Publicidade

Estado de Minas CPI da COVID

Bolsonaro defendeu que STF determinasse abertura de CPI quando era deputado

Presidente, que agora critica decisão de Barroso sobre a CPI da COVID, apoiou a ideia em 2007, quando era deputado federal e cobrava investigação de setor aéreo


09/04/2021 17:18 - atualizado 09/04/2021 18:42

Vídeo é de 2007, quando Jair Bolsonaro ainda era deputado federal(foto: TV Câmara/Reprodução)
Vídeo é de 2007, quando Jair Bolsonaro ainda era deputado federal (foto: TV Câmara/Reprodução)
Apesar de ter criticado o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Roberto Barroso por determinar a instalação, no Senado, de CPI para investigar a atuação do governo federal na pandemia de COVID-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já defendeu movimento semelhante quando era deputado federal. Em 2007, ele cobrou que o STF abrisse uma CPI para investigar o setor aéreo.

 
A Câmara decidiu, na época, não prosseguir com a criação da CPI do Apagão Aéreo, contudo, o plenário do Supremo determinou que a comissão fosse instalada.

"Espero que o Supremo tenha, apesar do que eu falei aqui, é o Supremo... Espero que tenha uma decisão lá voltada para a razoabilidade e deixe instalar a CPI. Por que o governo teme a CPI? Eu não tenho dúvida do superfaturamento de obras em aeroportos. Se quiser me acusar de leviano, eu respondo lá na CPI", disse Bolsonaro, então deputado, em entrevista à TV Câmara.




O presidente reagiu, nesta sexta-feira (9/4), à decisão de Barroso sobre a CPI da COVID. “Falta-lhe coragem moral e sobra-lhe imprópria militância política”, escreveu Bolsonaro em uma rede social.


Leia: Bolsonaro ataca Barroso por CPI sobre pandemia: 'Falta-lhe coragem moral'
 
Em nota, Barroso respondeu o presidente: "Na minha decisão, limitei-me a aplicar o que está previsto na Constituição, na linha de pacífica jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, e após consultar todos os ministros. Cumpro a Constituição e desempenho o meu papel com seriedade, educação e serenidade. Não penso em mudar".
 

Entenda o caso


Barroso determinou nessa quinta-feira (8/4) que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), instale a CPI da COVID, que tem como objetivo investigar a gestão do governo de Jair Bolsonaro no combate à pandemia.

Barroso deferiu o pedido que tem como alvo Bolsonaro e também o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

Leia: STF determina que Rodrigo Pacheco instale a CPI da COVID-19 

Além dos repasses aos estados no enfrentamento à pandemia, serão investigadas a demora na compra de vacinas e a aquisição de medicamentos para o chamado "tratamento precoce", que usa remédios como cloroquina, ivermectina e azitromicina, que não têm comprovação científica no tratamento da doença causada pelo novo coronavírus.
 
Barroso explicou que concedeu a liminar com urgência diante do agravamento da pandemia no país, que estabeleceu seu recorde de mortes em 24 horas nesta quinta-feira (4.249) e deve bater o total de 350 mil mortes até sábado (10/4).  

 *Estagiária sob supervisão da subeditora Kelen Cristina


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade