UAI
Publicidade

Estado de Minas CHUVAS

Zema pede fim da bandeira vermelha nas contas de luz em Minas

Adotada em agosto de 2021, quando o país registrou a pior crise hídrica em 91 anos, a cobrança da escassez hídrica foi regulamentada para custear termelétricas


13/01/2022 16:20 - atualizado 13/01/2022 17:17

Zema conversa em videochamada
Governador de Minas Gerais, Romeu Zema (foto: Denys Lacerda/EM/D.A Press)
O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), disse, nesta quinta-feira (13/1), que encaminhou um pedido ao Ministério de Minas e Energia para a suspensão da bandeira vermelha de escassez hídrica nas contas de luz do estado.
Determinada em agosto do ano passado, quando o país enfrentou a pior crise hídrica em 91 anos, a medida foi regulamentada para custear gastos em acionamento de usinas térmicas e importação de energia. 
 
Por causa do nível baixo dos reservatórios foi necessário acionar as termelétricas, que têm um custo mais alto, pois usam combustíveis fósseis no processo de geração de energia — e também são mais poluentes, contribuindo para o aumento do efeito estufa.
 
“Neste momento de recuperação econômica dos efeitos da pandemia, agravado pela crise das finanças estaduais, em que somos atingidos por chuvas que ocasionam verdadeiro cenário de guerra, a solidariedade com os mineiros é emergencial”, disse Zema. “Não podemos ser penalizados com o custo determinado pela Câmara de Gestão Hidroenergética (Creg) e aplicado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)”, acrescentou.
 
Anúncio foi feito pelo Instagram do governador.
A bandeira de escassez hídrica tem o valor de R$ 14,20 a cada 100 kWh (quilowatts-hora). Ela é cerca de 50% mais cara que a bandeira vermelha patamar 2.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade