Publicidade

Estado de Minas FALTA DE ACORDO

Pfizer pediu pressa a Bolsonaro para compra de vacinas, diz site

Diretor da farmacêutica britânica enviou carta ao governo brasileiro oferecendo prioridade na comercialização dos imunizantes para o país


22/01/2021 22:19 - atualizado 22/01/2021 22:43

Bolsonaro não chegou a acordo com diretores da Pfizer(foto: Marcos Corrêa/PR)
Bolsonaro não chegou a acordo com diretores da Pfizer (foto: Marcos Corrêa/PR)
O diretor-executivo da farmacêutica britânica Pfizer, o grego Abert Bourla, encaminhou no dia 12 de setembro do ano passado uma carta ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e aos seus ministros insistindo para que o Brasil fechasse negócio mais rapidamente com a empresa de vacinas. De acordo com a CNN Brasil, a farmacêutica levou em conta a alta demanda por imunizantes, mas considerou o Brasil como prioridade devido ao alto número de casos e mortes pelo novo coronavírus.

“A potencial vacina da Pfizer e da BioNTech é uma opção muito promissora para ajudar seu governo a mitigar esta pandemia. Quero fazer todos os esforços possíveis para garantir que doses de nossa futura vacina sejam reservadas para a população brasileira, porém celeridade é crucial devido à alta demanda de outros países e ao número limitado de doses em 2020”, escreveu Bourla.

“Minha equipe no Brasil se reuniu com representantes de seus Ministérios da Saúde e da Economia, bem como com a Embaixada do Brasil nos Estados Unidos. Apresentamos uma proposta ao Ministério da Saúde do Brasil para fornecer nossa potencial vacina que poderia proteger milhões de brasileiros, mas até o momento não recebemos uma resposta. Sabendo que o tempo é essencial, minha equipe está interessada em acelerar as discussões sobre uma possível aquisição e pronta para se reunir com Vossa Excelência ou representantes do Governo Brasileiro o mais rapidamente possível”, diz outro trecho do documento.

A carta foi encaminhada ao vice-presidente Hamilton Mourão e aos ministros Braga Netto (Casa Civil), Eduardo Pazuello (Saúde), Paulo Guedes (Economia) e ao embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Nestor Foster. Porém, segundo a CNN Brasil, as negociações nunca avançaram, já que o governo brasileiro já tinha o propósito de dar prioridade à AstraZênica/Oxford, produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Além disso, pesaram também as várias condições impostas pela Pfizer para a venda de vacinas. Mas o problema maior foram as cláusulas que a farmacêutica impôs para a venda. O governo considerou abusivas quatro trechos do pré-contrato, como a necessidade de o país depositar numa conta no exterior da Pfizer como garantia de pagamento, que o primeiro lote fosse de apenas 500 mil doses, considero insuficiente pelo Ministério da Saúde e que fosse assinado um termo de responsabilidade para eventuais efeitos colaterais da vacina. 

No Brasil, as primeiras vacinas foram aplicadas na última segunda-feira (17 /1), com a Coronavac, depois de insistência do governador de São Paulo, João Doria, que em junho do ano passado fechou um acordo com a farmacêutica chinesa Sinovac. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade