Publicidade

Estado de Minas BEM-ESTAR

Promoção do equilíbrio

Naturologia tem como foco tratar o indivíduo como um todo através de práticas integrativas e complementares, como terapias naturais, visando à prevenção de doenças e qualidade de vida


postado em 15/03/2020 04:00

(foto: Arquivo pessoal)
(foto: Arquivo pessoal)

''Quando a pessoa vai a uma consulta com um naturólogo, o profissional não aborda apenas as questões físicas, mas também emocionais, mentais e sociais''

Ana Paula Fistarol, professora do curso de naturologia do UniBH


Área do conhecimento que aborda, entre outras facetas, o estudo da natureza, a naturologia lança mão de práticas e métodos de tratamento naturais mirando a prevenção de doenças para retomar e proporcionar a saúde, a harmonia do organismo e a qualidade de vida. Trata-se de um campo científico que considera saberes dos segmentos de saúde, biológicos e humanos para perceber o sujeito a partir de uma visão holística, com atenção para características emocionais, mentais, físicas, sociais, além da relação com o meio ambiente.

O naturólogo tem como modo de atuação a promoção do equilíbrio entre o homem e a natureza, com o objetivo de conscientizar o indivíduo sobre sua condição de saúde e estilo de vida, a fim de manter sua integridade psíquica e física. O alicerce é uma abordagem multidisciplinar calcada na aplicação de uma variedade de terapias tradicionais e contemporâneas.

No Brasil, existem quatro cursos de graduação na área. Além de Santa Catarina (estado onde começou o primeiro no Brasil, em 1998, e que agora oferta dois cursos) e São Paulo, Belo Horizonte agora oferece graduação em naturologia, iniciada em fevereiro no Centro Universitário UniBH.

“Percebo que as pessoas estão buscando esse tipo de cuidado em saúde para melhorar a qualidade de vida e para serem vistas de forma integral. Quando a pessoa vai a uma consulta com um naturólogo, o profissional não aborda apenas as questões físicas, mas também emocionais, mentais e sociais. Procura entender como é seu estilo de vida, como são as relações no trabalho, com o companheiro (a), com os familiares. Busca conhecer aquela pessoa, conhecer seu histórico de vida. É um tratamento individualizado, único para cada paciente”, esclarece a professora Ana Paula Fistarol, do curso de naturologia do UniBH.

Ana Paula trabalha com naturologia no setor clínico (atendimento em consultório) há 10 anos e é formada pelo primeiro curso no Brasil. É gaúcha, e conta que o interesse pela naturologia vem da adolescência, quando procurou estudar alguma área da saúde, mas que proporcionasse uma visão ampliada.

Ela explica que o foco é tratar o indivíduo como um todo através de práticas integrativas e complementares, como terapias naturais, entre elas aromaterapia, terapia floral, fitoterapia e plantas medicinais, cromoterapia, reflexoterapia, medicina chinesa, medicina indiana (terapia ayurveda), geoterapia (trabalho energético a partir da argila), massoterapia (massagem terapêutica), iridologia (estudo dos olhos), hidroterapia (como o watsu e terapias que exploram as diferentes temperaturas da água como recurso terapêutico), trofoterapia (estudo dos alimentos) e, na grade do curso, também reiki, ioga e cosmologia xamânica.

A professora esclarece que a naturologia não considera somente os sintomas – muito antes, o norte são as causas do problema, da doença. Em um trabalho conjunto com o paciente, o objetivo é chegar a essas causas e tratá-las, partindo essencialmente da necessidade de uma mudança no próprio estilo de vida. No momento da consulta, o naturólogo define qual vertente usar para o tratamento, qual o tipo de terapia indicar em cada situação.

“Quando atendo um paciente que se queixa de gastrite, não considero apenas o problema do estômago. Converso, considero os hábitos alimentares, a qualidade do sono, o lado emocional, se há um quadro de ansiedade. Tento compreender o que no dia a dia dessa pessoa pode estar originando o desconforto, e tratar dentro de sua individualidade. Nessa perspectiva, cinco pessoas que se queixarem sobre o mesmo sinal da gastrite terão tratamentos diferentes, porque as causas são diferentes”, exemplifica Ana Paula.

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)


Multidisciplinar 

Nos campos de atuação de um profissional de naturologia, continua Ana Paula, estão a área clínica, a carreira acadêmica, com foco na pesquisa acadêmica, integração em equipes multidisciplinares em saúde, trabalho com medicina integrativa, em saúde pública, em unidades básicas de saúde, em centros de atendimento psicossocial, além de spas, empresas e organizações não governamentais.

Esse é um saber ancestral, que vem de povos antigos, como os indianos, chineses e a sabedoria grega de cura. Um conhecimento que começou a ser institucionalizado a partir do início do século 20. No Brasil, a Associação Brasileira de Naturologia (Abrana) é braço da federação mundial na área, que reúne países com trabalhos nesse sentido. Nos Estados Unidos, existe curso nessa área desde 1978.

“As pessoas estão cada vez mais questionando modelos de atendimento em saúde que não mais conversam com elas. Aquela consulta médica que dura 10 minutos. Querem ser vistas como uma pessoa inteira”, pontua Ana Paula. 

O curso de formação em naturologia tem a duração de quatro anos, no período noturno. Os alunos estudam disciplinas comuns na área de saúde, como anatomia e psicologia, além das terapias e práticas integrativas. O currículo inclui ainda estágio clínico supervisionado ao longo da graduação.



Publicidade