, para quem precisa de ajuda quanto ao COVID-19. Se é para ficar em casa, que seja preservada também a saúde emocional.

Entre os direcionamentos oferecidos pelo corpo de profissionais, dicas de alimentação, sobre atividades da rotina, exercícios físicos, ideias de diversão, o que fazer com as crianças em casa, contação de histórias, e muito mais. "Estamos vendo muito o que não fazer. Queremos mostrar o que fazer em tempos de isolamento em casa, na intenção de aliviar tensões. As pessoas estão soterradas por tanta informação, e acabam ficando ansiosas, nervosas, irritadas, com medo, angustiadas", diz a psicóloga.

Promovendo a autopercepção, é preciso entender que esses são sentimentos pertinentes nesse momento, acrescenta Fátima. Então, como amenizar tudo isso? "Existe um tipo de alimentação que possa ajudar? Existe alguma atividade lúdica para fazer em família e melhorar o convívio? Sim! Contamos inclusive com uma profissional de relações públicas que está recolhendo informações sobre o que está acontecendo de legal", conta.

A intenção é, justamente, orientar as pessoas, muitas perdidas nesse turbilhão de preocupações e sentimentos, sobre o que fazer, como fazer, o que pensar e como pensar. "É importante sair da condição de isolamento. As pessoas estão confinadas nelas próprias", finaliza Fátima. 


Publicidade