Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas padecendo

Vacinar é um ato de amor

O negacionismo exaure nossas energias, um pouco todos os dias, mas não temos escolha. Ou nos esforçamos ou seremos vencidos pela epidemia da desinformação


13/12/2020 04:00 - atualizado 11/12/2020 11:41

(foto: depositphotos)
(foto: depositphotos)


Século 21. Carros voadores, viagens no tempo, teletransporte. Tudo isso cabia na imaginação de quem nasceu no século passado. Expectativas de quem não podia imaginar que a realidade seria o movimento antivacina, o negacionismo, o terraplanismo, o racismo reverso. É o que temos para hoje.

Já são mais de 177 mil pessoas que morreram de COVID-19 no Brasil, o mundo iniciando a vacinação e nós aqui, recebendo vídeos terroristas que afirmam que a vacina chinesa vai mudar o nosso DNA.

Uma aula de biologia básica, no colégio, já evitaria que as pessoas acreditassem que vacina de RNA afeta o DNA. Mas quem teve essa aula de biologia na escola, quando somos abençoados pela ignorância no país que não dá valor à educação.
 
Essa onda de fake news para desacreditar as vacinas contra COVID é muito preocupante. Uma tragédia. Vacina é um pacto coletivo. Um indivíduo que se recusa a se vacinar prejudica todos os outros.  Ameaça a saúde de toda a sociedade.

O cardápio de teorias sem sentido é enorme, não podemos reclamar de falta de criatividade, só falta bom senso mesmo. A vacina é uma das mais importantes conquistas da humanidade.

A vacina é responsável pelo desaparecimento de várias doenças. O movimento antivacina é um retrocesso. Quando você não se vacina, você coloca outras pessoas em risco.

E não é só a vacina contra a COVID-19. O sarampo voltou e mostrou que doenças controladas podem voltar. Estamos preparados para o retorno da coqueluche, da poliomielite, da rubéola?

O medo de sair de casa diminui a cobertura das vacinas em 2020, mas a cobertura vacinal e a taxa de confiança dos brasileiros nas vacinas já vinham caindo nos anos anteriores.

E depois de um ano tão atípico, tão difícil, vamos perdendo as forças para lutar contra a desinformação. Lutar contra as mentiras e todo o negacionismo. Só acredita em fake news quem se identifica com elas. Por que seria mentira se é isso que a pessoa quer ouvir?

Como lidar com um parente que acha que os laboratórios vão implantar chips no corpo das pessoas ao serem vacinadas? Que argumentos usar com quem prefere acreditar em ideias tão estapafúrdias?

Talvez a vacina seja a única forma de desacelerar a pandemia de COVID-19. Mas para que isso seja possível, é preciso que as pessoas sejam imunizadas. E a imunização não pode ser facultativa, porque ela não trata da saúde daquele indivíduo, mas da saúde de todos nós.

E que argumentos podemos usar quando um parente questionar, por exemplo, a vacina chinesa? Eu tenho feito algumas perguntas para essas pessoas:

Você não quer tomar a vacina chinesa, mas você sabe a procedência das vacinas contra gripe e outras vacinas que você tomou nos últimos anos?

Você não toma água gelada porque viu um vídeo dizendo que beber água gelada causa câncer de estômago, mas não vai tomar a vacina contra COVID-19 porque ela não tem evidências científicas suficientes?

Você está com medo de ser vacinado e implantarem um microchip 5G que vai armazenar todas as informações sobre você na nuvem? Interessante! Enquanto eu estou aqui escrevendo, o senhor Google sabe minha localização exata porque estou conectada.

Não seria mais seguro deixar de usar a internet e voltarmos a nos comunicar por cartas? Ou sinais de fumaça?

Ainda tem quem argumente que não há necessidade de vacina quando temos a cloroquina. Respire fundo e pense na seleção natural, porque realmente tem que ter muita força para ouvir essas coisas sem ter um ataque cardíaco!

Argumentar contra as fake news é um trabalho exaustivo que tem levado muita gente a romper relações com amigos e parentes por causa das diferenças de visão de mundo. As eleições de 2018 já deixaram muita coisa bem clara, a pandemia apenas agravou a situação.

Os avós precisam entender que, se eles são do grupo de risco e, por isso são os primeiros na fila da vacina, eles não podem ter medo, a vacina vai protegê-los e vai proteger a população, incluindo seus netos. Com a vacina, nossos filhos vão poder frequentar a escola com mais segurança, mesmo que a imunização demore mais tempo para chegar até eles.

Estou cansada também. O negacionismo exaure nossas energias, um pouco todos os dias, mas não temos escolha. Ou nos esforçamos ou seremos vencidos pela epidemia da desinformação.

Vacinar é um ato de amor. Agradeça aos seus pais por você ter tomado todas as vacinas na infância. Lembre-se de todas as vacinas que nossos filhos tomaram. Vacinas não causam autismo, não causam esclerose múltipla.

Vacinas protegem e diminuem a mortalidade. O mundo todo aguarda a vacina. Que nossos pais se lembrem da importância da vacinação e entendam que precisam se vacinar por todos nós.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade