Bolsonaro e a natureza do escorpião - Ricardo Kertzman - Estado de Minas

Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas RICARDO KERTZMAN

Bolsonaro e a natureza do escorpião

Inoculando seu veneno diário em opositores e aliados, o presidente caminha firme para o isolamento


postado em 01/05/2020 06:00 / atualizado em 07/05/2020 16:37

Bolsonaro demitiu nos últimos dias dois de seus ministros mais populares(foto: Evaristo Sá/AFP)
Bolsonaro demitiu nos últimos dias dois de seus ministros mais populares (foto: Evaristo Sá/AFP)

Todos conhecem a história do sapo e do escorpião: o artrópode pede ao anfíbio que o carregue sobre as costas, para juntos atravessarem o rio. Mas, desconfiado, o cururu diz temer pela vida. Em resposta, o peçonhento lhe tranquiliza: “não seja tolo. Por que iria te picar? Morreríamos afogados”. 

Após pouco refletir, o sapo encontra razão no argumento e dá carona ao novo amigo. Contudo, no meio da travessia, sente a ferroada fatal lhe espetar o lombo. “Mas por que raios você fez isso? Agora irá morrer comigo”. Ao que respondeu o escorpião: “Não sei. É da minha natureza.”

Não se passa um dia sem que Jair Bolsonaro não invista seu ódio (pela vida) contra alguém. É impressionante, mas a fila de ex-aliados, agora transformados em inimigos mortais, começa a rivalizar com os já tradicionais: esquerdistas, petistas, comunistas, homossexuais, indígenas, quilombolas, jornalistas...

Bolsonaro alimenta-se de ódio e de conflito, e os tempera com inveja, insegurança, ciúmes e pitadas adicionais de crueldade. Suas últimas vítimas foram dois dos melhores quadros do governo: Luiz Henrique Mandetta e Sergio Moro, respectivamente ex-ministros da Saúde e da Justiça. O que fizeram para merecer a picada do escorpião? Absolutamente nada! Mas é da natureza do ex-chefe a vocação pela morte.

Até o momento, passam de cinco mil as famílias que choram seus entes pela COVID-19. E são números subdimensionados, infelizmente. A realidade é muito mais dura. Pois bem. Diante da tragédia, como reage nosso peçonhento líder? Com um cruel e infame “e daí”? Eis a natureza de Jair Bolsonaro em estado puro. Em estado bruto. 

O escorpião não conhece a vida sem o medo. Por isso, sempre ataca quem se aproxima. O presidente não conhece a vida sem o medo. Por isso...

O que Jair Bolsonaro não percebe é que, a cada vez que inocula seu veneno em alguém, diminui seu círculo íntimo e se isola. Em breve, já não contará com mais ninguém ao seu lado e, finalmente, se afogará na própria peçonha.

Ao que tudo indica, é esse seu desejo. Como o escorpião, Bolsonaro move-se pela pulsão de morte. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade