Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas PSICOLOGIA POSITIVA

Liberdade perdida, um grande problema do mundo pós-pandemia

Como fará para se sentir melhor, eu não sei dizer. Para alguns, andar na natureza; para outros , cozinhar; para outros, escutar uma boa música


03/10/2021 04:00 - atualizado 04/10/2021 09:38


O mundo pós-pandemia nos trouxe grandes mudanças, mas, entre elas, uma mudança difícil de aceitar e viver – a falta de liberdade.

O ser humano evoluiu solto e com a liberdade de ir e vir. De respirar, de sair, de expandir e de se agrupar. Perdemos tudo isso, num estalar de dedos e ga- nhamos uma “guerra mundial” com um inimigo invisível. Até respirar não temos liberdade. 

Me peguei na seguinte cena, saindo do consultório com a mão lambuzada de álcool para chamar o elevador, sacola mal ajeitada, correndo, pois teria um webinário logo dali a meia hora pela internet via YouTube. Não poderia me atrasar e, portanto, precisaria descer de elevador o mais rápido possível. Hora de tráfego, elevadores não podem lotar, você precisa ser educada, Sofia, entre só se tiver uma única pessoa.

OK, esperamos a vez contando os minutos para dar tempo de chegar em casa, ligar o computador, acender a melhor luz, deixar o roteiro pronto e abertos os slides, ver o que o marketing deseja que eu argumente mais, briga e disputa de valores na rede social, nas vendas on-line, meu ganha-pão e sobrevivência da família, não posso dizer não farei, cansei, que chatice esta! Vamos lá, paciência, Sofia! Eu ia me dizendo enquanto, ainda com a mão cheia de álcool, gel esperava minha vez.

Abre a porta pela terceira vez e me cabe. Neste momento, eu paro de respirar literalmente. Penso: quantos passaram por aqui agora e deixaram no ar a COVID-19?. Tento segurar a respiração e quase consigo chegar à garagem sem respirar, igual criança tentando atravessar a piscina debaixo d’água sem respirar. Meu Deus! Aonde cheguei! Entro no carro, passo álcool de novo nas mãos, retiro a máscara e respiro aliviada, ufa! Será que estou livre da COVID-19? Olha que já tomei as duas doses de uma boa vacina, dizem... pois ninguém sabe de nada.

Só isso, já me desregulou, estressou. Corro, chego em casa, pego água, abro o computador, me preparo para falar do quê? Adivinhem?
 
 
 
Num estalar de dedos, surgiu uma 'guerra mundial' com um inimigo invisível, o coronavírus
O ser humano evoluiu solto e com a liberdade de ir e vir, de respirar, sair, expandir e se agrupar. Perdemos tudo isso, num estalar de dedos e ga- nhamos uma "guerra mundial" com um inimigo invisível. Até respirar não temos liberdade.
 
 
Descanso! 

Quem sou eu para falar de descanso se por quase dois anos não tenho férias, não sei mais o que é sair na rua, nem ir ao restaurante preferido, ou qualquer um! Não respiro como desejo, não viajo para não pegar COVID e só trabalho! Trabalho preocupada se o paciente que vou atender está se cuidando, ou será mais um daqueles que diz é uma gripezinha e tudo bem, vai passar, não vou parar minha vida por isso. E tudo que faço vai embora no atender este cliente que não se cuida ou o funcionário ou colega dele que não se cuida.

São tantas variáveis que nos preocupam hoje em dia que perdemos a liberdade de apenas SER. Estar presente no momento e desfrutar. E, então, me pego descobrindo que o único lugar mesmo, em que fico bem, é no quintal da minha casa, no jardim... num espaço só meu e com ar puro. Ali respiro, rezo, medito e tenho a certeza de que estou bem. Lá encontro segurança e silêncio. Mas, na verdade, será uma prisão ou uma libertação?

Quando estamos a sós, conseguimos nos ouvir e alcançar o SER e sentir a liberdade mais profunda, mas, ao mesmo tempo, precisamos de conexão, ver rostos, sorrisos e dar abraços e aí está também a liberdade de ir e vir e de conquistar lugares.

Então, a resposta é sim e não.

A essa altura, não quero te iludir, quero apenas alertar; se cuide, descubra como você pode ter sua liberdade de volta. Será buscando um lugar seguro e silencioso como eu? Ou será se conectando com pessoas e dando boas risadas? Os dois e muito mais. E você pode e deve começar a ver que neste momento a vida está podando suas asinhas e como poderá viver bem mesmo assim. Um hobby, uma massagem, um momento de leitura, de estar consigo mesmo.

Mas, o principal, olhe para si com amor e carinho...

A maior liberdade virá de dentro de você. Como fará para se sentir melhor, eu não sei dizer. Para alguns, andar na natureza; para outros, cozinhar; para outros, escutar uma boa música; ou- tros, exercitar-se. 

Precisamos nos abastecer de dizer assim todos os dias: EU ESCOLHO O QUE DESEJO FAZER!.

Isso sim é a liberdade, pode ser que você não possa escolher nadar sem máscara, não limpar suas mãos com álcool em gel, mas pode escolher algo que possa fazer dentro das restrições e não desistir de viver o melhor que você puder. Está nas suas mãos, mesmo com COVID, viver da melhor maneira. Viva a alegria que sente, pense num futuro melhor, se cuide com carinho e verá a diferença. Faça escolhas nas poucas alternativas que ficaram e se cuide-se com seu próprio amor.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade