Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Coronavírus: Jair Bolsonaro recua, mas agora pode ser tarde demais

Presidente baixou o tom beligerante e negacionista em seu último pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV


postado em 03/04/2020 06:00

(foto: ISAC NOBREGA / BRAZILIAN PRESIDENCY / AFP)
(foto: ISAC NOBREGA / BRAZILIAN PRESIDENCY / AFP)

Bolsonaro está como biruta de aeroporto em meio a uma tempestade tropical. Ora ataca, ora defende. Xinga e chora (dizem). Um dia vai à TV e ridiculariza a pandemia que ultrapassou a marca de um milhão de contaminados em todo o mundo, com mais de 50 mil mortes (oficiais), e no outro dia diz que precisamos salvar vidas.

 

Encastelado no seu diminuto mundo cognitivo-intelectual e cercado por figuras nem um pouco maiores ou mais capazes, o presidente atua como incendiário em meio a barris de pólvora. Não aglutina, não converge, não comanda e desautoriza seus próprios ministros com gestos irresponsáveis e populistas.

 

Diante de um isolamento sem precedentes recentes - nem Dilma Rousseff conseguiu a proeza de desagradar a tantos - e pressionado pela ala militar que o cerca, Bolsonaro ensaiou um pequeno recuo em seu último pronunciamento à nação, ainda que no dia seguinte tenha divulgado um vídeo falso para ‘cutucar’ prefeitos e governadores.

 

Diante de tudo o que já conhecemos deste senhor, acreditar na sinceridade do seu recuo é como acreditar na inocência de Lula. Bolsonaro não só é emocionalmente desequilibrado o bastante para mudar de ideia em segundos, como sua índole não é (nem nunca foi) a da união. Resta, pois, apostar exclusivamente numa estratégia político-eleitoral.

 

Acuado também por panelaços imensos e perda de apoio nas redes sociais, o presidente tenta estancar o derretimento da sua imagem e popularidade. Particularmente, não creio que consiga e considero que seja tarde demais. Paciência tem limite. E paciência, em tempos como estes, mais ainda. Bolsonaro poderia ter saído maior, mas preferiu apostar contra tudo e todos. Acho que quebrou a cara. 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade