Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas CLÍNICA

COVID-19 e tabagismo: O que você faria para não morrer?

Fumantes têm 14 vezes mais chance de morrer, se infectados pelo coronavírus. Tabagismo reduz em 10 anos a expectativa de vida e é a principal causa de morte evitável no mundo


postado em 29/05/2020 06:00 / atualizado em 29/05/2020 07:25

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

"Você tem um fogo? Claro, você me arruma um? Pode pegar.
Nossa, cigarro branco não! Eu só fumo cigarro de palha.
Não, por favor me vê o outro, esse aqui é o da impotência."

Tabagismo é prejudicial em qualquer uma das suas formas: Cigarro de filtro, cigarro branco, cigarro de palha, fumo de rolo, cigarro de maconha, infusões, cachimbo, piteira, charuto, cigarrilha e até mesmo os que estão na moda entre os jovens: nargile, cigarros eletrônicos e vaporizadores.

Em tempos de COVID-19, é bom saber e lembrar que os fumantes têm 14 vezes mais chance de morrer, se infectados. O tabagismo reduz 10 anos a  expectativa de vida e é a principal causa de morte evitável no mundo.

No próximo domingo, dia 31 de Maio, celebramos o Dia Mundial sem Tabaco, uma droga que por muitos anos foi símbolo de virilidade, liberdade e elegância, mas que mata mais de 500 pessoas por dia só no Brasil.

Os últimos dados do Instituto Nacional de Câncer apontam que o tabagismo é responsável por matar 8 milhões de pessoas no mundo. O número fica ainda mais assustador quando você pensa que, de cada duas pessoas que você vê fumando, uma morrerá devido a complicações do tabagismo. São 1,1 bilhão de fumantes no mundo!

A publicidade associada ao prazer influencia muito o consumo e os hábitos das pessoas. Cabe o entendimento muito delicado para não julgar de maneira indevida aqueles que caíram no conto  do "cigarro do sucesso".

A luta contra o cigarro e seus malefícios deve ser mais engajada, a população (de fumantes e não fumantes) precisa entender que, embora o cigarro esteja associado a um prazer, ele é uma das drogas que causam maior dependência. A necessidade de fumar não é uma vontade e sim uma doença, algo de difícil controle. 

A cena de uma pessoa debilitada, fraca, com comprometimento respiratório grave e com traqueostomia (aquele furo realizado no pescoço para poder melhorar a respiração) é extremamente entristecedora. Ainda assim, não é raro observar que essa pessoa continua fumando, e desta vez levando o cigarro até o orifício de traqueostomia para fumar.

O trago do cigarro consegue ter seus primeiros efeitos no cérebro em 19 segundos e percorre todo o corpo em 1 minuto. Para os não fumantes é muito difícil entender a dependência, muitos tentam encontrar lógica em vício que produz fumaça, odor ruim, mudança de coloração dos dentes, lábios, pele, alteração do ambiente, impregnação de casa, apartamento, carro e escritório.

Não existe lógica para explicar a dependência química.
Os prazeres não seguem regras racionais, uma das tarefas mais difíceis para o médico, para o paciente e para seus familiares é eliminar o tabagismo. O médico deve apresentar os melhores dados e opiniões para a saúde do paciente e também dar suporte para as decisões individuais.

Aquele que não deseja parar de fumar deve receber atendimento, suporte e acolhimento, e não ser abandonado. Isso é muito diferente de concordar ou, como se diz na língua do dia a dia - "passar a mão na cabeça" do fumante.

A satisfação e desafios da vida são acompanhados de repercussões, riscos e benefícios. Sempre estaremos diante de uma balança e no caso do tabagismo não há nenhuma dose de consumo segura, ou seja, mesmo o cigarrinho na hora do café ou o famoso "só fumo quando bebo" é prejudicial à saúde.

Fumante é fumante, independentemente da quantidade que fuma em um dia ou até mesmo em um mês. 

Os vícios e seus contextos sociais devem ser analisados de perto e manejados com muita cautela e responsabilidade. Se há uma decisão  por fumar, todos os fatores de riscos e doenças associadas a esse vício devem ser monitorados de perto, é uma forma de contenção de danos.

Não dá para dirigir um carro de corrida sem capacete e sem cinto de segurança, mas se for pensar bem, dirigir a mais de 300km/h também não é nada seguro, não é mesmo?

Câncer de pulmão, esôfago, estômago, pescoço, boca, língua, infarto do coração, derrame cerebral, trombose, feridas, impotência, amputação de membros e aborto são apenas alguns dos exemplos que o cigarro pode causar diretamente para o tabagista.

Para amigos e familiares não fumantes, esse vício provoca danos emocionais difíceis de serem mensurados, principalmente quando perderam entes queridos ou lutaram contra uma das tantas doenças causadas. Se você consegue viver bem ao lado de todos esses riscos, acredito que nenhum dos meus argumentos médicos será suficiente para te convencer a parar de fumar. 

A redução gradativa do cigarro deve ser associada a um bom acompanhamento médico e psicológico para evitar crises de abstinência, ansiedade, depressão e diversos outros transtornos mentais. Ações educativas, como definição de espaços para tabagismo e a proibição em outros locais, mudam a cultura e os hábitos.

Em diversos países, a redução de publicidade e as imagens de impacto nas embalagens estão diretamente associadas à redução do consumo. Para muitas ações não é necessário muito investimento, os resultados dirão o tamanho do impacto e isso é ciência, não opinião.

Se o cigarro preenche um vazio social, uma sensação de sucesso e é utilizado para os escapes do dia a dia, porque não substituir por outros hábitos mais saudáveis? Porque não outros desafios?

Por que não vencer a você mesmo em vez de ser derrotado pelo cigarro? Se você quer parar de fumar, procure ajuda – certamente, será uma das melhores decisões para a sua saúde. Se você conhece alguém que queira largar o vício, dê apoio. 

Tem alguma dúvida ou gostaria de sugerir um tema para conversarmos aqui? Escreva pra mim: ericksongontijo@gmail.com 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade