Publicidade

Estado de Minas JUVENTUDE REVERSA

Junho Violeta: mês para conscientizar sobre a violência contra o idoso

A violência contra a pessoa idosa pode assumir várias formas e ocorrer em diferentes situações. Sua denúncia, como cidadão, pode salvar vidas!


16/06/2022 08:03

Mulher idosa tampa o rosto com as mãos
(foto: Pixabay)


Junho Violeta é o mês destinado a conscientização sobre a violência contra os idosos. Um mês para refletirmos sobre esse fenômeno social desumano e indigno. O dia 15 dia junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra essa parcela da população. Esta data foi declarada em 2006 pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa. O principal objetivo do dia é criar uma consciência mundial, social e política, da existência da violência contra a pessoa idosa.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo menos 15,7% da população idosa está passando por algum tipo de violência. Isso quer dizer que um em cada seis pessoas com 60 anos ou mais sofre violência em todo mundo. 

A violência contra a pessoa idosa pode assumir tanto a forma física quanto patrimonial, psíquica, restritiva de liberdade, financeira entre outras. No Brasil, com quase um quinto da população brasileira composta por pessoas com 60 anos ou mais, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foram registradas mais de 200 denúncias de violações de direitos por dia, apenas no primeiro semestre de 2021, de acordo com o relatório da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos. Os números de denúncias são expressivos: 20.973 denúncias para homens e 53.785 para mulheres, quase o dobro.

A violência contra a pessoa idosa normalmente é cometida por familiar ou cuidador próximo. O balanço divulgado pelo Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos revela que em 2018, 52,9% dos casos de violações contra pessoas idosas foram cometidos pelos filhos, seguidos pelos netos (com 7,8%). A casa da vítima é o local com maior evidência de violação. Pode ocorrer a violência psicológica corriqueira,  como o abandono, xingamentos e humilhações, que leva os idosos à tristeza, à depressão e outros distúrbios nervosos. O crime do abuso econômico está muito presente. Parentes próximos se apropriam dos recursos e bens por meios de intimidação ou mesmo sem consentimento. 

Fique atento ao sinal da palma da mão aberta, com o polegar ao meio, que se fecha em sequência para representar “violência doméstica e “preciso de ajuda”. Em novembro do ano passado, uma adolescente de 16 anos da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, foi resgatada de um sequestro, após fazer isto. Desde então, nos semáforos vermelhos de trânsito das cidades, presto atenção aos possíveis sinais em carros que estão transportando algum idoso. 

Os canais para informações e denúncias de violência contra o idoso são diversos. Podem ser feitos de forma anônima pelo Disque 100 (Disque Direitos Humanos), cujo o atendimento está disponível 24 horas por dia, inclusive aos fins de semana.

Também há o aplicativo Proteja Brasil. Pelo Whatsapp, pode-se enviar mensagem para o (61) 99656-5008. Há, ainda, o canal da Polícia Civil e o 190 da Polícia Militar do seu estado. Sua denúncia pode salvar vidas!

É dever de cada um de nós, cidadãos, contribuir no combate â Violência à Pessoa Idosa e não a aceitar como normal. Não se esqueça, eles somos nós amanhã!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade