Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

CPI da COVID: deputado Bolsonaro humilha presidente Bolsonaro

É melhor Jair preparando argumentos melhores em sua defesa, caro homicida do Alvorada, porque mentiras e desconhecimento não irão lhe socorrer


10/04/2021 07:41 - atualizado 10/04/2021 14:04

Bolsonaro deu declarações tão absurdas, desconexas e desencontradas, que a imagem de pouca inteligência que lhe é atribuída foi imediatamente elevada à burrice extrema(foto: Sérgio Lima/AFP)
Bolsonaro deu declarações tão absurdas, desconexas e desencontradas, que a imagem de pouca inteligência que lhe é atribuída foi imediatamente elevada à burrice extrema (foto: Sérgio Lima/AFP)
Ao perceber que sua trajetória golpista, negacionista, homicida e estúpida se aproxima do fim, e que este pode não ser outro senão o impeachment - e até mesmo a cadeia, no limite - o verdugo do Planalto se mostrou apavorado e completamente perdido ontem, sexta-feira (9/4), às portas do Palácio da Alvorada, pela manhã, e nas redes sociais ao longo do dia. 

Na boa, raras vezes eu vi alguém tremer tanto na base quanto o amigão do Queiroz tremeu desde que o ministro do STF, Luís Roberto Barroso, atendendo a um pedido de alguns senadores, determinou a abertura de uma CPI para que se investigue possíveis omissões do governo federal no combate à pandemia de coronavírus e suas consequências nefastas.

Perdido, sem rumo, desarticulado nas ideias e nas palavras, o que não chega a ser nenhuma novidade, o pai do senador das rachadinhas e da mansão de 6 milhões de reais simplesmente foi engolido por suas próprias burrice e trajetória política, ao partir para um ataque virulento, inédito e descontrolado contra um ministro do Supremo.

O devoto da cloroquina exigiu de Barroso medidas que são de competências exclusivas do Congresso Nacional, das assembleias legislativas estaduais e das câmaras municipais de vereadores por todo o País, além de acusar o mesmo de politicalha, demonstrando, além de nítido descontrole emocional e pavor, profunda ignorância sobre o papel das instituições.

Bolsonaro deu declarações tão absurdas, desconexas e desencontradas, que a imagem de pouca inteligência que lhe é atribuída foi imediatamente elevada à burrice extrema. Para piorar, resgatou-se uma entrevista que concedeu em 2007, onde pedia, como parlamentar, ao STF, uma decisão idêntica à tomada por Barroso nesta quinta-feira passada (08).

Nesta mesma entrevista, o maníaco do tratamento precoce questionava o governo: “por que o medo de uma CPI? Quem não deve, não teme”. À época, a oposição ao lulopetismo tentava apurar a responsabilidade da Infraero no acidente com um avião da TAM em São Paulo, e o presidente da Câmara, assim como Rodrigo Pacheco, impedia a abertura da comissão.

Dessa forma, o Bolsonaro de hoje foi confrontado com o Bolsonaro de ontem, e mais uma vez desnudado por fatos reais que insistem em desmentir suas mentiras. Acossado pela história e humilhado pela própria burrice, o marido da receptora de cheques de milicianos demonstra cabalmente toda sua incapacidade e despreparo para continuar na Presidência da República.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade