Publicidade

Estado de Minas JUVENTUDE REVERSA

O que são wearables e por que você também vai querer usar um em breve

A polêmica dos wearables é relacionada a confidenciabilidade da coleta dos dados, pois nem sempre está claro quais informações e como estão sendo coletadas


19/05/2022 06:00 - atualizado 18/05/2022 22:41

Mulher mexe no seu smartwatch
'Os wearables funcionam como extensão de nosso corpo, diferentemente do que ocorre com os smartphones. São equipados com sensores que registram o que comemos, vemos e sentimos' (foto: Rawpixel/Reprodução)
Você já ouviu falar em tecnologia wearable? É uma palavra em inglês que significa algo como “dispositivos de tecnologia para vestir”. São roupas, calçados e acessórios inteligentes que agregam tecnologia de ponta e praticidade. Estes acessórios, sejam, por exemplo, na forma de relógios, pulseiras ou óculos são carregados por sensores que se conectam a outros aparelhos ou à internet. 

A tecnologia wearable é uma nova etapa na evolução da indústria dos dispositivos móveis. Os wearables funcionam como extensão de nosso corpo, diferentemente do que ocorre com os smartphones. São equipados com sensores que registram o que comemos, vemos e sentimos. Conseguem captar as sensações de bem-estar ou de estresse. Monitoram os nossos batimentos cardíacos e ritmos respiratórios, e facilitam a comunicação com o ambiente onde estamos inseridos. 

São muito usados por atletas para monitorar a saúde e medir o desempenho durante os treinos físicos. Geralmente são usadas as pulseiras digitais (smartbands) e também os relógios inteligentes (smartwatches).

A utilidade dos wearables para os cuidados com a saúde é inegável. Os diagnósticos estão cada vez mais precisos e permitem que os usuários tenham conhecimento do problema com antecedência. Já se encontram em desenvolvimento dispositivos voltados para detectar diversos tipos de câncer, para prever o risco de diabetes e de doenças do coração, mesmo antes de o usuário se submeter a exames médicos. 

Minha prima Valéria está com um aparelho que cabe em seu bolso, cuja principal utilidade é medir batimentos cardíacos em tempo real, enquanto um software analisa o eletrocardiograma feito na hora. Muito útil, considerando o histórico de sedentarismo e de tabagismo da minha prima. 

Ela também tem uma “meia inteligente”que possui um sensor de oximetria de pulso, para medir os sinais vitais – níveis de oxigênio no sangue, frequência cardíaca e temperatura corporal. Não se tratam de acessórios essenciais, ela reconhece, mas acabaram por gerar nela força de vontade para cuidar  da  própria saúde.

Outra utilidade dos waearables para a vida cotidiana é facilitar a comunicação. O Google está trabalhando numa tecnologia que permite quebrar as barreiras linguísticas. No dia 11 de maio, o Google revelou ao mundo novos óculos que traduzem conversas em tempo real. Os óculos, chamado de “legendas para o mundo”, permitem traduções para conversas envolvendo inglês, mandarim, espanhol e linguagem de sinais americana (veja vídeo abaixo).



Um passo importante para a segurança nas estradas são os brincos para vibrar e avisar aos motoristas que seus dados biométricos indicam que eles vão cair no sono em breve e que precisam fazer um intervalo.

As aplicações wearables não se limitam apenas ao consumidor final e estão cada vez mais usadas no âmbito da produção industrial. Como as instalações das empresas estão cada vez mais digitalizadas, começam a surgir capacetes, coletes, botas e luvas com sensores que dão instruções personalizadas a cada profissional, permitindo um aumento da produtividade e da eficiência.

A grande polêmica dos wearables é relacionada à confidenciabilidade da coleta dos dados, pois nem sempre está claro quais informações estão sendo coletadas e nem como. Por isso a importância da Lei Geral de Proteção de Dados- LGPD, que permite ao cidadão brasileiro exigir das empresas públicas e privadas, quais dados foram coletados, como estão armazenados e para quais finalidades são usados. Portanto, mantenha atenção quanto aos termos de uso e privacidade dos aplicativos dos wearables e busque entender como a coleta de dados deles funcionam.



*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade