Publicidade

Estado de Minas INTIMAÇÃO

Haddad chama Bolsonaro de genocida e ataca: 'Seja homem'

O petista defendeu Felipe Neto, que usou o termo contra o presidente e foi intimado com base na Lei de Segurança Nacional: 'Por que não manda a polícia aqui?'


17/03/2021 14:57 - atualizado 17/03/2021 15:54

Fernando Haddad (PT) foi derrotado por Bolsonaro no 2º turno das eleições de 2018(foto: TIAGO QUEIROZ/ESTADAO CONTEUDO)
Fernando Haddad (PT) foi derrotado por Bolsonaro no 2º turno das eleições de 2018 (foto: TIAGO QUEIROZ/ESTADAO CONTEUDO)

O embate entre o atual presidente, Jair Bolsonaro (sem partido), e o ex-candidato ao cargo, Fernando Haddad (PT), não encerrou após o fim das eleições de 2018, quando os dois se enfrentaram nas urnas.

O petista saiu em defesa do youtuber Felipe Neto, que chamou o chefe do Executivo de "genocida" e foi intimado a depor com base na Lei de Segurança Nacional e também no Código Penal.
 

Em defesa do influenciador, Haddad repetiu a fala durante uma live com o portal UOL, na noite dessa terça-feira (16/3). “Hoje, o [governador] João Doria chamou Bolsonaro de genocida. Processa o Doria, pô. Seja homem", desafiou Haddad.

"O Bolsonaro não tem coluna vertebral. Ele manda a Polícia Federal na casa do menino bem-sucedido, de um youtuber. O governador do estado o chamou de genocida. Eu o chamei mil vezes. E ele manda a PF na casa do youtuber? Por que não manda a polícia aqui? Vai mandar a PF na casa do menino?", completou.

Na live, o petista também reforçou as críticas que faz ao presidente. “Bolsonaro não tem condições morais, intelectuais e físicas de enfrentar nada", afirmou.

'É uma coisa muito indigna. Eu fico me perguntando: como o país deixou chegar a esse ponto? O nível de destruição do país será muito grande'

Fernando Haddad (PT)

 

O que diz a lei

Lei 2889/56 é a que trata do crime de genocídio no Brasil. Ela classifica aqueles que têm "intenção de destruir, no todo ou em parte, grupo nacional, étnico, racial ou religioso, como tal":
 
  • Matar membros do grupo;
  • Causar lesão grave à integridade física ou mental de membros do grupo;
  • Submeter intencionalmente o grupo a condições de existência capazes de ocasionar-lhe a destruição física total ou parcial;
  • Adotar medidas destinadas a impedir os nascimentos no seio do grupo;
  • Efetuar a transferência forçada de crianças do grupo para outro grupo. 


Já Lei de Segurança Nacional, em sua versão mais recente (de 1983), aponta como crime, em seu artigo 26: "Caluniar ou difamar o Presidente da República, o do Senado Federal, o da Câmara dos Deputados ou o do Supremo Tribunal Federal, imputando-lhes fato definido como crime ou fato ofensivo à reputação. Pena: reclusão, de 1 a 4 anos." 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade