Publicidade

Estado de Minas FUTEBOL MINEIRO

Diretoria atleticana rebate críticas a Cuca e aposta em evolução

Rodrigo Caetano diz que é cedo para avaliar trabalho e reafirma confiança na briga por títulos de peso


14/04/2021 13:02 - atualizado 14/04/2021 13:09

O treinador foi defendido pelo diretor de futebol, Rodrigo Caetano: 'Cuca tem seu nome marcado na história do Galo'(foto: RAMON LISBOA/EM/D.A PRESS)
O treinador foi defendido pelo diretor de futebol, Rodrigo Caetano: 'Cuca tem seu nome marcado na história do Galo' (foto: RAMON LISBOA/EM/D.A PRESS)

As críticas depois da derrota por 1 a 0 no clássico contra o Cruzeiro não vão atrapalhar o trabalho no Atlético. Pelo menos é o que garante é o diretor de futebol, Rodrigo Caetano, segundo o qual todos no clube ficaram bastante chateados com o resultado de domingo, mas seguem concentrados no Estadual e nos maiores desafios de 2021 – Copa Libertadores, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro.



Na visão do dirigente, ainda não caberiam cobranças duras por um único jogo ruim ao técnico Cuca ou aos jogadores, como fizeram torcedores e até alguns da imprensa. “Nem tudo estava certo quando vencemos o América, quando muitos falaram que tínhamos uma das melhores equipes. Também não está tudo errado porque tivemos insucesso no último clássico”, afirmou.

Ele aponta precipitação. “Estamos no começo de temporada e no começo do trabalho de Cuca. E o Estadual serve pra isso. Cuca tem seu nome marcado na história do Galo, mas a avaliação é nacional e sul-americana, do trabalho realizado no Santos, com pouca matéria-prima, investimento quase nulo, perdendo atletas”, declarou.

Para Rodrigo Caetano, a capacidade do treinador e a qualidade dos jogadores resultarão em evolução e títulos. “Nossas aspirações vão muito além do Estadual. Não que ele não seja importante. Em toda competição entramos para ganhar. Mas nosso calendário é pesado justamente pelo patamar em que o Galo se encontra, de estar na disputa de títulos nacionais e sul-americanos. E é isso que queremos sempre. Então, é cedo para avaliar.”

Uma das críticas mais fortes foi quanto ao fato de Cuca estar dividindo a atenção ao clube com o estado de saúde da mãe, Nilde, internada em UTI de hospital de Curitiba para tratar de COVID-19. O dirigente, porém, observa que a questão é pessoal e que não interferiria no trabalho do treinador.

“É perigoso vincular um insucesso no clássico a um momento que ele vive, que não é segredo para ninguém. No domingo, ficamos mais de duas horas no Mineirão planejando os próximos compromissos, jogos da Libertadores, procurando soluções. Ele está totalmente envolvido. Em momento algum desviou o foco”, argumenta.

SEM MEDO O próprio Cuca admitiu que o time não está no nível ideal. Mas garantiu que na quarta-feira que vem, quando o Galo estreia na Libertadores, contra o Deportivo La Guaira, na Venezuela, pela primeira rodada do Grupo H, pode se cobrar um desempenho melhor.
O treinador terá de aproveitar esta semana para corrigir erros. Além disso, vai entrar na Copa do Brasil a partir da próxima fase. O compromisso no Estadual será domingo, recebendo o Boa, às 16h, no Mineirão. Se vencer, garantirá o primeiro lugar, tendo vantagem nos mata-matas. Alguns dos titulares devem ser poupados.

Campanha do clube arrecada cestas básicas


O Atlético lançou ontem a campanha Galo Solidário, iniciativa de combate à fome. A ação do clube, por meio do Instituto Galo, arrecadará valores que serão convertidos em cestas básicas destinadas a pessoas que estão passando fome no país.

A arrecadação vai até 1º de maio. Conselheiros, atletas e comissão técnica dos times masculino e feminino do clube fizeram, em conjunto, uma doação inicial para o programa.

A meta é arrecadar R$ 1,113 milhão, número em referência ao aniversário de 113 anos do Atlético. As doações serão feitas para o Instituto Galo, a partir de uma conta corrente exclusiva para essa finalidade.
Os recursos serão repassados para três entidades: Divina Providência (Cidade dos Meninos/Jairo Azevedo); Unindo Forças/O Grito (braço mineiro da Gerando Falcões); e Comunidade Viva Sem Fome.

“Em um momento tão difícil, é muito importante a participação do Clube Atlético Mineiro, significa sensibilidade e comprometimento com a sociedade”, diz o presidente Sérgio Coelho.

Embaixador da campanha, o gerente de futebol do Atlético, o ex-goleiro Victor Bagy, pediu o apoio da torcida para ajudar as famílias que estão passando por dificuldades na pandemia do coronavírus no Brasil: “Contamos com o apoio e o engajamento de todos”.

Veja como doar

» Titular: Instituto Galo
» CNPJ: 35.777.212/0001-64
» Banco: 318 BMG
» Agência: 0005
» Conta: 9688226-3

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade