Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

As mentiras contadas por Bolsonaro e Cia

A cada dia os fatos se sobrepõem às teorias negacionistas de quem jamais teve compromisso com a verdade


postado em 24/04/2020 06:00

Presidente Jair Bolsonaro, em cerimônia no Planalto(foto: Evaristo Sá/AFP)
Presidente Jair Bolsonaro, em cerimônia no Planalto (foto: Evaristo Sá/AFP)

A memória do brasileiro - talvez de todos os terráqueos - costuma ser fraca e seletiva. Lembramos bem de gols decisivos e datas comemorativas, mas pouca importância damos aos fatos passados, atitudes tomadas e frases ditas.

O Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH), o mais respeitado órgão de estudos sobre saúde daquele país, em documento assinado por cinquenta pesquisadores, concluiu que a combinação de hidroxicloroquina e azitromicina (defendida com ardor pelo presidente Bolsonaro e seus fanáticos seguidores) traz sérios riscos colaterais, e que os estudos se mostraram insuficientes para constatar a eficácia no tratamento da COVID-19.

Dias atrás, o deputado federal Osmar Terra, recentemente cotado para assumir a pasta da saúde após a demissão do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, afirmou que o novo coronavírus faria menos mortes que a gripe H1N1. Também foi taxativo ao afirmar que “podemos comemorar, pois atingimos o pico da doença em São Paulo”. De lá para cá as mortes não cessaram, e a doença já matou mais gente que a H1N1, dengue e sarampo somados em todo o ano de 2019.

Uma a uma as apostas desastradas de muita gente vêm caindo por terra, infelizmente. O próprio presidente da República cansou de dizer que “não é pra isso tudo; é só uma gripezinha, um resfriadinho”. E também cravou, em 13 de abril: “parece que está indo embora essa questão do vírus”.

Donald Trump, presidente norte-americano, um dos principais negacionistas desta crise toda, teve de recuar nas palavras e talvez nos pensamentos. Como ele, Boris Johnson, primeiro-ministro inglês (que contraiu a doença e precisou ser hospitalizado) e Shinzó Abe, seu colega do Japão, que relutou ao máximo adotar medidas restritivas no país. Todos vêm colhendo más notícias que antes eram tratadas com extremo desdém.

Não se trata de agora proclamar “eu te disse” ou “assuma que errou” para tantos, mas é hora, sim, de expor a verdade como contraprova às falácias ditas, por ignorância ou má-fé, por essa gente toda. Não como uma guerrinha pessoal, em que o importante é vencer a treta, mas como forma de aviso: “não acreditem em tudo o que eles dizem”. 

Aliás, se querem mesmo saber, acreditem muito pouco no que eles dizem. É um sábio conselho para o difícil futuro que nos aguarda.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade