Publicidade

Estado de Minas PAGO QUANDO PUDER

Dá pra mudar a dívida para outro banco? Entenda a portabilidade de crédito

Essa alternativa não só existe, como pode ser uma ótima oportunidade para você trocar sua dívida por um crédito mais barato


17/11/2021 06:00 - atualizado 16/11/2021 19:39

Ilustração mostra homem cortando corrente que om prende a uma bola de chumbo cheia de dívidas
(foto: Reprodução/Internet)
O que você faz quando está insatisfeito com a sua operadora de celular, seja pela qualidade do serviço prestado, seja pelo preço cobrado? No geral, a gente tem dois caminhos nessa situação: ou a gente faz contato com a prestadora de serviço buscando obter alguma melhoria, ou a gente troca de operadora. Qual deles você costuma preferir?

Quando a gente fala de uma situação de endividamento, esses caminhos também existem e o que eu quero hoje é, exatamente, te ajudar a entender de que forma eles funcionam e qual o melhor a seguir na sua situação.

O que é portabilidade de crédito?


Eu sou do time que gosta de dar o nome certo para as coisas e entender o que quer dizer cada conceito. Então, antes de mais nada, quero te dizer que essa história de mudar a dívida de um banco para outro tem um nome: portabilidade de crédito.

Essa foi uma alternativa criada pelo Banco Central em 2013, com o objetivo de aumentar a concorrência entre as instituições financeiras e, consequentemente, elevar a qualidade do serviço prestado. Afinal, se você tem a liberdade de transferir a sua dívida para outra instituição a qualquer momento, é interesse do seu banco atual fazer o que pode para te manter por lá, concorda?

E uma informação que dei no parágrafo aí de cima é bem importante. A portabilidade de crédito pode ser solicitada a qualquer momento! A dívida é sua (e não do banco) e é você que decide qual o melhor caminho pra ela.

Em termos práticos, a portabilidade de crédito funciona assim: você fez um empréstimo pessoal com o Banco A e, depois de alguns meses, passou a enfrentar dificuldade para manter os pagamentos em dia, porque as taxas de juros são altas demais. Você pesquisa no mercado e descobre que, se transferir sua dívida para outro banco, você vai conseguir amenizar as taxas de juros e, portanto, pagar menos pelo seu empréstimo. Então, você pode solicitar a portabilidade de crédito e, se o novo banco aceitar sua proposta, ele quita a sua dívida com a instituição anterior e firma um novo contrato de empréstimo com você.

Ou seja, a portabilidade de crédito não existe apenas para te dar a liberdade de mudar sua dívida de banco, mas principalmente para te oferecer a possibilidade de trocar sua dívida por uma mais barata. Inclusive, é importante você saber que a portabilidade não está disponível apenas para empréstimos pessoais, e também é uma alternativa para dívidas relacionadas a cheque especial, financiamento imobiliário, empréstimo consignado e cartão de crédito. 

É válido ressaltar, ainda, que alguns critérios do antigo contrato de empréstimo não podem ser alterados, como o valor total do crédito e o prazo para pagamento do saldo devedor. De toda forma, com taxas de juros mais baixas, você conseguirá parcelas menores, o que pode te ajudar a manter o pagamento em dia.

Ah, e uma coisa bem importante: portabilidade de crédito não significa fazer um empréstimo para quitar dívidas, ou seja, trocar uma dívida por outra. Trata-se, realmente, de transferir uma dívida que já existe para outra instituição, reduzindo o custo total desse crédito. Ou seja, estamos falando da mesma dívida! Fazer um empréstimo para pagar outras dívidas, centralizando a sua pendência com uma única instituição, também é uma alternativa válida, mas isso é assunto para outro artigo.

Como trocar a dívida para outro banco?


Agora que você já entendeu o que é a portabilidade de crédito, pode estar se perguntando o que você precisa fazer para efetivamente trocar a sua dívida para outro banco.

O primeiro passo é entrar em contato com a instituição com a qual você tem dívida atualmente e solicitar um extrato atualizado do crédito, que contenha as seguintes informações:

  • - número do contrato;
  • - saldo devedor atualizado;
  • - modalidade de crédito;
  • - taxa de juros mensal e anual;
  • - valor de cada parcela;
  • - Custo Efetivo Total (CET);
  • - prazo total e restante para pagamento da dívida.

Com esses dados em mãos, você entra em contato com outros bancos e pesquisa se algum deles oferece condições melhores do que as que você tem atualmente para quitação da dívida. Se achar uma boa alternativa, basta solicitar a portabilidade e acompanhar a aprovação pela nova instituição. Se a medida for aprovada, o banco vai se encarregar de fechar um novo contrato de crédito com você e quitar o saldo restante com a antiga instituição.

Atenção: as instituições para as quais você deseja transferir sua dívida não são obrigadas a aceitar sua pendência e podem se recusar a fazer a portabilidade — informando, por escrito, o motivo da recusa. No entanto, o banco com o qual você tem dívida atualmente não tem direito a recusar a portabilidade e precisa fornecer as informações necessárias caso você queira adotar a medida.

E tem mais: a portabilidade de crédito não tem custo! Nenhuma instituição pode te cobrar taxas pelo serviço de portabilidade de crédito, combinado?

Quais bancos fazem portabilidade de crédito?


Essa é uma dúvida bastante comum quando falamos em transferir a dívida de banco. De forma geral, todos os bancos oferecem essa possibilidade e, para saber qual deles vai ser a melhor opção para você, será necessário simular a portabilidade com algumas instituições.

Vale lembrar que outras instituições, além dos bancos, também oferecem a portabilidade de crédito, como é o caso das fintechs de empréstimo. Vale a pena expandir o seu olhar para essas empresas, porque é possível que elas ofereçam taxas de juros mais vantajosas do que os bancos.

Quando solicitar a portabilidade de crédito?


Como eu expliquei antes, o principal fator que faz a portabilidade de crédito ser uma boa opção é a possibilidade de reduzir a taxa de juros e, logo, diminuir o valor total do seu crédito, te dando mais condições de manter o pagamento em dia. Além disso, outras questões podem ser consideradas nesse cenário, como o atendimento, por exemplo.

Principalmente em contratos de longo prazo, como costuma ser o caso de empréstimos ou financiamentos de valores mais elevados, manter um bom relacionamento com a instituição credora é fundamental para nossa saúde financeira. É preciso que o banco consiga esclarecer suas dúvidas, fornecer orientações relevantes em relação à sua dívida e estar disponível pra você quando for necessário.

Se isso não estiver acontecendo, também pode ser válido estudar a possibilidade de transferir a sua dívida para outra instituição, que tenha mais disponibilidade para te auxiliar nesse momento e ofereça um serviço de mais qualidade.

A mesma lógica funciona em relação à facilidade de manter o relacionamento com a instituição credora. Se o banco não tem uma agência perto da sua casa ou trabalho e não oferece um atendimento digital, por exemplo, a portabilidade de crédito pode ser útil para facilitar sua rotina, a partir da transferência da dívida para uma instituição cujo relacionamento seja feito em um formato mais prático para você.

O que fazer antes de trocar a dívida para outro banco?


Se depois de toda essa explicação, você entendeu que a portabilidade de crédito é realmente um bom caminho pra você, confira abaixo minhas últimas dicas pra te ajudar nesse processo antes de você tomar essa importante decisão.

Saiba o valor total das suas dívidas


Quando solicitar o documento com as informações sobre a sua dívida para o banco, analise muito bem as informações dele. Se você não tem clareza de todas as condições do seu contrato de crédito, corre o risco de cair em pegadinhas na portabilidade de crédito. Quer ver um exemplo? As instituições não podem cobrar nenhuma taxa pelo serviço, mas podem solicitar que você abra uma conta ou faça qualquer outro processo que gere tarifas. Se você não tiver clareza da sua situação atual, pode acabar assumindo custos maiores do que os que você já tem.

Pesquise e compare as opções disponíveis


Não é recomendado que você assine um novo contrato de crédito com a primeira instituição que vier à sua mente. As taxas praticadas são muito diferentes de um banco para o outro, e vale realmente a pena você simular a portabilidade com várias instituições para pesquisar as condições oferecidas por cada um deles.

Organize seu orçamento


A portabilidade de crédito só vai valer realmente a pena se ela te ajudar a manter o pagamento em dia. Acredite: transferir sua dívida para outro banco e não conseguir cumprir com o compromisso assumido só vai deixar sua situação financeira ainda mais delicada. Portanto, antes de fazer a portabilidade, organize seu orçamento, faça um planejamento financeiro adequado à sua realidade e garanta que você não vai assumir um compromisso maior do que o seu bolso.


Avalie a possibilidade de negociar com a instituição credora


Por fim, quero tocar em um ponto que vem antes da portabilidade de crédito e que pode ser uma alternativa muito válida para reduzir o valor da sua dívida. Há sempre a opção de tentar negociar o seu débito com a instituição credora e isso deve ser feito antes de você decidir pela portabilidade. Pode ser que, nessa negociação, você consiga condições bastante atrativas, conquistando algum desconto no valor total ou reduzindo o valor da parcela, por exemplo. Nos casos em que o pagamento está atrasado, é válido buscar empresas que oferecem a opção de negociar dívidas online, porque elas costumam oferecer condições vantajosas que podem fazer da renegociação uma possibilidade melhor do que a portabilidade de crédito.



*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade