Publicidade

Estado de Minas HORMÔNIOS

Supressão menstrual pode ser aliada para a qualidade de vida da mulher

Para muitas mulheres, a supressão da menstruação, que significa interromper a menstruação, ainda é um assunto que envolve alguns tabus


05/07/2022 12:25

Mulher com roupas íntimas segura flor vermelha
(foto: Cottonbro/Pexels)

Cólicas, dor de cabeça, irritabilidade, inchaço e dor nas mamas, mudanças de humor. A menstruação é um período que costuma causar desconforto para as mulheres. São esses alguns dos sintomas que acompanham o ciclo menstrual que, normalmente, ocorre no intervalo de 28 a 30 dias, e que consiste no espaço de tempo entre uma menstruação e outra, parte do processo reprodutivo da mulher.

É durante o ciclo menstrual que o corpo se prepara para a gravidez. A menstruação corresponde ao processo de descamação do endométrio (membrana interna do útero) quando não há a fecundação do óvulo pelo espermatozoide. A camada espessa, formada durante o período de preparação da gestação, desprende-se da parede uterina, ocasionando o sangramento.

É ainda nessa fase que ocorrem importantes mudanças no organismo feminino, devido às oscilações hormonais. Para o professor doutor em ginecologia e titular da Academia Mineira de Medicina, Walter Pace, os hormônios trazem, muitas vezes, uma série de manifestações clínicas que podem propiciar alterações emocionais. "Como os hormônios vão mudando durante o mês, os níveis aumentam e diminuem, o que faz com que haja alternância de comportamento da mulher e de sensibilidade a esses hormônios", afirma Pace.

Esse é um dos fatores que tem incentivado mulheres a buscar tratamento para suspender a menstruação, pois o bloqueio do ciclo menstrual favorece o equilíbrio no comportamento feminino que, naturalmente, é afetado por conta de intensas variações hormonais que ocorrem desde a fase ovulatória até o período pré-menstrual.

Os benefícios da supressão menstrual para a saúde da mulher

Para muitas mulheres, a supressão da menstruação, que significa interromper a menstruação, ainda é um assunto que envolve alguns tabus. Resistência associada a fatores culturais e a falta de informação podem influenciar na decisão da mulher de bloquear ou não a menstruação, mesmo quando surgem sintomas que interferem na qualidade de vida.

O tema ganhou notoriedade no Brasil e no mundo a partir dos estudos de Elsimar Coutinho, professor doutor em ginecologia e cientista renomado, que defendeu a ideia de que a menstruação é um sangramento desnecessário ou inútil, também revelando como a supressão menstrual pode contribuir para a saúde das mulheres.

Leia mais: Câncer de cólon: como reconhecer sintomas e sinais nas fezes

Manter a estabilidade em relação ao nível de hormônios no organismo é uma das principais vantagens da supressão menstrual e que colabora, sobretudo, para minimizar impactos do ponto de vista comportamental. A menstruação também pode causar problemas de saúde quando o sangramento ocorre em excesso - nesses casos não é raro o surgimento de anemias e doenças infecciosas.

Existe uma série de doenças que são hormônio dependentes, ou seja, quando não há o equilíbrio dos hormônios podem ficar mais prevalentes ou evoluírem mais rapidamente, principalmente o estrogênio, que estimula a formação e o agravamento de doenças, tais como endometriose, miomatose, hiperplasia doenças de mama, entre outras.

A supressão menstrual deve ser indicada nos casos em que a mulher apresenta sintomas que inviabilizam ou pioram a sua qualidade de vida, a exemplo de sangramento excessivo, tensão pré-menstrual (TPM), oscilações significativas de humor e as doenças hormônio dependentes.

Walter Pace explica que suspender a menstruação não tem correlação com prejuízos à saúde da mulher. Ao contrário, interromper esse processo pode prevenir doenças que prevalecem quando as mulheres menstruam. Além disso, diferente do que muitas pessoas pensam, não interfere na fertilidade da mulher, e, em algumas situações, protege.

Quais são os métodos para interromper a menstruação?

Há muitas formas de suspender a menstruação. A mais conhecida é por meio da utilização de pílulas anticoncepcionais. Em muitos casos, as mulheres recorrem a esse tratamento com o intuito de se livrar dos sintomas característicos dessa fase, com as cólicas e a TPM. No entanto, também há situações em que a supressão menstrual é indicada com o propósito de reduzir os riscos de doenças hormônio dependentes mais graves, como por exemplo, a endometriose, o câncer de útero e de ovário.

Hoje existem inúmeras alternativas medicamentosas capazes de diminuir os efeitos colaterais proporcionado pelo uso diário das pílulas. Os mais eficazes são os implantes hormonais e o DIU, que possuem medicamentos que não passam, inicialmente, pelo fígado, minimizando os riscos e efeitos colaterais.

"Os implantes hormonais nada mais são do que uma via de administração de hormônios", afirma Walter Pace. É comum a utilização desses hormônios para bloquear a ovulação, tratar desequilíbrios hormonais, assim como nos casos de doenças hormônio dependentes. Os tratamentos podem ser individualizados, com substâncias e doses específicas para cada paciente.

"Quando se fala de anticoncepção e supressão da menstruação utilizamos os progestágenos (progesterona sintéticas) com características diferentes e que podem ser adaptadas à situação clínica de cada mulher. A quantidade de hormônios é infinitamente menor e há uma constância na liberação desses hormônios quando os implantes são inabsorvíveis", reitera.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade