Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Bolsonaro e seus militantes cada vez mais insuportáveis

O bolsonarismo é uma espécie de vírus tão contagiosa quanto o novo coronavírus


postado em 10/04/2020 06:00

(foto: Wikimedia Commons)
(foto: Wikimedia Commons)

É impressionante, mas Jair Bolsonaro e seus fanáticos seguidores não poupam nada nem ninguém que lhes atravessem o caminho. Até uma medicação, sinônimo de alguma esperança na cura da COVID-19, tornou-se uma guerra santa para essa gente tresloucada.

Não há um só médico no Brasil que tenha sido contrário ao uso controlado e hospitalar do medicamento Hidroxicloroquina. Nenhum! O que a maioria alerta, entretanto, é que o uso seja restrito a casos mais graves e que, sobretudo, não há qualquer comprovação científica - e fática! - da eficácia da droga na luta contra o vírus. Ainda assim, todos são unânimes em reconhecer que “vale a tentativa”.

Mas o que faz Bolsonaro e sua horda de milicianos digitais? Tocam o terror nas redes. Investem ferozmente contra ninguém, mas contra todos. Sim. Transformam em inimigos quem ouse pedir cautela. Ou transformam um profissional do quilate de Davi Uip em inimigo da nação. Qual nação? A deles, claro. A Bolsolândia, país imaginário sempre em guerra e em modo desunião.

Nesta quarta-feira, o presidente foi à TV outra vez, em cadeia nacional, para não dizer nada. Ao menos, finalmente, lembrou-se de prestar solidariedade às famílias que perderam entes queridos por conta da gripezinha, do resfriadinho. Mas não perdeu a oportunidade de falar da… cloroquina! Aliás, podemos dizer que essa é a nova tara psíquica deste senhor. Antes era o nióbio.

O corrupto e lavador de dinheiro Lula da Silva tampouco foi um líder agregador. Ao contrário. Desde sempre investiu na cisão social, na luta de classes, no odiento “nós x eles”, mas reconheçamos: quando a porca torceu o rabo (em 2008 e 2009), o líder da quadrilha do Petrolão uniu o País em torno de uma agenda positiva para não morrermos afogados pela “marolinha”. E sua seita de fanáticos não passava os dias criando brigas de rua (naquela época, as redes sociais não eram tão abrangentes como hoje em dia).

Tem gente que diz que o lulopetismo e o bolsonarismo são cepas trocadas do mesmo vírus do populismo, autoritarismo e discórdia. Não sei. Estou começando a achar que os trogloditas atuais são uma mutação piorada da peste anterior.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade