Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas TURISMO E NEGÓCIOS

A tecnologia e o futuro do turismo

Entenda porque os investimentos em tecnologia tornam destinos e empreendimentos turísticos mais competitivos e melhoram a experiência do viajante


06/04/2021 06:00 - atualizado 06/04/2021 06:53

As novas tecnologias não irão substituir as viagens(foto: Pixabay)
As novas tecnologias não irão substituir as viagens (foto: Pixabay)
O avanço da tecnologia já estava presente nas nossas vidas bem antes da pandemia. A cada viagem é possível perceber como a tecnologia vem tomando conta da jornada turística. Com a pandemia do covid 19 esta movimentação foi acelerada, e antes mesmo do final do nosso confinamento, já é possível vermos novidades tecnológicas a cada dia. Se há pouco tempo atrás as OTA’s (On line Travel Agencies/ Agências de Viagem On Line) eram a grande novidade, hoje em dia elas já fazem parte da nossa rotina. 

Obviamente, como já falei aqui na coluna, as novas tecnologias não irão substituir as viagens, mas certamente melhoram as experiências nos destinos e o planejamento das viagens. Afinal de contas, com um smartphone na mão é possível reduzir os custos da viagem, melhorar a pesquisa por atrativos e até mesmo se deslocar com mais eficiência. Isso sem falar na variedade de programas de milhagem por exemplo, que podem facilitar em muito a viagem dos mais engajados nas tecnologias disponíveis. Com a pandemia, e o início da reabertura de alguns destinos foi possível perceber o boom do autosserviço.
 
Onde antes era essencial a presença humana, hoje, em muitos casos, ela pode ser substituída por robôs. É o caso dos check-ins e outros serviços em aeroportos e hotéis, que já possuem robôs capazes de fazer o serviço operacional. Já o humano, continua com o que somente nós podemos fazer – pelo menos por enquanto. Um bom “dedo de prosa” para contar o que se tem para fazer em determinada cidade, um sorriso de boas vindas e claro, toda a parte administrativa e de resolução de imprevistos.

A internet das coisas também veio para ficar. Entrar num quarto de hotel e resolver tudo clicando no controle remoto não é nada mal, concorda?! Sem levantar da cama, é possível controlar as cortinas, as luzes e até pedir a comida.
 
Em alguns hotéis, e até mesmo em algumas casas aqui no Brasil, já é possível conhecer a Alexa. Ela é uma assistente conversacional da Amazon, capaz de entender o contexto até certo ponto e executar tarefas simples, como configurar alarmes, informar a situação do trânsito ou a previsão do tempo, executar uma lista de músicas ou reproduzir podcasts. Ela já está disponível em alguns hotéis do grupo Marriott. 

Aplicativos que facilitam a vida do viajante também são sempre bem-vindos, principalmente se eles oferecem interatividade, descontos, pesquisa de preços e não precisarem de muitos dados dos celulares. Criar um aplicativo que apenas coloque o que estaria num guia físico disponível na tela do celular não configura criatividade, nem interação. É preciso bem mais que isso. Os viajantes, cada vez mais informados e conectados, buscam tecnologias que facilitem sua jornada.
 
Um exemplo, é o caso da empresa Voll.Disponível apenas para o público corporativo, a ferramenta permite que as companhias clientes gerenciem em um sólugar tudo que envolve uma viagem de trabalho. Fora os deslocamentos internos na cidade, é possível cotar passagens aéreas, reservar hotéis e pedir refeições dentro do app da Voll. Para isso, a startup tem parceria com os principais aplicativos do mercado, como Uber, Cabify, iFood, companhias aéreas e hotéis. 

Aplicativos de realidade aumentada, que integram elementos ou informações virtuais com o mundo real, também são uma boa aposta para o desenvolvimento do turismo, pois enriquecem muito a experiência turística. Na companhia aérea LATAM, através da realidade aumentada é possível saber antecipadamente se a mala está dentro do limite de tamanho permitido. Já a startup Kabaq oferece uma solução para transformar os cardápios dos restaurantes. Antes de fazer o pedido, os clientes podem apontar o smartphone para a mesa e ver imagens tridimensionais em tamanho real dos itens do menu. Infelizmente esta experiência ainda não temos no Brasil, mas é possível vivenciá-la se você for a Nova York na rede Bareburger e na Magnolia Bakery.

Enfim, em poucos casos a tecnologia vai substituir a mão de obra humana no turismo. Em contrapartida aprimorar as experiências turísticas lançando mão de inovação tecnológica é a cereja do bolo, que pode fazer com que um turista decida ou não por um determinado destino ou empreendimento. 

Quer saber mais sobre turismo, além de apenas dicas de viagem? Me siga no Instagram @blogdaisabellaricci ou acesse blogdaisabellaricci.com.br

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade