Publicidade

Estado de Minas TRENDS TALKS

Transformação digital na gestão pública? Qual o caminho?

Administração pública focada na digitalização de dados e serviços pode gerar dinamismo à economia, melhoria do ambiente de negócios e geração de emprego e renda


29/10/2021 07:42 - atualizado 29/10/2021 07:54

computador
'Numa escala de transformação digital, o estado, na média de parâmetros globais, é sempre o mais atrasado' (foto: Pixabay)


Demandas crescentes e contínuas da sociedade por maior transparência, qualidade e eficiência nos serviços públicos devem estimular gestores públicos a serem mais inovadores e digitais, o que não é tarefa simples na estrutura cultural e de governança pública.  

Canais digitais, processos otimizados e serviços on line devem também proporcionar  maior interação do estado com empresas e cidadãos , agregando mais transparência e controle social à eficiência dos serviços públicos.

E, nos dias de hoje, e de forma cada vez mais universal, acentuada e qualificada, os cidadãos passam a ter uma parte super relevante de sua vida sendo resolvida tendo como base a internet, smartphones e computadores.

Mas numa escala de transformação digital, o estado, na média de parâmetros globais, é sempre o mais atrasado. E no Brasil isso é muito mais acentuado, já que nem o básico dos serviços públicos é bem feito, com raríssimas exceções.

Os principais focos de atenção numa jornada de modernização e transformação digital do estado devem ser:

- Transparência e responsabilização;
- Participação nas gestões administrativas (consultas públicas, orçamento participativo, denúncias, etc);
- Atuação em rede e parceria entre órgãos, empresas públicas e iniciativa privada;
- Eficiência na tomada de decisões, no planejamento e execução de ações, projetos e programas com base em dados, controle de processos e uso de softwares/algoritmos;
- Tomada de  decisão sempre pautada em dados  e na centralidade do cidadão de forma real e não apenas retórica;
- Ampliação na qualidade e a eficiência dos serviços públicos, tanto em processos internos (controles de ponto, capacitações, cumprimento de prazos e frequência de reuniões, por exemplo) quanto em serviços-fim para os cidadãos (alvarás, certidões, ouvidoria, organização dos transportes, inteligência na segurança pública, limpeza e zoneamento urbano, por exemplo).
- Infraestrutura e serviços necessários para dar suporte aos programas e projetos.

E os objetivos principais seriam levar o cidadão a resolver com facilidade, de forma on line e rápida suas demandas.

Daí, a base da interação passaria a se pautar por princípios de confiança e austeridade.

Por fim, esse círculo virtuoso daria mais dinamismo à economia, por meio da melhoria do ambiente de negócios e consequente geração de emprego e renda. 

Leia mais textos do Trends Talks no  site  e no  Instagram .

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade