Publicidade

Estado de Minas NOVA CLOROQUINA?

Após Bolsonaro citar novo remédio contra COVID, Queiroga incentiva pesquisa

A proxalutamida é um medicamento indicado para pacientes com alguns tipos de câncer e ainda não tem comprovação contra COVID-19


19/07/2021 14:54 - atualizado 19/07/2021 16:23

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga disse não ver mal algum em pesquisar qualquer medicamento(foto: Walterson Rosa/MS)
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga disse não ver mal algum em pesquisar qualquer medicamento (foto: Walterson Rosa/MS)
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou, nesta segunda-feira (19/7), que ainda é preciso desenvolver pesquisas sobre a eficácia e segurança do remédio proxalutamida, defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como tratamento contra a COVID-19.

“Essa medicação já tem sido alvo do interesse dos pesquisadores. Existem alguns pequenos estudos, e o presidente já afirmou, não só em relação a esse medicamento, mas em relação a outros, sobre o anseio de ter algumas medicações que sejam efetivas também no tratamento da COVID”, disse Queiroga.
 
A proxalutamida é um medicamento indicado para pacientes com alguns tipos de câncer.

Bolsonaro defendeu pela primeira vez o uso do remédio ao sair do hospital onde estava internado em São Paulo após sofrer uma obstrução intestinal

De acordo com o ministro da Saúde, não existe problema em pesquisar novos remédios. “Qual é o mal em pesquisar? Me aponte um. Pesquisa com vacina, pesquisa com fármacos”, disse.

Anvisa

Na manhã desta segunda-feira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a realização de um estudo clínico para avaliar o uso da proxalutamida na redução da infecção viral causada pelo coronavírus e no processo inflamatório provocado pela COVID.
 

A ‘nova cloroquina’

Ao sair do hospital, Bolsonaro citou o remédio pela primeira vez. O presidente afirmou que ele não tem a liberdade para falar sobre remédios contra COVID, porque a população e a mídia o julga como “criminoso”. 
 
 
“A gente vê o mundo aí, alguns países investindo em remédios para curar a COVID, e aqui se você fala em cura de COVID passa a ser criminoso. Passa a ser criminoso. Você não pode falar em cloroquina, ivermectina”, disse.

“Tem uma coisa que eu acompanho há algum tempo, e nós temos que estudar aqui no Brasil. Chama-se proxalutamida. Já tem uns três meses que isso aí... Não tá no mercado, é uma droga ainda em estudo, sendo estudada”, finalizou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade