Publicidade

Estado de Minas

Victor Dzenk compartilha, em Lagoa Santa, os trabalhos da primeira turma do projeto 'Costurando Sonhos'

Muito mais que gerar empregos ao qualificar mulheres em situação de vulnerabilidade, o projeto social tem a preocupação em fomentar autoestima, autonomia e geração de renda


postado em 13/12/2019 16:52 / atualizado em 13/12/2019 19:46

Projeto social Costurando Sonhos foca em qualificar mulheres em situação de vulnerabilidade(foto: Yara Chaves/divulgação)
Projeto social Costurando Sonhos foca em qualificar mulheres em situação de vulnerabilidade (foto: Yara Chaves/divulgação)
 
 
Mãos calejadas pelo tempo seguram firme a tesoura que corta o tecido estampado de flores coloridas. Essas mesmas mãos, de mulheres simples de Lagoa Santa, recolhem as tiras de pano – descarte têxtil – e as colocam sobre uma grande mesa. O olhar atento, sem desviar do propósito final, inicia-se o trabalho de costura. Cada vez que a agulha perfura o pano, a linha entrelaça na fibra e, desse vaivém na trama, surgem sousplats, almofadas, pufes customizados, porta-pratos e porta-copos. 
 
Estilista Victor Dzenk com o grupo do projeto Costurando Sonhos, em Lagoa Santa(foto: Yara Chaves/divulgação)
Estilista Victor Dzenk com o grupo do projeto Costurando Sonhos, em Lagoa Santa (foto: Yara Chaves/divulgação)

Estamos falando do projeto “Costurando Sonhos”, que em setembro desse ano foi relançado em Lagoa Santa pelo estilista Victor Dzenk. Trata-se de uma um desejo antigo do estilista em poder resgatar a autoestima das mulheres região de Lagoa Santa. Muito mais que ganhar dinheiro, a responsabilidade social do projeto é querer que essas mulheres guerreiras sejam as protagonistas de suas próprias histórias. 
 
Sousplat(foto: Victor Dzenk/Divulgação)
Sousplat (foto: Victor Dzenk/Divulgação)
 

“É com muita satisfação e amor que inauguramos esse projeto em Lagoa Santa. O projeto já era realizado na região da gruta da Lapinha, sob a direção da minha mãe e minha tia e agora chegamos a Lagoa Santa com aulas de costura,  aproveitando o descarte têxtil da minha empresa, onde faremos sousplats e porta-copos na primeira etapa e, em seguida passaremos para novos desafios que contemplam confecção de camisetas ate chegar nos vestidos. Paralelo às oficinas de bonecas e outras haverá também acompanhamento de profissionais e psicólogos para trabalhar a autoestima e ensinado essas mulheres a empreenderem  no mundo da moda”, conta Victor Dzenk 

Porta-pratos de fuxicos(foto: Victor Dzenk/Divulgação)
Porta-pratos de fuxicos (foto: Victor Dzenk/Divulgação)
Desta forma, o “Costurando Sonhos” vislumbra o aprimoramento profissional na produção de peças para o mercado da moda que carece de mão de obra especializada. Oficinas de corte e costura, bordado e bonecas macramê serão ofertados à comunidade de Lagoa Santa.
 
Amanhã, 14 de dezembro, ocorre confraternização da primeira turma do projeto "Costurando Sonhos" com café da manhã e exposição dos produtos.
Horário: 9h às 12h
Local: Rua Julieta Alvarenga, 279, Bairro Joana D'Arc, Lagoa Santa 
 
 
 
AUTOESTIMA
Alunas da oficina de corte e costura(foto: Yara Chaves/divulgação)
Alunas da oficina de corte e costura (foto: Yara Chaves/divulgação)


Chegando ao fim do primeiro módulo, que ensinou mulheres de baixa renda a produzir utilitários com resto de tecidos, o Victor Dzenk é só expectativas. “Além de reduzir o descarte têxtil – o que é uma necessidade urgente da indústria da moda –, temos apoiado a formação de mão de obra especializada, inclusive, capacitada para trabalhar com máquinas de costura industriais. Nosso plano é seguir em frente, formando alunas, até mesmo especialistas na confecção de vestidos sofisticados”, anseia ele.
 
Sousplat e pufes(foto: Victor Dzenk/Divulgação)
Sousplat e pufes (foto: Victor Dzenk/Divulgação)
Apesar de diferentes e de ocorrerem em contextos totalmente distintos, os projetos têm objetivos em comum: ensinar um ofício, resgatar saberes artesanais, e, acima de tudo, promover o empoderamento de comunidades carentes. A possibilidade de transformação e de elevar a autoestima dessas pessoas por meio da arte funciona como ideal de gente que parte para a ação.

Dzenk também é taxativo ao falar sobre a crença no poder transformador da arte. “Quando essas mulheres veem que criaram um produto de excelência, que aquele objeto foi talhado pelas mãos e com habilidade, percebem que são capazes de muito mais, ganham poder, autoestima, enxergam novos caminhos e possibilidades.”


Publicidade