Publicidade

Estado de Minas ALMG

CPI dos 'fura-filas': ex-chefe de gabinete tem depoimento remarcado

João Márcio da Silva de Pinho iria depor nesta quinta-feira (29/04), mas pediu adiamento do depoimento


29/04/2021 09:29 - atualizado 29/04/2021 13:22

João Pinho era o chefe de gabinete da Secretaria de Estado da Saúde(foto: Pedro Gontijo/Governo de Minas)
João Pinho era o chefe de gabinete da Secretaria de Estado da Saúde (foto: Pedro Gontijo/Governo de Minas)
Ex-chefe de gabinete da Secretaria de Estado de Saúde (Ses) de Minas Gerais, João Márcio da Silva de Pinho, teve adiado o depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) que investiga possíveis 'fura-filas' da vacinação contra a COVID-19 no governo de Minas. Ele iria depor na manhã desta quinta-feira (29/04), mas teve reagendado para a próxima segunda-feira (03/05), a partir das 14h.

O ex-chefe de gabinete da Saúde, exonerado na última sexta-feira (23/04), pediu mais tempo à presidência para analisar a documentação produzida pela CPI. Ele prestaria depoimento nesta quinta junto de Everton Luiz Lemos de Souza, ex-chefe da Assessoria de Comunicação e demitido do governo no mesmo dia de João Pinho.

João Pinho vai depor na condição de investigado, assim como Everton. Isso porque ambos participaram de reunião em que a mudança de servidores em teletrabalho para o trabalho presencial foi proposta. O fato veio a público após o vazamento de um áudio de conversação entre os dois servidores. A troca foi pensada para proteger os profissionais das investigações feitas por Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e ALMG.

Em março deste ano, a princípio, foram vacinados 500 funcionários que atuam na Cidade Administrativa, sede do governo de Minas. Alguns deles, contudo, estavam em regime de teletrabalho, o que levantou suspeitas sobre a prioridade dessa imunização.

Depois, uma lista com 806 nomes de pessoas vacinadas foi entregue pelo Executivo à ALMG. O deputado estadual Agostinho Patrus (PV), presidente da Casa, não reconheceu a legitimidade do documento e pediu nova relação, que conta com 828 nomes após a retificação. Posteriormente, uma nova lista com nomes de mais 1.852 servidores da Ses vacinados contra a COVID-19 foi entregue pelo governo à ALMG.

Com o escândalo anunciado, Zema oficializou, em 13 de março, uma troca na Ses. Carlos Eduardo Amaral foi exonerado e deu lugar a Fábio Baccheretti, que segue no posto. Outras demissões também aconteceram por causa dessa questão, algumas até já depois da posse de Baccheretti.

As mais recentes ocorreram na última sexta-feira (23/04). João Márcio Silva de Pinho, chefe de gabinete desde a gestão de Amaral, e Everton Luiz de Souza, chefe da assessoria de Comunicação nomeado por Baccheretti, foram exonerados após indícios de interferência nas investigações.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade