UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Randolfe: mortes por COVID fazem parte de projeto do governo Bolsonaro

Senador repudiou a fala do presidente da República de que a COVID foi 'superdimensionada'


24/09/2021 14:59 - atualizado 24/09/2021 23:48

Randolfe Rodrigues criticou entrevista de Bolsonaro
Randolfe Rodrigues criticou entrevista de Bolsonaro (foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)
Após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmar nesta sexta-feira (24/09) que a COVID apenas  "encurtou a vida de vítimas por alguns dias ou semanas" , o vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da COVID, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), repudiou a fala vias redes sociais.
 

“Falta competência e o mínimo de responsabilidade com a coisa pública. Mas falta também compaixão, HUMANIDADE!”, escreveu.
 
 
 
Segundo o senador, Bolsonaro fala da vida humana como se fosse algo descartável. “As quase 600 mil mortes por COVID-19 no Brasil não foram acidentais, foram um projeto”, disse.

Mais cedo, em uma entrevista divulgada hoje pelo ativista antivacina alemão Markus Haintz no YoTtube, mas gravada no dia 8 de setembro, Bolsonaro afirmou, sem mostrar provas, que o número de mortes no Brasil  por COVID “foi superdimensionado”.

"Uma pessoa na UTI por COVID custa R$ 2.000 por dia. Uma pessoa numa UTI com outras doenças custa R$ 1.000. Então, quando uma pessoa mais humilde vai ao hospital, ela é levada para a UTI, porque os hospitais vão ganhar mais dinheiro, então tem uma supernotificação. Isso aconteceu. O número de mortes no Brasil foi superdimensionado”, afirmou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade