Publicidade

Estado de Minas DELTA DO PARNAÍBA

Delta do Parnaíba: surpreenda-se com a porta de entrada do paraíso

Três destinos nordestinos integram o circuito com belas paisagens naturais. No caminho, dunas, praias, lagoas, muita história e boas opções de hospedagem e gastronomia


postado em 04/02/2020 04:00 / atualizado em 05/02/2020 18:00

Visitar a região é poder caminhar nas dunas de areias finas e apreciar o horizonte a perder de vista(foto: Bertha Maakaroun/EM/D.A Press )
Visitar a região é poder caminhar nas dunas de areias finas e apreciar o horizonte a perder de vista (foto: Bertha Maakaroun/EM/D.A Press )



A porta do prometido céu é a charmosa Parnaíba, no Norte do Piauí. O acesso de carro, a partir da capital Teresina, se estende pela BR-343 por 340 quilômetros, passando por dois pontos de grande interesse: em Campo Maior, a 88 quilômetros da capital, resgata a violenta história de um Brasil que lutou contra portugueses pela independência nada pacífica. É o monumento aos heróis da Batalha do Jenipapo. Mais adiante, entrando por Piripiri – a cerca de 170 quilômetros de Teresina –, segue-se por mais 10 quilômetros pela BR-222 ao impressionante Parque Nacional das Sete Cidades.
 
Esculpidas há milhões de anos, formações rochosas surpreendem os turistas que visitam o Parque das Sete Cidades, no Piauí (foto: Bertha Maakaroun/EM/D.A Press)
Esculpidas há milhões de anos, formações rochosas surpreendem os turistas que visitam o Parque das Sete Cidades, no Piauí (foto: Bertha Maakaroun/EM/D.A Press)
 
Afloramentos de rochas da Era Paleozoica, esculpidos sobre as rochas de arenito por 190 milhões a 200 milhões de anos pela insistência das chuvas, dos ventos e marteladas pelo sol inclemente originaram monumentos grandiosos e espetaculares. As “cidades petrificadas” guardam também inscrições nos paredões datadas pelo método do carbono 14 com idade presumível de 6.000 anos, que seriam legados das tribos dos quirirus e dos jenipapos.
 
 
 
 
Ao final da estrada, já em Parnaíba, um novo começo. Cortada pelo rio do grande delta e por seus braços, é a cidade das charqueadas, que, no século 17, recebeu incursões de bandeirantes em busca de rota alternativa – uma ligação por terra entre Salvador e São Luís, respectivamente capitais dos então estado do Brasil e do estado do Maranhão. Fazendas de gado foram implantadas, às custas do massacre das populações indígenas. E à beira do Rio Igaraçu – filho do grande Parnaíba –, no Porto das Barcas, instalaram-se os núcleos de produção e comercialização da carne e do couro para as províncias brasileiras ao Sul e diretamente para a Europa. 
 
Em Parnaíba, o registro colonial salta nas ruas, no colorido do porto e no glamour de seus casarões. Um dos mais charmosos, desde 2013 transformou-se no Hotel Boutique Casa de Santo Antônio. Datado de 1920, da família francesa Bompê, foi adquirido, completamente restaurado e decorado com itens de Portugal, desde que o empreendedor português Mario Vieira de Carvalho, encantado com a Rota das Emoções, passou a investir na região.
 
Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é o mais importante campo de dunas do litoral brasileiro(foto: Bertha Maakaroun/EM/D.A Press)
Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é o mais importante campo de dunas do litoral brasileiro (foto: Bertha Maakaroun/EM/D.A Press)
 
Emoções, de fato são várias. Em direção ao delta, o apelo chega das praias de viajantes dunas transparentes, em contraste com o panorama dos rios, céu azul e pássaros, o mais icônico, o vermelho guará. Em direção ao Maranhão, as paisagens abrem-se em novas e assombrosas imagens desérticas dos Lençóis Maranhenses, entremeadas por lagos límpidos aprisionados pelas chuvas e encorpados pelo transbordamentos do lençóis freáticos. Mas se o que se deseja é a combinação de fortes ventos, oceanos verdes e inóspitos, praias em boa extensão desérticas, há farto cardápio, a começar pela Praia de Barra Grande, a aventura do kitesurfe, regada a sonhos de que naquela vila de pescadores nasce, entre charmosas pousadas e restaurantes, uma nova e piauiense Jericoacoara.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade