Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Galo perde de virada para o Bahia e cai para terceiro

Para complicar, Guga, aquele que eu acho péssimo, recuou errado, Gilberto ganhou, deixou Igor Rabelo no chão e tocou para o gol vazio, mesmo com Everson voltando


19/10/2020 22:17

Atlético abriu o placar em Salvador, mas levou virada do Bahia(foto: Felipe Oliveira/Bahia EC)
Atlético abriu o placar em Salvador, mas levou virada do Bahia (foto: Felipe Oliveira/Bahia EC)

O Galo começou como um rolo compressor, com um primeiro tempo espetacular. Fez 1 a 0 no Bahia, mas poderia ter feito quatro. No segundo tempo, caiu de produção, a condição física ficou comprometida e sofreu três gols, um deles com um erro crasso do péssimo Guga.

Alguém tem que explicar a queda física do Atlético, pois quem joga apenas uma competição não pode cair desse jeito.

Com as voltas de Junior Alonso, Alan Franco e Savarino, o Galo voltou ao seu velho futebol, de marcação por pressão, de sufocar o adversário, de atacar, atacar e atacar.

Por isso mesmo, era jogo de um time só. De um lado um técnico que gosta do gol, Sampaoli. Do outro, um que só sabe jogar retrancado, Mano Menezes.

O Galo tentava pela direita, com a velocidade de Savarino. Pela esquerda, com Keno. Percebendo que o dono da casa não tomava iniciativa, Réver e Alonso se mandaram. E foi com Réver que o Galo iniciou a jogada do gol. Ele viu Savarino livre na área e tocou para ele. O atacante finalizou, mas prensado com a zaga. Foi escanteio e na cobrança, a bola sobrou para Réver, que fez o pivô e tocou para Savarino chutar forte e fazer Galo 1 a 0.

Era até pouco pelo que o Atlético estava jogando. O Bahia não passava do meio-campo, não dava nenhum trabalho a Everson. Era um massacre atleticano.

O Galo era dono do seu território e do próprio Bahia, tomando conta do meio-campo para a frente. O time da Boa Terra chegou uma única vez, em chute de Elias que foi parar longe. A diferença do time mineiro para o baiano é abissal.

Keno fez boa jogada, pela esquerda, driblou o zagueiro e foi tocado. Na minha visão, pênalti, sem dúvida. Daronco não quis marcar, nem consultar o VAR. Assumiu a responsabilidade e errou. O 1 a 0 no primeiro tempo foi muito pouco.

Esse negócio de posse de bola é uma babaquice! Já vi vários times terem 70% da posse de bola e saírem derrotados. Futebol é bola na rede, não é matemática, ciência exata.

Outra bobagem é esses comentaristas dizerem: “Baixou as linhas, subiu as linhas”. Mudou a nomenclatura, mais nada. Tem gente que acha que engana falando isso. Fazer o quê? Tem bobo para tudo!

No segundo tempo, em dois minutos, Douglas fez duas defesas em chutes de Keno e Franco. Keno estava impossível. Chutava de onde dava. Pelo menos o Bahia conseguiu se fechar melhor e marcar mais.

O Galo não tinha a mesma intensidade do primeiro tempo. E olha que não pode reclamar de desgaste, pois dos candidatos ao título é o único que só disputa uma competição. Tem a prerrogativa de descansar, muitas das vezes, a semana toda, para jogar no domingo.

Nathan, sumido no jogo, lançou Savarino, que entrou livre e, diante de Douglas, chutou torto, para fora. Em seguida, Keno saiu driblando e chutou para fora.

O Bahia adiantou seu time e se arriscou mais. Um chute da entrada da área e a bola foi para fora. Uma falta de Junior Alonso em Elias originou a cobrança forte de Gilberto. No rebote de Everson, Daniel recebeu em condições em empatou: 1 a 1.

Resultado injusto pelo que o Galo apresentou durante o jogo.

Contra-ataque do Bahia, Gilberto tocou para Marco Antônio, mas Everson fez defesa gigante. O Galo caiu de produção. Somente aos 30min do segundo tempo Marrony entrou na vaga de Sasha. Por que Sampaoli não o aproveita melhor, será que ele é tão ruim nos treinos?

E para complicar, Guga, aquele que eu acho péssimo, recuou errado, Gilberto ganhou, deixou Igor Rabelo no chão e tocou para o gol vazio, mesmo com Everson voltando. Bahia 2 a 1. Nathan saiu para a entrada de Sávio.

Sampaoli tentava tudo. Savarino bateu falta e Alonso perdeu o gol. E o Bahia matou o jogo com Gilberto, que recebeu e tocou na saída de Everson. 3 a1.

O Bahia sobe várias posições e o Galo ficou em terceiro lugar com 31 pontos, mas ainda tem um jogo a menos que Inter, líder, e Flamengo, vice-líder com 34 pontos e 10 vitórias. Se o Galo vencer o Sport, sábado, volta à liderança pelo número de vitórias. Chegará a 11.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade