Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Capa da istoÉ: Justiça não vê crime onde não há... crime! Perdeu, Bolsonaro

Presidente pode, sim, com base em fatos reais e provas robustas, ter seu comportamento comparado ao nazismo, conforme afirmei aqui


24/11/2021 17:24 - atualizado 24/11/2021 17:37

Capa da revista istoÉ compara Bolsonaro ao ditador alemão Adolf Hitler. A palavra genocida forma o bigode
Capa da revista istoÉ compara Bolsonaro ao ditador alemão Adolf Hitler (foto: Reprodução)
Em mais uma edição histórica, a revista IstoÉ, da Editora Três, da qual orgulhosamente faço parte, retratou, meses atrás, Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto, como um Adolf Hitler dos trópicos, chamando-o corretamente de ‘mercador da morte’.

A publicação se baseou em fatos e provas abundantes de supostos crimes cometidos pelo amigão do Queiroz, o miliciano que entupiu a conta corrente da primeira-dama com 90 mil reais em ‘micheques’, obtidas e divulgadas pela CPI da Covid.

O devoto da cloroquina, inclusive, foi indiciado pela Comissão por nove crimes, sendo sete deles penais e dois de responsabilidade, podendo ser trancafiado por anos numa cela e, no limite de um sonho de verão, ser impedido ainda neste mandato.

NAZISMO


A revista apontou práticas semelhantes ao nazismo praticadas pelo governo Bolsonaro, com conhecimento e incentivo do presidente, como testes em humanos de drogas experimentais, e detalhou, pormenorizadamente, outras condutas homicidas do mercador da morte.

Eu mesmo, em dois artigos sobre o tema, detalhei minuciosamente diversos comportamentos nazistasfalas e atitudes - do patriarca do clã das rachadinhas e das mansões milionárias. E também afirmei que a revista não cometera crime algum, confirmado agora pela justiça.

Inclusive, fui de encontro a meia-dúzia de fanáticos bolsonaristas que, alegando a ‘condição’ de judeu - como sou - tentaram inferir à publicação a pecha de ter relativizado o nazismo e os horrores do holocausto, o que era uma mentira sem tamanho por parte dos mesmos.

DECISÃO EXEMPLAR


Em sua brilhante decisão, o juiz de Direito Frederico Botelho de Barros Viana, da 10ª Vara da Justiça Federal do Distrito Federal, determinou o trancamento de inquérito requerido pelo Ministério da Justiça para investigar suposto crime contra a honra do sociopata.

'Não se verifica a existência de qualquer indício, mínimo que seja, a justificar a existência de procedimento investigatório. A reportagem enfatiza alegações feitas pelo senador Calheiros, que compara práticas do governo atual com práticas do regime nazista alemão’.

‘A matéria não traz consigo quaisquer elementos que possam sugerir eventual necessidade e adequabilidade de aplicação penal. As informações apresentadas e suas reflexões são da garantia de liberdade de manifestação do pensamento e da liberdade de imprensa’.

TOMA, DISTRAÍDO


Por fim, o magistrado afirmou: ‘a continuidade do inquérito consiste em flagrante ilegalidade; não há justa causa mínima a fundamentar sua existência e mais se aproxima de tentativa de combate à livre manifestação do pensamento, utilizando-se do aparato repressivo estatal’.

Taqueopariu, hein! Que cacetada levaram o maníaco do tratamento precoce e o atual bibelô da Justiça. Se caneta fosse chinelo e o ‘mercador da morte’, criança malcriada (e ele é!), aí estaria uma surra homérica para marcar a passagem deste cretino pela Presidência.

Jair Bolsonaro e a malta autocrata que lhe cerca, apoiados por raças distintas de ruminantes, são useiros e vezeiros em distribuir ofensas e impropérios, os mais baixos possíveis, muitos dos quais criminosos, e quase sempre baseados em mentiras e distorções.

Porém, quando confrontados com verdades incômodas, partem para a ofensiva nazifascista de opressão institucional contra a imprensa e opositores políticos. Para a sorte da IstoÉ, do Brasil e minha própria, ‘ainda existem juízes em Berlim’. Toma, distraído!  

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade