Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas MINA$ EM FOCO

Apoiar a Argentina é ajudar a nós mesmos, aos mineiros e brasileiros

Os técnicos de comércio exterior que nos salvem, pois têm essa noção, diferentemente de Bolsonaro 2019


postado em 01/11/2019 06:00 / atualizado em 01/11/2019 10:53


Se o governo de Jair Bolsonaro mantiver a indisposição já criada contra o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández. Minas tem mais a perder com isso do que o Brasil(foto: ALEJANDRO PAGNI/AFP 18/8/19)
Se o governo de Jair Bolsonaro mantiver a indisposição já criada contra o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández. Minas tem mais a perder com isso do que o Brasil (foto: ALEJANDRO PAGNI/AFP 18/8/19)
Não será a primeira vez que o discurso e a crise puramente política vão afetar a economia, se o governo de Jair Bolsonaro mantiver a indisposição já criada contra o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández.

Minas tem mais a perder com isso do que o Brasil. As exportações mineiras ao país vizinho já caíram 40,9% de janeiro a setembro frente ao mesmo período do ano passado, tendo alcançado US$ 689,6 milhões. Em termos de participação no total das vendas externas do estado, representaram modesta fatia de 3,72%.

Mais do que o Brasil, Minas precisa, sim, da recuperação da Argentina e de sua capacidade como mercado relevante e tradicional parceiro que foi no passado de mineiros e brasileiros. Os técnicos de comércio exterior que nos salvem, pois têm essa noção, diferentemente de Bolsonaro. A pauta de exportações mineiras é concentrada em excesso nos produtos agrícolas e minerais, em especial minério de ferro, café cru em grão, soja e ferroligas, quarteto responsável por quase 60% de tudo o que Minas exporta.

Sozinha, a China adquire 30,3% dos embarques do estado, mas não é a locomotiva asiática que compra os manufaturados, produtos acabados com os melhores preços individuais, por tonelada que o estado recebe. De janeiro a setembro, os chineses bancaram US$ 5,6 bilhões, aumento de 8,3% ante 2018, do bolo de US$ 18,551 bilhões das exportações totais do estado. Ainda assim, os produtos feitos em Minas que são vendidos em países como a Argentina têm o valor da produção acabada.

É o caso dos motores para automóveis e suas partes e também de automóveis de passageiros, dois exemplos da valorização das exportações que o estado e o país deveriam buscar. No entanto, eles participam com menos de 1%, cada segmento, das vendas externas de Minas. A receita das exportações de motores de automóveis e partes somou US$ 169,07 milhões nos primeiros nove meses deste ano, caindo 9,1% na comparação com janeiro a setembro de 2018.

O comércio de automóveis e suas partes de Minas no exterior foi de us$ 149,72 milhões, retração de 50,7%. Isso explica porque é tão importante incrementar as compras argentinas e contribuir para o país se reerguer. “Ajudar a Argentina significa que estamos ajudando a nós mesmos”, afirma José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).

As vendas do Brasil à Argentina no ano passado caíram 39%. A base desse comércio são os manufaturados como carros, representando 10 vezes mais valor do que as compras da China, em grande parte de itens básicos, a exemplo do minério de ferro extraído em Minas Gerais.

Pela primeira vez em 16 anos, Augusto de Castro projeta déficit na balança de comércio do Brasil com a Argentina em 2019, de US$ 700 milhões. Para o ano que vem, espera novo rombo de US$ 103 milhões. A diferença entre as estimativas não está apenas na cifra. Com a perspectiva de crescimento da economia brasileira em 2020 ao redor de 2%, tende a aumentar a via da importação e é aí que o país poderá contribuir com o vizinho do Mercosul, passo para incrementar a via de mão dupla entre as duas nações.

“A Argentina já tem problemas suficientes e não é preciso que a gente arranje mais dificuldades para o país”, afirma Castro, diante de afirmações do presidente Jair Bolsonaro após a eleição de Fernández em primeiro turno, como a de que a Argentina “escolheu mal”. Também não vale a pena para nenhum dos lados correr o risco de que respingos da briga política cheguem ao acordo do Mercosul com a União Europeia.

O Brasil vai perder se não houver a continuidade das negociações, tendo em vista que o conflito comercial entre os Estados Unidos e a China resultaria na necessidade de os chineses buscarem outros mercados para seus produtos, incluindo a Europa. “Se não tivermos nenhuma garantia com a União Europeia vamos perder exportações para a China”, enfatiza Castro. O acordo com a UE gravita mais no campo político atualmente, mas será mais importante do ponto de vista econômico em três a quatro anos.



TIO SAM
8,75%
Foi quanto os Estados Unidos compraram do 
total das exportações de Minas Gerais de janeiro 
a setembro, parcela de US$ 1,62 bilhão

Na rota do Brics
O Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) promove na próxima quinta-feira o Pre Summit BRICS: A Inovação e Sustentabilidade como Aliança para o Desenvolvimento, evento preparatório da 11ª Cúpula dos BRICS – grupo de emergentes formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul –, que está marcada nos dias 13 e 14, em Brasília. Participam do encontro em Belo Horizonte líderes de organizações privadas, de agências de desenvolvimento e gestores públicos brasileiros e estrangeiros.

Investimentos
O presidente do BDMG, Sergio Gusmão, diz que a reunião preparatória da cúpula dos BRICS servirá também como oportunidade para atração de investimentos para Minas. Confirmaram presença o vice-presidente do Banco Asiático de Desenvolvimento em Infraestrutura (AIIB) Joaquim von Amsberg; o diretor da Huawei do Brasil, Carlos Lauria; o CEO da Hindalco (grupo indiano Aditya Birla), Vishal Singh; e o ex-embaixador do Brasil em Washington, Rubens Barbosa. 


Publicidade