Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ATO DE AMOR

É seguro doar sangue durante pandemia de coronavírus?

É importante, seguro, essencial e necessário para abastecer os bancos de sangue que estão sofrendo com a escassez dos estoques


postado em 12/06/2020 06:00

(foto: kalhh/Pixabay)
(foto: kalhh/Pixabay)

No próximo dia 14, é celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue. A data foi criada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para homenagear e agradecer a todos os doadores, além de aumentar o conhecimento da população sobre a importância da doação de sangue e seus hemoderivados. Todos os anos os estoques de sangue sofrem com oscilações e muitas vezes escassez. Neste ano, em que estamos vivendo a pandemia da COVID-19, o desafio de mantê-los abastecidos está ainda maior. 

"Sei lá o que vão fazer com meu sangue….

Nossa ir doar dá um trabalhão!

Tenho medo de pegar Covid na doação"

O isolamento social deixou as pessoas com receio de sair de casa, porém há ações necessárias e essenciais. Os mitos e medos que já eram observados anteriormente foram agravados e somados à desinformação. A população questiona a segurança do procedimento em si, e no cenário atual tudo pode ser um novo motivo para insegurança.

Os protocolos de higiene e proteção dos hemocentros estão em constante atualização e verificação, a tecnologia e as pesquisas impulsionam o controle rigoroso do ambiente e do produto da doação. Durante a pandemia, as medidas de segurança estão intensificadas, o que garante tranquilidade e saúde para os envolvidos no processo que já era exemplar.

Em abril, escrevi aqui sobre os riscos de esquecer outras doenças durante a pandemia e alertei que muitas delas não sofrem influência da COVID-19, ou seja, as pessoas continuam adoecendo e recebendo tratamentos que dependem, por exemplo, da doação de sangue.

Situações não planejadas de hemorragias graves, procedimentos cirúrgicos, politraumatizados, vítimas de acidentes de trânsito,  de violência com faca, tiro e outros continuam demandando sangue para manutenção da vida. Vale lembrar que diversas doenças como hemofilia, talassemia e anemia falciforme necessitam receber transfusões periodicamente. Precisamos mais do que nunca fortalecer o movimento de doação de sangue para ajudarmos a salvar vidas neste momento tão delicado. 

Pesquisas sérias estão avaliando o uso de plasma doado por pacientes curados de COVID-19 para o tratamento de infectados por Coronavírus. O plasma pode ser mais uma arma para vencer a doença, pois contém soro de defesa contra o vírus.

Quem pode doar sangue?


Pessoas de 16 a 69 anos, com mais de 50 Kg são candidatas. O procedimento para doação de sangue é simples, rápido, totalmente seguro e não há riscos para o doador, porque segue protocolos rigorosos que controlam o ambiente e a execução. Nenhum material usado na coleta é reutilizado, são realizados vários testes, há acompanhamento médico, além de equipes treinadas para garantir que tudo esteja perfeito para quem está realizando este gesto tão nobre. 

Em menos de 2 horas você consegue fortalecer o banco de sangue. Desse período, somente 15 minutos é com a agulha inserida para retirar os 450ml de sangue. O cidadão que doa tem direito a 1 dia de folga do trabalho, desconto em atividades culturais, isenção em taxas de inscrição para concurso público, auxílio deslocamento para a doação e atendimento prioritário em alguns estabelecimentos e serviços. Dentro de, no máximo 4 semanas, o sangue doado será reconstituído no corpo do doador sem nenhum prejuízo.

Homens podem doar a cada 2 meses e no máximo 4 vezes ao ano e as mulheres podem doar a cada 3 meses e no máximo 3 vezes ao ano.

- Restrições temporárias - Pessoas com sintomas gripais, febre e diarréia devem aguardar 14 dias, quem fez extração dentária deve esperar 3 dias. As vacinações e os medicamentos variam e, por isso, devem ser consultados nos hemocentros.

- 12 meses de restrição - Amamentação, transfusão de sangue, tatuagem/piercing, exposição ao risco de doenças sexualmente transmissíveis.

- 6 meses de restrição - Cirurgias de vesícula, retirada do útero, retirada parcial dos rins, fraturas ortopédicas, politraumatizados, retirada da tireóide e retirada parcial do intestino, exames que foram necessário instrumento de endoscopia.

- 3 meses de restrição - Cirurgias de apendicite, hérnia, amigdalectomia e varizes.

- Restrições definitiva - Hepatite antes dos 11 anos de idade, evidência clínica de hepatite B e C, AIDS (vírus HIV), vírus HTLV I e II, doença de chagas, malária e uso de drogas ilícitas injetáveis, tatuagem/piercing em cavidade oral ou genital.

Um motivo para comemorar


No dia 08 de maio de 2020, tivemos uma decisão histórica no Brasil: o Supremo Tribunal Federal decidiu por 7 votos a 4 que os homens que têm relação sexual com outros homens não são mais impedidos de doar sangue. Antes, se durante a entrevista pré-doação fosse afirmado relação sexual entre homens, o potencial doador deveria ficar restrito por 12 meses. Sendo bem claro, antes dessa decisão judicial os potenciais doadores ficavam sem doar ou mentiam durante a entrevista. O risco oferecido individualmente não é maior que o observado no restante da população, o que tornava esta prática preconceituosa e com embasamento científico questionável.

Com testes de boa qualidade, controle adequado e informação segura, o termo e o raciocínio "grupo de risco" não faz nenhum sentido além de extremamente excludente e preconceituoso. Para aqueles que irão dissertar sobre a janela imunológica, devemos pensar que esta realidade é a mesma para todo mundo. Não existe grupo de risco e comportamento de risco.

Nunca minta na entrevista pré-doação e nunca utilize desta atividade para realizar check-up de exames de saúde, porque todos os exames feitos neste momento estão disponíveis no SUS. É uma irresponsabilidade e quase um crime utilizar toda esta estrutura para sanar dúvidas ou controle de saúde extra.

Uma única doação de sangue pode beneficiar até 4 pessoas, por isso não espere a pandemia terminar, não adie para o próximo ano. A sua doação salva vidas, não guarde este privilégio somente para amigos e familiares. Com doações frequentes, os bancos de sangue alcançarão níveis adequados, capazes de atender as demandas de toda população. Você também pode precisar de sangue.

Tem alguma dúvida ou gostaria de sugerir um tema para falarmos aqui? Escreva pra mim: ericksongontijo@gmail.com ou enviem uma mensagem no meu Instagram @ericksongontijo.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade