UAI
Publicidade

Estado de Minas ELEIÇÕES 2022

Terceira via pode ter espaço na polarização entre Lula e Bolsonaro

Dentro de partidos e movimentos políticos, a articulação para uma terceira via já começa a movimentar os bastidores


20/09/2021 04:00 - atualizado 20/09/2021 07:47

None
(foto: Marcos Correia/PR - Carl de Souza/AFP)

No que depender de Jair Bolsonaro (sem partido) e de Lula (PT), o clima de polarização política vai continuar a ferver dentro da população brasileira. O sentimento de revanchismo, rejeição e idolatria aos dois maiores nomes políticos do país dão o tom da eleição de um país ávido por melhorias no emprego, na renda e na economia de maneira geral.

Ao mesmo tempo em que são exaltados por uma multidão, pesquisas eleitorais mostram que a rejeição também os acompanha. Bolsonaro desidrata seu capital político devido à instabilidade econômica e política, essa, elevada ao extremo devido a “crises artificiais" criadas pelo próprio presidente, segundo especialistas.

Dentro de partidos e movimentos políticos, desde setores da direita, passando pela centro-direita até a esquerda, a articulação para uma terceira via já começa a movimentar os bastidores. O objetivo é atingir um contingente de eleitores que se encontram ilhados, à procura de uma opção que não seja Bolsonaro e a extrema-direita e nem o Lula e o PT.

Por mais que os dados apontem essa intenção de parte dos brasileiros de votar em outro candidato, números esses corroborados pelo recorde de abstenções nas eleições de 2018 (42,1 milhões de brasileiros votaram nulo, branco ou não compareceram ao local de votação), a impressão de momento é de que a terceira via não vai decolar

No entanto, especialistas e políticos de fora das duas bolhas entendem que ainda é cedo para tal confirmação. Para o cientista político André Rosa, a alternativa ainda não foi construída, pois um nome só será escolhido pela população quando ele for de fato apresentado.

“O eleitor ainda não conhece essa terceira via. Um candidato não é escolhido pela população, ele é trabalhado internamente e apresentado à população como alguém presidenciável”, explica o especialista em psicologia política.

Dentro desse contexto, o professor e mestre em ciência política Valdir Pucci entende que não haverá apenas uma candidatura de terceira via. “É muito difícil você ter um único nome. Há muitos espectros ideológicos e interesses divergentes dentro desse processo, desde a centro-direita até a esquerda. Então, acho que não teremos uma terceira via única”, afirma. Caso as legendas priorizem seus interesses parlamentares, o melhor caminho para um segundo turno diferente de Lula versus Jair Bolsonaro em 2022 é um deles ficar inelegível.

Para representantes da terceira via, o impeachment do presidente da República pode se tornar o principal foco para evitar um enfrentamento entre extremos. Além de uma abertura de impeachment no Congresso, outra forma de inelegibilidade que pode ser imposta a Bolsonaro é via Tribunal Superior Eleitoral (TSE).


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade