UAI
Publicidade

Estado de Minas QUEIXA-CRIME

Bolsonaro aciona STF por 'abuso de autoridade' de Alexandre de Moraes

Defesa do presidente ajuizou queixa-crime no STF e entende como "injustificável" a investigação de Bolsonaro no inquérito das fake News


17/05/2022 22:13 - atualizado 17/05/2022 23:31

O presidente Bolsonaro e o ministro Alexandre de Moraes, do STF
O presidente Bolsonaro e o ministro Alexandre de Moraes, do STF (foto: Agência Brasil/Reprodução)

O presidente Jair Bolsonaro ajuizou queixa-crime contra o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, por suposto abuso de autoridade, nesta terça-feira (17/5). A defesa do presidente entende como "injustificável" a investigação de Bolsonaro no inquérito das fake News.

Os advogados de Bolsonaro citaram cinco fatos e o possível cometimento dos delitos por parte do ministro. São eles: duração não razoável da investigação, negativa de acesso aos autos, prestar informação inverídica sobre procedimento, exigir cumprimento de obrigação sem amparo legal e instauração de inquérito sem justa causa.

Em grupos de mensagens, Bolsonaro disparou o seguinte texto:

"- Ajuizei ação no STF contra o Ministro Alexandre de Moraes por abuso de autoridade, levando-se em conta seus sucessivos ataques à Democracia, desrespeito à Constituição e desprezo aos direitos e garantias fundamentais.

"1- Injustificada investigação no inquérito das Fake News, quer pelo seu exagerado prazo, quer pela ausência de fato ilícito;

"2- Por não permitir que a defesa tenha acesso aos autos;


"3- O inquérito das Fake News não respeita o contraditório;

"4- Decretar contra investigados medidas não previstas no Código de Processo Penal, contrariando o Marco Civil da Internet;

"5- Mesmo após a PF ter concluído que o Presidente da República não cometeu crime em sua live, sobre as urnas eletrônicas, o ministro insiste em mantê-lo como investigado.

"Presidente Jair Bolsonaro."

Até o momento, o ministro Alexandre de Moraes não se manifestou.

Nas redes sociais, apoiadores do presidente defenderam a ação. O jornalista Rodrigo Constantino usou sua conta no Twitter para atacar o Supremo Tribunal Federal por abuso de autoridade.


Postagens Rodrigo Constantino
Bolsonaro ajuizou ação no STF contra Alexandre de Moraes por abuso de poder (foto: Reprodução Twitter )
Na primeira postagem, afirmou que "Bolsonaro ajuizou ação no STF contra Alexandre de Moraes por abuso de poder, com forte embasamento. O problema, claro, é que quem julga é quem abusa do poder!!!".

Ele ainda completou. "Se o STF quiser preservar o que resta de sua frágil reputação, então deveria acatar a ação do presidente. Entrega assim a cabeça de UM só, o que mais abusa do poder, e mantém uma aura de legimitidade, apesar da cumplicidade do plenário com o "xerife".

Ainda conforme o jornalista, "Bolsonaro está dando ao Supremo o que o PSDB está oferecendo a Doria: uma oportunidade para uma saída aparentemente digna e honrosa". 


Entenda a dinâmica sobre a notícia-crime

Bolsonaro pede que a Suprema Corte apure o "possível cometimento dos delitos" por parte de Moraes e também requer o envio de cópia integral, volumes principais e apensos (ou anexos) "dos inquérito das fake news, dos atos antidemocráticos e das milícias digitais".

O chefe do Executivo questiona os crimes dos quais é acusado sobre a live ocorrida no dia 29 de julho do ano passado, em que ele fez suposições contra as urnas eletrônicas sem apresentar provas. Bolsonaro aponta que, mesmo depois que a Polícia Federal ter concluído que ele não cometeu crime, continua sendo investigado nos processos.

O advogado Eduardo Magalhães, que escreveu a peça entregue ao presidente do STF, ministro Luiz Fux, diz que há "um evidente excesso" e "uma clara falta de justa causa fundamentada". Ele alega também não haver "nenhum crime nos fatos investigados" e que são "manifestações livres de pensamento". A exibição em questão trata-se de declarações de Bolsonaro contra o sistema eleitoral brasileiro nas quais, reiteradamente, disse não ter provas. 

A principal sustentação da defesa de Bolsonaro é relacionada à falta de acesso ao processo. "Vale frisar que, ao todo, entre o primeiro pedido de vistas e a data de hoje, 16.05.22, foram proferidas, ao menos, trinta e seis decisões com a mesma negativa de acesso a elementos probatórios já documentados e utilizados como fundamento para imposição de medidas cautelares, pessoais e probatórias, contra os investigados; os quais - até o presente momento - só tiveram acesso ao Apenso nº 70 do Inquérito nº 4.781 (fake news), mas não possuem conhecimento sobre os volumes principais ou demais apensos de tais autos", frisou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade