Publicidade

Estado de Minas NÚMERO CRESCE SEM PARAR

Carlos Bolsonaro diz 'estranhar' que no Brasil hoje só se morre de COVID-19

O filho 02 do presidente Jair Bolsonaro parece desconhecer a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen/Brasil)


05/04/2021 09:42 - atualizado 06/04/2021 07:04

(foto: Agência Senado)
(foto: Agência Senado)


O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos/RJ) questionou nesta segunda-feira (05/04) a contagem do número de mortos em decorrência da COVID-19. Para o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), há “algo estranho’’ no Brasil. “Só se morre de COVID?”,  indagou Carlos.

 



A pergunta do filho 02 do presidente tem resposta. O Brasil é hoje o epicentro da COVID-19, com mais de 3 mil mortes por dia, e os números só vêm aumentando.

 

Conforme dados da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen/Brasil), divulgados no dia 1º/04, março de 2021 foi o mês com o maior número de mortes por causas naturais no Brasil desde 2003, quando teve início a série histórica de óbitos computada pelos cartórios. Foram 144.576 mortes ocorridas no último mês.

Apesar de já baterem recorde, os números de março ainda devem aumentar nos próximos dias, já que nem todas as mortes ocorridas no mês foram registradas. O registro de uma morte no sistema pode levar dias para ser contabilizado.

O segundo mês com mais mortes por causas naturais nos últimos 18 anos foi junho de 2020, quando morreram 139.365 pessoas, segundo dados do Portal da Transparência da Arpen.

Mortes provocadas por acidentes ou violência não entram nessa estatística, mas apenas as naturais, ou seja, aquelas causadas por qualquer doença, como a COVID-19.

"Com certeza março de 2021 foi o mês mais mortal para o Brasil por causa da pandemia. Não houve nenhuma catástrofe que explicasse um salto tão grande de óbitos, nenhum outro causador [entre 2003 e 2021]", analisa o cientista de dados Isaac Schrarstzhaupt, entrevistado pelo jornal O Globo.

Março também registrou recorde de mortes por COVID-19 desde o início da pandemia. Foram 66,8 mil óbitos, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa.

“Neste momento de extrema dificuldade que estamos vivendo poder proporcionar as informações de óbitos no Brasil de forma imediata, aberta e transparente a toda sociedade e aos órgãos públicos é essencial para que as autoridades possam planejar suas ações e a população possa ter a real dimensão dos perigos desta doença”, explica Gustavo Renato Fiscarelli, presidente da Arpen-Brasil, também entrevistado pelo jornal O Globo.

Os dados de quinta reforçam um excesso de mortes naturais já apurado no ano passado no país, quando o Brasil registrou pelo menos 275 mil mortes a mais que o esperado.

"Se você olhar para março de 2020, verá que foram registrados 108 mil óbitos por causas naturais no país [segundo o Conass]. Era o início da pandemia. Se olhar para março de 2021, os registros aumentam para 148 mil óbitos. Não se morrem 40 mil pessoas a mais em um único mês por causas naturais em anos sem pandemia. Isso é o excesso causado direta e indiretamente pela COVID", explica Schrarstzhaupt.

O Brasil teve, no ano passado, 22% a mais de mortes por causas naturais do que o que era esperado, aponta um levantamento feito pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). O estudo, realizado pela organização global de saúde Vital Strategies, aponta que houve 275.587 mortes a mais no ano passado do que o previsto.

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.


transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.


A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia
  • Em casos graves, as vítimas apresentam:
  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
  • Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


-->-->-->-->


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade